Afeto é palavra masculina: experiências de um estagiário da Educação Infantil no recôncavo da Bahia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2020v22n42p796

Palavras-chave:

Educação Infantil, Masculinidade, Gênero

Resumo

O presente relato traz a experiência acadêmica de um estudante de Pedagogia, em sua atuação no estágio de Educação Infantil na creche, no Recôncavo da Bahia, junto a uma turma de crianças de 2 anos de idade. A narrativa desta vivência contribuiu para uma reflexão sobre a presença de homens em espaços institucionais de educação e, mais especificamente, no cuidado de crianças pequenas. Tais espaços até recentemente eram ocupados quase exclusivamente por mulheres, entretanto, nos últimos anos, é perceptível a presença de um quantitativo maior de homens compartilhando a docência e outros afazeres no interior dessas instituições. Deste modo, discute-se que, apesar da existência de preconceitos, a inserção de homens na Educação Infantil pode representar alterações qualitativamente positivas no processo de interação com os demais adultos e também na educação das crianças. 

 

Biografia do Autor

Robervaldo Neri dos Santos Passos, .Centro de Formação de Professores da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Graduando em Licenciatura em Pedagogia pelo Centro de Formação de Professores da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Alice Costa Macedo, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB

Professora Adjunta do Centro de Formação de Professores da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério de Educação e do Desporto. Referencial curricular nacional para educação infantil. Brasília, DF: MEC, 1998.

CARVALHO, Marília Pinto de. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo: Xamã, 1999.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Anísio Teixeira. Ministério da Educação. Disponível em: <http://www.enem.inep.gov.br/>. Acesso em: 06 mai. 2020.

KUHLMANN Jr., Moysés. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação, n. 14, p. 5-18, 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a02>. Acesso em: 19 set. 2019.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

MARTINS, Viviane Lima; SILVA, Júlio Régis da. O professor homem na educação infantil: Um olhar acerca do preconceito. Revista Intraciência, n. 11, p. 01-23, 2016. Disponível em: <http://www.faculdadedoguaruja.edu.br/revista/downloads/edicao112016/Artigo02.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2017.

SOUZA, José Edilmar de. Homem docência com crianças pequenas: O olhar das crianças de um centro de educação infantil. 37ª Reunião Nacional da ANPEd, Florianópolis: UFSC, 2015. Disponível em: <http://www.anped.org.br/sites/default/files/trabalho-gt07-4232.pdf>. Acesso em: 19 set. 2019.

THOMASI, Katia Barroso; VENTURINI, Angela Maria. A feminização na educação infantil: uma questão de gênero. Revista Científica Digital da FAETEC, v. 1, n. 1, p. 1-15, 2013. Disponível em: <http://www.faetec.rj.gov.br/desup/index.php/edutec>. Acesso em: 25 ago. 2020.

VIEIRA, Lívia Maria Fraga. Mal necessário: creches no Departamento Nacional da Criança (1940-1070). Cadernos de Pesquisa, n. 67, p. 3-16, 1988.

Downloads

Publicado

2020-11-05