Feminismo, culturas infantis, gênero e raça: uma reflexão sobre ser menina negra

Raíssa Francisco Santos, Edna Rodrigues Araújo Rossetto

Resumo


O presente artigo tem como objetivo discutir aspectos referentes aos estudos da produção das culturas infantis, destacar a importância do protagonismo de meninas negras na pré-escola e evidenciar o quanto são afetadas pelas relações sociais racistas e sexistas legitimadas pelo sistema capitalista. O aporte teórico é constituído por estudos de Kimberly Crenshaw(1989), Helena Hirata(2014), Ângela Davis(1982), Lélia Gonzales(1984). Podemos observar a relevância relativa a cada uma dessas categorias, seu sentido e a compreensão de como operam em conjunto. Os estudos de Fernandes (1989) propiciarão a abrangência histórica necessária e a relação classe/raça que contextualiza a relevância de entender as interseccionalidades de tais categorias.



Palavras-chave


Pré-escola; Menina negra; Racismo; Relações de gênero; Culturas infantis

Texto completo:

PDF/A

Referências


ASSIS, Valesca. Todos os Meses. Porto Alegre: AGE, 2004.

BILGE, Sirma. (2009), Théorisations féministes de l’intersectionnalité. Diogène, 1 (225): 70-88.

BOGO, Ademar. Identidade e luta de classes. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

BRASIL, Lei nº10639 de 9 de janeiro de 2003. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnicos Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. MEC/SECAD. 2005.

_____________DCNEI - Diretriz Curricular Nacional da Educação Infantil, 2010.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 4, de 13 de julho de 2010. Define diretrizes curriculares nacionais gerais para a Educação Básica. Brasília, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2017.

CHAUÍ, Marilena. Participando do Debate sobre Mulher e Violência. In: Franchetto, Bruna, Cavalcanti, Maria Laura V. C. e Heilborn, Maria Luiza (org.). Perspectivas Antropológicas da Mulher 4, São Paulo, Zahar Editores, 1985.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero, Estudos feministas 1, p.171-189, 2002.

DAVIS, Angela. Mulher, Raça e Classe. 1ª publicação na Grã Bretanha pela The Women’s Press, Ltda. Em 1982. Disponível em:http://plataformagueto.files.wordpress.com/2013/06/mulheres-rac3a7a-eclasse.pdf . Acesso em 26 de junho de 2017.

DEMARTINI Zeila de Brito Fabri. Infância, pesquisa com relatos orais, in: FARIA, Ana Lúcia Goulart de; DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri; PRADO, Patrícia Dias (Orgs.). Por uma cultura da infância: metodologias de pesquisa com crianças. 2ª edição, São Paulo: Autores Associados, 2005, p. 1-17.

FARIA, Ana Lúcia Goulart (Org.). O coletivo infantil em creches e pré-escolas: falares e saberes. São Paulo: Cortez, 2007.

FARIA, Ana Lúcia Goulart. Educação pré-escolar e cultura. Campinas/SP: Editora da UNICAMP/SP: Cortez, 1999.

FINCO, Daniela. Educação Infantil, espaços de confronto e convívio com as diferenças: Análises das interações entre professoras e meninas e meninos que transgridem as fronteiras de gênero. 2010. 198f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, 2010. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-20042010-135714/ Acesso em: 28 de Junho de 2017.

FERNANDES, Florestan. “As Trocinhas do Bom Retiro: contribuição ao estudo folclórico e sociológico dos grupos infantis”. In: FERNANDES, Florestan. Folclore e mudança social na cidade de São Paulo. 2 ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 1979.

____________Significado do Protesto Negro. Ed. Cortez / Autores Associados, 1989. Coleção polêmicas do nosso tempo ; v. 33, São Paulo-SP.

FUNDAÇÃO PALMARES/MinC, Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB), Coletivo CAFIN. Cultura Afrobrasileira e Identidade Nacional, Produção, Aicó Culturas, março de 2016.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: Uma breve discussão. In: Educação anti-racista: caminhos abertos pela lei Federal nº10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

GONZALES, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.

GONZALES, L.; HASENBALG, C. A. Lugar de negro. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero, 1982.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social. São Paulo, V.26, n°1, pp.61-74, junho de 2014.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, Sexualidade e Educação: Uma perspectiva pósestruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

McKLINTOCK, Anne. Imperial leather, Race, gender and sexuality in the colonial contest. Routledge, 1995.

MORENO, Montsserat (Coord.). Tradução: Ana Venite Fuzatto. Como se Ensina a Ser Menina: O Sexismo na Escola. Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual, de Campinas, 1999.

QVORTRUP, Jens. A Infância na Europa: novo campo de pesquisa social. Centro de documentação e informação sobre a criança. Instituto de Estudos da Criança. Universidade do Minho. Tradução de Helena Antunes, 1999.

ROCHA, Eloisa A. Candal. A Pesquisa em Educação Infantil no Brasil: trajetória recente e perspectiva de consolidação de uma Pedagogia da Educação Infantil. Florianópolis, Centro de Ciências da Educação, Núcleo de Publicações, 1999. 290p..

SANTIAGO, Flávio. “O meu cabelo é assim... igualzinho o da bruxa, todo armado”: hierarquização e racialização das criamças pequenininhas negras na educação infantil. Campinas, SP: [s.n.], 2014.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela Mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 5 ed. São Paulo: Cortez, 1999, pág. 256.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n37p157

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.