Práticas e articulações pedagógicas na educação infantil: contribuições ao processo de desenvolvimento de uma criança com autismo

Alexandre Freitas Marchiori, Carla de Almeida Aguiar França

Resumo


O presente artigo está pautado no reconhecimento da integralidade do sujeito e da necessidade de um trabalho pedagógico que amplie as possibilidades formativas da criança na educação infantil. O objeto de estudo é o autismo e as possibilidades de desenvolvimento de Suely na relação com os pares e adultos do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI). A metodologia corresponde a um estudo de caso etnográfico, com pesquisa participante, empregado para acompanhar as práticas pedagógicas em um CMEI do município de Vitória, desenvolvidas com uma turma do Grupo 4/5, crianças de 04 e 05 anos. O sujeito da pesquisa corresponde a uma criança diagnosticada clinicamente com autismo. A pesquisa compreendeu o período de 02 anos (2015-2016). Como propõe Vygotsky (2005, 2006, 2007), a formação da identidade perpassa as relações sociais, estão presentes nas interações com o outro, na apropriação da cultura e no desenvolvimento da linguagem. Os objetivos da pesquisa buscaram traçar perspectivas de trabalho pedagógico para auxiliar no processo de desenvolvimento de uma criança com autismo, atendida na educação infantil. O trabalho realizado ao longo de 2015 esteve organizado a partir das interações e brincadeiras. Em 2016, buscou romper com possíveis limitações advindas do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), numa abordagem colaborativa. Os aprendizados que podem ser destacados na formação de Suely foram o desenvolvimento da linguagem oral, uma vez que capacita o sujeito a interagir com os demais e se apropriar de signos e produzir novos significados, a apropriação dos usos da leitura e da escrita, das capacidades de interação social, de expressão artística e estética e autonomia nas escolhas necessárias no cotidiano da instituição.


Palavras-chave


Autismo; Educação inclusiva; Educação Física; Educação Infantil

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARAÚJO, lvaro Cabral; LOTUFO NETO, Francisco. A Nova Classificação Americana Para os Transtornos Mentais – o DSM-5. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, Vol. XVI, n. 1, p. 67 – 82, 2014.

BALDARES, Maria Jesús V.; OROZCO, Wendy N. Autismo infantil. Revista Cúpula, 26, 2, p. 44-58, 2012.

BAPTISTA, Claudio Roberto; BOSA, Cleonice. Autismo e educação: atuais desafios. In: BAPTISTA, Claudio Roberto; BOSA, Cleonice (org.). Autismo e Educação: reflexões e propostas de intervenção. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curricular Nacional para a Educação Infantil – DCNEI. Brasília: MEC, 2010.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. Sâo Paulo: Atlas, 1995.

MARTINS, Ligia M. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

NEVES, Anderson Jonas das; ANTONELLI, Carolina de Santi; DA SILVA, Mariana Girotto Carvalho; CAPELLINI, Vera Lúcia Messias Fialho. Escolarização formal e dimensões curriculares para alunos com autismo: o estado da Arte da produção acadêmica brasileira. Educação em Revista|Belo Horizonte|v.30|n.02|p.43-70|Abril-Junho 2014.

ORRÚ, Sílvia Ester. Contribuições da abordagem histórico-cultural na educação de alunos autistas. Revista Humanidades Médicas, SEP-Dic, vol. 10, n. 3, 2010.

PADILHA, Anna Maria Lunardi. Possibilidades de histórias ao contrário, ou, como desencaminhar o aluno da classe especial. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Plexus, 2004.

PAIVA JUNIOR. Casos de autismo sobem para 1 a cada 68 crianças. Revista Autismo, 03/2014. Disponível em: http://www.revistaautismo.com.br/noticias/casos-de-autismo-sobem-para-1-a-cada-68-criancas. Acesso em: 31/12/2015.

PALLARÈS, Josep Artigas; PAULA, Isabel. El autismo 70 años después de Leo Kanner y Hans Asperger. Rev. Asoc. Esp. Neuropsiq., n. 32 (115), p. 567-587, 2012.

PASQUALINI, Juliana Campregher. O papel do professor e do ensino a Educação Infantil: a perspectiva de Vigotski, Leontiev e Elkonin. In: DUARTE, Newton; MARTINS, Lígia Márcia (orgs.). Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

RIVIÈRE, Angel. O desenvolvimento e a educação da criança autista. (Org.) COLL, C.; PALACIOS, J.; MARCHESI, A. Desenvolvimento psicológico e educação: necessidades educativas especiais e aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

VASQUES, Carla K. Alice na biblioteca mágica: uma leitura sobre o diagnóstico e a escolarização de crianças com autismo e psicose infantil. Tese de doutorado. UFRGS/PPGE, Porto Alegre: 2008.

VENTURA, Magda Maria. O Estudo de Caso como Modalidade de Pesquisa. Revista SOCERJ. 20(5), set./out., p. 383-386, 2007.

VYGOTSKY, Lev S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores; organizadores Michael Cole... [et al.]. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VYGOTSKY, Lev S. Pensamento e linguagem. Trad. Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

VYGOTSKY, Lev S.; LURIA, A.R.; LEONTIEV, A.N. Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. 10ª ed. São Paulo: Ícone, 2006.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n38p488

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.