Educação como tradição: a relação adulto-criança na antropologia culturalista de Margaret Mead e Ruth Benedict

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2019v21n39p120

Palavras-chave:

Criança, Educação, Tradição, Antropologia

Resumo

A criança tem feito parte de pesquisas antropológicas e educacionais na última década no Brasil. E é a partir desse interesse que esse artigo apresenta a educação como tradição na perspectiva antropológica. Esse artigo, então, tem como objetivo apresentar e discutir de maneira original a educação como tradição na compreensão das relações adulto-criança na perspectiva das contribuições da antropologia cultural. O artigo, então, tem como questões norteadoras: Qual o papel desempenham o adulto e a criança na perspectiva da antropologia cultural de Mead e Benedict? Há dinamicidade educacional no diálogo entre adulto e criança? Essa relação adulto-criança, na perspectiva da educação como tradição, está representada aqui nos trabalhos que Margared Mead e Ruth Benedict desenvolveram no início do século XX. Os trabalhos mostram a existência dos padrões de cultura, na preservação das relações e na formação do adulto ideal por meio da educação entre gerações.

Biografia do Autor

Karina Augusta Limonta Vieira, Universidade Livre de Berlim

Pesquisadora Associada da Universidade Livre de Berlim. Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista com estagio doutoral na Universidade Livre de Berlim na área de Antropologia da Educação.

Referências

BENEDICT, Ruth. Continuities and Discontinuities in Cultural Conditioning. In: KLUCKHOHN, Clyde; MURRAY, Henry. Personality – in nature, society and culture. London: Jonathan Cape - Thirty Bedford Square, 1953. p. 522-531.

BENEDICT, Ruth. O Crisântemo e a Espada. Padrões da Cultura Japonesa. São Paulo: Editora Perspectiva, 1972.

BENEDICT, Ruth. Padrões de cultura. Petrópolis, R.J.: Vozes, 2013.

BENEDICT, Ruth. Anthropology and the Abnormal. The Journal of General Psychology, vol. 10, nº 1, 59-82, 1934.

COHN, Clarice. A criança, o aprendizado e a socialização na antropologia. In: SILVA, Aracy Lopes da; MACEDO, Ana Vera; NUNES, Angela. (Orgs.) Crianças indígenas – Ensaios antropológicos. São Paulo: Global, 2002.

COHN, Clarice. Antropologia da criança. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

ERNY, Pierre. Etnologia da educação. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

MEAD, Margaret. Coming of age in Samoa- a psychological study of primitive youth for Western Civilisation. New York: William Morrow & Company, 1928.

MEAD, Margaret. Growing up in New Guinea - a comparative study of primitive education. New York: Blue Ribbon Books, 1930.

MEAD, Margaret. Age patterning in Personality development. American Journal of Orthopsychiatry. New York, april, vol. 17, nº 2, 231 – 240, 1947.

MEAD, Margaret. Ruth Fulton Benedict - 1887-1948. American Anthropologist. Arlington, Virginia, jul./sep., vol. 51, nº 3, 457 – 468, 1949.

MEAD, Margaret. Culture and commitment. A study of the generation gap. New York: Natural History Press / Doubleday & Company, 1970.

MEAD, Margaret. Sexo e Temperamento. Série Debates – Antropologia. São Paulo: Perspectiva, 1979.

NUNES, Angela. O lugar da criança nos textos sobre sociedades indígenas brasileiras. In: SILVA, Aracy Lopes; MACEDO, Ana Vera; NUNES, Angela (Orgs.). Crianças indígenas: ensaios antropológicos. São Paulo: Global, 2002.

PIRES, Flavia. O que as crianças podem fazer pela Antropologia? Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 16, jul./dez., s/v, nº 34, 137-157, 2010.

TEDRUS, Dora. A relação adulto-criança: um estudo antropológico em creches e escolinhas de Campinas. Campinas: Unicamp, 1998.

WULF, Christoph. Einführung in die Anthropologie der Erziehung. Weinheim/Basel: Beltz, 2001.

WULF, Christoph. Antropologia da Educação. Tradução de Sidney Reinaldo da Silva. Campinas – S.P.: Editora Alínea, 2005.

Downloads

Publicado

2019-03-27