“Você veio olhar a gente ou escrever?”: usos do caderno de campo em pesquisa com crianças numa escola de Educação infantil

Míghian Danae Ferreira Nunes

Resumo


Este artigo tem origem nos capítulos sobre metodologia da tese defendida em 2017 no programa de pós-graduação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE-USP), em que apresento a etnografia realizada com crianças negras entre 4-5 anos numa turma de educação infantil na escola municipal Malê Debalê. O texto está dividido em três partes, a saber: no primeiro momento, apresento brevemente como se deu a entrada no campo da pesquisa ao qual me debrucei durante mais de um ano letivo; no segundo, falo sobre a unidade de observação escolhida para registrar as ações das crianças na turma e como e quais os instrumentos de coleta de dados escolhidos em interação com as crianças trouxeram contribuições à etnografia realizada. No terceiro momento, aquele que aprofunda o debate exposto no título do artigo, faço uma descrição sobre os usos sociais do caderno de campo por mim e pelas crianças para demonstrar como, em conjunto com as teorias aqui acionadas, o lugar e o modo de fazer a pesquisa produziram os materiais coletados e as análises feitas. Este artigo insere-se assim num debate mais amplo sobre pesquisa com crianças e a participação social destas a partir da sociologia da infância.  



Palavras-chave


Crianças negras; Sociologia da infância; Pesquisa com crianças

Texto completo:

PDF/A

Referências


AQUINO, Jania Perla Diógenes. A etnografia é um método, não uma mera ferramenta de pesquisa… que se pode usar de qualquer maneira (Entrevista com José Guilherme Cantor Magnani). Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 43, n. 2, jul/dez, 2012, p. 169 – 178. Disponível em: http://www.rcs.ufc.br/edicoes/v43n2/rcs_v43n2a12.pdf. Acesso em: 14 jan. 2019.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues Brandão. Reflexões sobre como fazer trabalho de campo. Sociedade e Cultura, 10 (1), 2007. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fchf/article/view/1719/2127. Acesso em: 26 jun.2019.

CORSARO, William Arnold. “We are friends, right?”: Children’s use of access rituals in a nursery school. Language and Society, v. 8, p. 315-336, 1979. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/4167089?seq=1#fndtn-page_scan_tab_contents. Acesso em: 26 jun. 2019.

CORSARO, William Arnold. Sociologia da infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CORSARO, William Arnold. A reprodução interpretativa no brincar ao "faz-de-conta" das crianças. Educação, Sociedade e Cultura, Porto, v. 17, p. 113-134, 2002.

CORSARO, William Arnold. Entrada no campo, aceitação e natureza da participação nos estudos etnográficos com crianças pequenas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 443-464, Mai/Ago. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v26n91/a08v2691.pdf. Acesso em: 26 jun. 2019.

COULON, Alain. Etnometodologia. Petrópolis: Vozes, 1995.

FERREIRA, Maria Manuela Martinho. “- A gente aqui o que gosta mais é de brincar com os outros meninos!”: As crianças como atores sociais e a (re) organização social do grupo de pares no cotidiano de um Jardim de Infância. Tese (Doutorado) - Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto. Porto, 2002.

FAVRET-SAADA, Jeanne. Ser afetado. Cadernos de Campo n. 13, p.155-161, 2005. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/viewFile/50263/54376. Acesso em: 26 jun.2019.

FREITAS, Joseania Miranda. Museu do Ilê Aiyê: um espaço de memória e etnicidade. Salvador, 1996. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia.

HERITAGE, John. Etnometodologia. In: GIDDENS, Anthony; TURNER, Jonathan (Org.). Teoria social hoje. São Paulo: Editora UNESP, 1999, p. 321-392.

LOBATO, Lúcia Fernandes. Malê Debalê: um espetáculo de resistência negra na cultura baiana contemporânea. Salvador, 2001. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) - Escola de Teatro, Universidade Federal da Bahia.

NUNES, Míghian Danae Ferreira. Mandingas da infância: as culturas das crianças pequenas na escola municipal Malê Debalê, em Salvador (BA). São Paulo, 2017. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo – FEUSP. Disponível em: Acesso em: 26.jun.2019.

OLIVEIRA, Nadir Nóbrega. Sou negona, sim senhora! Um olhar nas práticas espetaculares dos blocos afro Ilê Aiyê, Olodum, Malê Debalê e Bankoma no carnaval soteropolitano. Salvador, 2013. Tese (Doutorado) – Escola de Teatro, Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal da Bahia.

PROUT, Alan & JAMES, Allison. A new paradigm for the Sociology of childhood? Provenance, Promise and Problems. In: JAMES, A; PROUT, A. (Ed.). Constructing and Reconstructing Childhood: Contemporany Issues in the Sociological Study of Childhood. London: The Falmer Press, 1990.

PROUT, Alan. Childhood bodies: construction, agency and hybridity. In: PROUT, Alan (ed.) The body Childhood and society. London: Macmillan Press, 2000.

PIRES, Flávia. Ser adulta e pesquisar crianças: explorando possibilidades metodológicas na pesquisa antropológica. Antropologia, São Paulo, v. 50, n. 1, jun. 2007, p. 225-270. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-77012007000100006. Acesso em: 26 jun. 2019.

Que bloco é esse? Salvador, New Content (Conteúdo Customizado), Petrobrás, 2012. Vídeo no Youtube, 7min29sec. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=WTgV6yZkLyw. Acesso em: 26 jun. 2019.

ROCHA, Nara Maria Forte Diogo. Relações étnico-raciais e educação infantil: dizeres de crianças sobre cultura africana e afrobrasileira na escola. Fortaleza, 2015. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Ceará. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/13206/1/2015_tese_nmfdrocha.pdf. Acesso em: 26 jun. 2019.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2019v21n40p389

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.