Infância e estrangeiridade: duas alteridades, a mesma minoridade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2021.e72762

Palavras-chave:

Infância, Minoridade, Estrangeiro, Migração

Resumo

Este artigo trata da relação dialética entre infância e estrangeiridade, considerando a infância como uma forma de migração para uma nova fase da vida e o migrante como um tipo de criança que precisa de amparo para se integrar ao novo espaço. De que maneira as duas condições de alteridade se aproximam em seus aspectos simbólicos e subjetivos? A partir da acepção de minoria / minoridade de Deleuze e Guattari, refletimos sobre o que faz da criança um não sujeito social e do estrangeiro um não cidadão. De um lado está o estrangeiro que desconhece os códigos que devem ser assimilados para sua integração, sem direito à fala plena, que demanda proteção. Do outro, a criança que chega ao mundo na condição de ser frágil, precário e inferior. Pelo método abdutivo, levantamos questões sobre a situação da criança migrante nos aspectos psicológico, político e filosófico. Será que, assim como o bárbaro (leia-se: estrangeiro, migrante, refugiado), que sabe apenas balbuciar na sociedade que o acolhe, essa criança tem reforçada sua dimensão de sujeito menor, invisível e sem voz? Afinal, que tipo de estrangeiro a criança migrante é?

Biografia do Autor

Mohammed ElHajji, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mohammed ElHajji é Doutor em Comunicação e Cultura pela UFRJ. Pós-doutorado pela UNISINOS (Mídia e Migrações). Professor nos Programas de Pós-Graduação em Comunicação (POS-ECO) e Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social (EICOS).

Fernanda Paraguassu, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fernanda Paraguassu é jornalista, mestranda em Comunicação e Cultura pela UFRJ. Orientanda do Prof. Dr. Mohammed ElHajji.

Referências

ARAÚJO, Denilson Cardoso de. A emancipação civil e suas relações com o Estatuto da Criança e do Adolescente. In: Jus.com.br. 3/2008. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/11069/a-emancipacao-civil-e-suas-relacoes-com-o-estatuto-da-crianca-e-do-adolescente. Acesso em: 3/4/2020.

ARIÉS, Philippe. História social da criança e da família. Trad. Dora Flaksman. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1983.

BAUMAN, Zygmunt. Estranhos à nossa porta. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

BECKER, Simone; ROCHA, Taís Cássia Peçanha. Notas sobre a “tutela indígena” no Brasil (legal e real), com toques de particularidades do sul de Mato Grosso do Sul. Revista da Faculdade de Direito UFPR, Curitiba, PR, Brasil, v. 62, n. 2, p. 73 – 105, maio/ago. 2017.

BHABHA, Jacqueline. The Child: What sort of human? PMLA, Vol. 121, n. 5 (Oct. 2006), p. 1526-1535. 2006.

BRAZÃO, José Carlos Chaves. Os sensos de si e a intersubjetividade: uma perspectiva desenvolvimentista não-linear. Estudos e Pesquisas em Psicologia. v. 13, n. 1, p. 254-278, Rio de Janeiro, 2013.

CARVALHO, Alexandre Filordi de. Por uma ontologia política da (d)eficiência no governo da infância. In: RESENDE, Haroldo de. Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. (Kindle).

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA. 20 nov. 1989. Unicef. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/convencao-sobre-os-direitos-da-crianca. Acesso em: 17/2/2020.

DELEUZE, Gilles. Foucault. Trad. Claudia Sant’Anna Martins. São Paulo: Editora Brasiliense, 2005.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia. Vol.2. Trad. Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

DUROSELLE, Jean-Baptiste. Todo império perecerá. Trad. Ane Lize Spaltemberg de S. Magalhães. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2000. 484 p.

ELHAJJI, Mohammed. Migrantes, uma minoria transacional em busca de cidadania universal. Interin, v. 22, n.1, jan/jun. p. 203-220. 2017.

GRAJZER, Deborah Esther. Crianças refugiadas: Um olhar para infância e seus direitos. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

KRISTEVA, Julia. Estrangeiros para nós mesmos. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

KOHAN, Walter O. Da maioridade à minoridade: filosofia, experiência e afirmação na infância. In: KOHAN, Walter O. Infância. Entre educação e filosofia. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

MOSCOSO, Maria Fernanda. “Nuevos sujetos, nuevas voces: ¿Hay lugar para la infancia en el pensamiento transnacional?”, In: Retos epistemológicos de las migraciones transnacionales, Anthropos, Barcelona: Enrique Santamaría (ed.), pp. 261-281. 2008.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Do contrato social. Ed. Ridendo Castigat Mores, 2001.

PIOLET, Vincent. Les émirats et royaumes arabes: les travaillerus migrants au pays des free zones. Hérodote. 2009/2 (n. 133), pp. 136-151. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-herodote-2009-2-page-136.htm. Acesso em: 28/3/2020.

RESENDE, Haroldo de. (org.). Apresentação para Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica Editora, (Kindle). 2015.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro – A formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

ROUDINESCO, Elisabeth. A família em desordem. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

SAYAD, Abdelmalek. “O que é um imigrante?” In: SAYAD, Abdelmalek. A imigração ou os paradoxos da alteridade, Edusp, São Paulo, 1998.

SCHÜTZ, Alfred. O Estrangeiro: Um ensaio em Psicologia Social. Revista Espaço Acadêmico, ano X, n. 113, p. 117-129, out. 2010.

SIMMEL, Georg. O estrangeiro. In: MORAES FILHO, Evaristo de (Org.). 1983. Simmel – Sociologia. São Paulo: Ática. Coleção Grandes Cientistas Sociais, vol. 34. p.182-188.

SODRÉ, Muniz. Por um conceito de minoria. In: PAIVA, R.; BARBALHO, A. (Orgs.). Comunicação e cultura das minorias. São Paulo: Paulus, 2005.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

STERN, Daniel. El mundo interpersonal del infante. 1a. ed. Buenos Aires: Paidós, 2005.

VESCHI, Jorge Luiz. O que é o humano? Paradigma da semelhança x paradigma da diferença. In: VI Simpósio de Pesquisa sobre Migrações: Caderno de resumos, UFRJ. Rio de Janeiro: Periplos, 2019.

Downloads

Publicado

2021-03-12