Docência na Educação Infantil: tecendo reflexões sobre gênero, masculinidade e formação de professores/as

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2020v22n42p807

Palavras-chave:

Docência masculina, Educação Infantil, Formação de professores/as, Gênero, Masculinidades

Resumo

As realidades da Educação Infantil no Brasil e em outros países revelam a reduzida procura dos homens para atuarem como docentes nessa etapa da Educação Básica. Talvez decorra daí o fato de também serem escassas as pesquisas que envolvem a docência masculina nesse âmbito. Nesse contexto, este estudo, fruto de experiências de pesquisas e de vivências educativas com crianças pequenas, tem por objetivo refletir sobre a participação dos homens na função de docentes na Educação Infantil, tomando por referência as categorias de gênero e masculinidades, a formação de professores/as no curso de Pedagogia de uma universidade pública de Campina Grande-PB e a experiência de um dos autores com crianças de 4 e 5 anos de idade. Teoricamente, o trabalho está subsidiado por pesquisas relativas à questão de gênero, masculinidades, infâncias e formação de professores/as. Partindo dos relatos de algumas experiências e articulando-as à teoria pertinente, o debate das ideias contidas neste texto enseja reflexões teóricas e formas de agir visando superar atitudes discriminatórias a respeito da docência de homens na Educação Infantil.

Biografia do Autor

Rayffi Gumercindo Pereira de Souza, Universidade Federal de Campina Grande

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG - 2017) e Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG - 2020). Atualmente está como professor substituto na Unidade Acadêmica de Educação Infantil (UAEI) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), atuando como docente junto a crianças na etapa da Educação Infantil. Possui experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Básica, manifestando interesse principalmente pelas seguintes áreas e temáticas de estudos e pesquisa: Educação Infantil, Educação do Campo, Crianças, Infâncias e Culturas Infantis. É vinculado ao Grupo de estudos e pesquisas Infâncias, Educação Infantil e contextos plurais (GRÃO - UFCG), que é cadastrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq. Também é membro ativo do Fórum do Agreste Paraibano de Educação Infantil (FAPEI - UFCG).

José Luiz Ferreira, Universidade Federal de Campina Grande

Possui graduação em Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Federal da Paraíba (1986), Mestrado (1996) e Doutorado (2008) em Educação pela Universidade Federal da Paraíba. Atualmente é professor no Curso de Pedagogia na Universidade Federal de Campina Grande. Coordena o Grupo de Estudos em Educação Física e Esporte (GEEFES).Tem experiência na área de Educação Física e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação rural, relações de gênero, pedagogia e educação física.

Fernanda de Lourdes Almeida Leal, Universidade Federal de Campina Grande

Possui Licenciatura Plena em Psicologia (1995) e formação em Psicologia Clínica (1996), pela Universidade Estadual da Paraíba. Mestrado em Comunicação e Semiótica, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1999). Doutorado em Ciências Sociais, pela Universidade Federal de Campina Grande (2012). Professora da Unidade Acadêmica de Educação, desde 2002, e do programa de Pós-graduação em Educação, da Universidade Federal de Campina Grande, atuando na linha de pesquisa Práticas Educativas e Diversidade.. Desenvolve projetos de pesquisa e extensão relacionados às seguintes áreas: Educação do Campo, Educação Infantil do Campo, Contextos Específicos e processos de subjetivação. Coordenou, na região nordeste, a pesquisa nacional Caracterização das Práticas educativas com crianças de 0 a 6 anos em territórios rurais brasileiros (MEC/UFRGS), que contou com a participação de pesquisadores de IES de todas as regiões do país e foi desenvolvida no período de 2011 a 2012. Coordenou a pesquisa "Oferta da Educação Infantil no estado da Paraíba em área urbana e rural ? aspectos quantitativos e qualitativos" (Chamada Universal ? MCTI/CNPq no. 14/2014). Coordenou a construção da proposta curricular do estado da Paraíba, quanto a etapa da Educação Infantil, a partir da BNCC. É líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Infâncias, Educação Infantil e Contextos Plurais (Grão), cadastrado no Diretório de Grupos de Pesquisa no Brasil/CNPq. É membro do Fórum do Agreste Paraibano de Educação Infantil, vinculado ao MIEIB.

Referências

ABRAMOWICZ, Anete. A pesquisa com crianças em infâncias e a sociologia da infância. In: FARIA, Ana Lúcia de; FINCO, Daniela. (Orgs.) Sociologia da infância. Campinas, SP: Autores Associados, 2018. p. 17-36.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz. Nordestino, uma invenção do falo: uma história do gênero masculino (nordeste -1920-1940). Maceió: Edições Catavento, 2003.

AGUIAR, Lorena Marinho Silva; PEREIRA, Júlio Emílio Diniz. Um olhar sobre as práticas pedagógicas que transgridem estereótipos de gênero no município de Belo Horizonte – MG. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SEXUAL, 4, 2015, Belo Horizonte. Anais[...] Belo horizonte: UFMG, 2015.

BANDITER, Elisabeth. XY sobre a identidade masculina. Trad. Maria Ignez Duque Estrada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Por amor e por força: rotinas na Educação Infantil. 2000. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Por amor e por forças: rotinas na Educação Infantil. Porto Alegre: ARTMED, 2007.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira (Cons.). Práticas cotidianas na Educação Infantil: bases para a reflexão sobre as orientações curriculares. Brasília, DF: MEC, 2009.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira; HORN, Maria da Graça Souza. Projetos Pedagógicos na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed Editora, 2008.

BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus, 1984.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Trad. Maria Helena Külner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 29 mar. 2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. A educação infantil na Base Nacional Comum Curricular. Documento em fase de construção. Brasília, DF: MEC, 2017.

BRASIL. Lei nº 9.394. 1996. LDB – Leis de Diretrizes e Bases. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 21 out. 2019.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Disponível em:http://portal.mec.gov.br/conselho-nacional-de-educacao/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/13684-resolucoes-ceb-2009. Acesso em:15 jul. 2019.

CARDOSO, Frederico Assis. Homens fora de lugar? A identidade de professores homens na docência com crianças. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 30, 2007, Caxambu. Anais [...] Minas Gerais: Anped, 2007.

CARDOSO, Frederico Assis. A identidade de professores homens na docência com crianças: Homens fora de lugar? 2004. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2004.

CHRISTENSEN, Pia; JAMES, Allison. Investigação com crianças: perspectivas e práticas. Porto: Escola Superior de Educação Paula Frassinetti, 2005.

CONNELL, Robert W. Políticas da masculinidade. Educação e Realidade, [s.l], v.20, n.2, p. 185-206, jul./dez. 1995.

CORSARO, WILLIAM. Sociologia da infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CUSCHNIR, Luiz. Masculino, como ele se vê; Feminina como o homem vê a mulher. 2 Ed. São Paulo: Editora Saraiva, 1994.

DO VALE, Isabel Cristina de Oliveira. Educação Infantil: um olhar para a inserção. In: COUTINHO, Scalabrin Coutinho; DAY, Gisele; VERENA, Wiggers. Práticas Pedagógicas na Educação Infantil: diálogos a partir da formação profissional. São Leopoldo: Oikos; Nova Petrópolis: Nova Harmonia, 2012.

FERREIRA, José Luiz. Homens ensinando crianças: continuidade-descontinuidade das relações de gênero na escola rural. 2008. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2008.

GIFFIN, Karen. A inserção dos homens nos estudos de gênero: contribuições de um sujeito histórico. Ciênc. saúde coletiva, [s. l], v.10, n.1, p.47-57, mar. 2005.

KRAMER, Sônia. Leitura e escrita como experiência: seu papel na formação de sujeitos sociais. Presença Pedagógica, [s.l.], v.6, n.31, p. 17-27, 2000.

KUHLMANN JR., Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. 5 ed. Porto Alegre: Mediação, 2010.

LARROSA, Jorge. Dar a palavra. Notas para uma lógica da transmissão. In: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos. Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

LOURO, Guacira Lopes. O currículo e as diferenças sexuais de gênero. In: COSTA, Marisa Vorraber. (Org). O currículo nos limiares do contemporâneo. 2 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e Educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

NOLASCO, Sócrates. O Mito da Masculinidade. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

PRANGE, Bruna; BRGAGNOLO, Regina Ingrid.As singularidades das crianças pequenas expressas nas suas brincadeiras. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 1, p. 251-271, 2012.

QVORTRUP, Jens. A infância enquanto categoria estrutural. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n.2, p. 631-643, maio/ago. 2010.

RABELO, Amanda Oliveira. A figura masculina na docência do ensino primário: um “corpo estranho” no quotidiano das escolas públicas “primárias” do Rio de Janeiro – Brasil e Aveiro – Portugal. 2008. Tese (Doutorado em Ciências da Educação) – Departamento de Ciências da Educação, Universidade de Aveiro, Portugal, 2008.

ROSEMBERG, Fúlvia. Crianças e adolescentes na sociedade brasileira e a Constituição de 1988. In: OLIVEN, Ruben G.; RIDENTI, Marcelo; BRANDÃO, Gildo M. (Org.). A Constituição de 1988 na vida brasileira. São Paulo: Hucitec, 2008. p. 296-334.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Visibilidade social e estudo da infância. In: VASCONCELOS, V.M.R. de. (Org.). Infância (In)visível. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2007. p. 25-49.

SARMENTO, Manuel Jacinto; PINTO, Manuel. As crianças contextos e identidades. Braga: Centro de Estudos da Criança, 1997.

SAYÃO, Deborah Thomé. Relações de gênero e trabalho docente na educação infantil: um estudo de professores em creche. 2005. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Sociedade. Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 71-99, jul/dez, 1990.

SILVA, Peterson Rigato da. Não sou tio, nem pai, sou professor!: A docência masculina na educação infantil. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, Campinas, 2014.

Downloads

Publicado

2020-11-05