Professores homens na Educação Inicial: um estudo de caso em uma instituição de Educação Infantil colombiana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2020v22n42p382

Palavras-chave:

Professores homens, Educação infantil, Colômbia

Resumo

O artigo trata da atuação de professores do sexo masculino em uma instituição de Educação Inicial da Colômbia e, à luz das teorias de gênero, buscou compreender as representações de masculinidades e feminilidades que emergem da percepção de homens e mulheres sobre a docência masculina nesta etapa educacional. A investigação foi realizada de agosto a dezembro de 2017 e os dados foram produzidos por meio de entrevistas em profundidade com quatro docentes (dois professores e duas professoras). As entrevistas evidenciam que as relações dos professores homens com as crianças são desprovidas de preconceitos ou interdições, no entanto, as análises apontam que o trabalho desses profissionais é distinto daquele realizado pelas professoras e as especificidades de gênero que se constituem no espaço institucional acarretam tensões e ambivalências.

Biografia do Autor

Joaquim Ramos, Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte e Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais

Doutor em educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), como bolsista do CNPq, no Programa de Pós-graduação: Conhecimento, Inclusão Social e Educação, na linha de pesquisa Psicologia, Psicanálise e Educação/Doutorado Latino-americano, em parceria com a Universidad Pedagógica Nacional da Colômbia/Bogotá, onde realizou parte dos estudos de doutorado (sanduíche). Na UFMG participa do Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicologia Histórico-Cultural na Sala de Aula (GEPSA) e compõe a equipe de articulistas do Jornal Pensar a Educação Pensar o Brasil. Graduado em Letras, com especialização em Língua Portuguesa (UNI/BH). Realizou o curso de Mestrado em Educação pela PUC-Minas como bolsista da Fundação Ford, tendo recebido pelo resultado da investigação diploma de premiação da Secretaria de Políticas para as Mulheres e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), na 9ª edição do Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero. Pela Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte, atuou na Educação Infantil como coordenador e vice-diretor de Unidade Municipal de Educação Infantil (UMEI). Atualmente, é docente na Educação de Jovens e Adultos, na rede municipal de educação de Belo Horizonte e no Ensino Médio, na Secretaria de Estado da Educação de Minas Ger

Maria de Fátima Cardoso Gomes, Universidade Federal de Minas Gerais

 Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais.Professora Titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil (Graduação e Pós-Graduação). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Psicologia Histórico-Cultural na Sala de Aula (GEPSA).

Alexander Ruiz Silva, Universidad Pedagógica Nacional

Doctor en Ciencias Sociales de FLACSO (Argentina). Profesor Titular de la  Universidad Pedagógica Nacional. Investigador en el campo de la formación ético-política.

Referências

BRAILOVSKY, Daniel. “Los Muy Señoritos”: la profesión docente en la experiencia de los maestros jardineiros. In-fan-cia latinoamericana Revista digital de la asociación de maestros Rosa Sensat– Ago. 2013. Disponível em: latinoamericana@revistainfancia.org, acesso em 05 mai. 2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf. Acesso em: 22 de maio de 2020.

BUSS-SIMÃO, Márcia. Relações sociais em um contexto de educação infantil: um olhar sobre a dimensão corporal na perspectiva de crianças pequenas. 2012. 312f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

CARVALHO, Marília Pinto de. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo: Xamã, 1999.

CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ed. Ática, 2000.

CAMPOS, Maria Malta; GROSBAUM, Marta W.; PAHIM, Regina; ROSEMBERG, Fúlvia. Profissionais de creche. Cadernos CEDES: educação pré-escolar:desafios e alternativas, Campinas, n. 9, 1991.

COLOMBIA. Congreso de la República de Colombia. Ley 115 (de 8 de fev. de 1994). Ley general de educación.

COLOMBIA. Ministerio da Educación Nacional. Sentido de la educación inicial. Serie de orientaciones pedagógicas para la educación inicial en el marco de la atención integral. Documento nº 20, 2014.

CONNELL, Robert W. Políticas da masculinidade. In: Educação e Realidade. Vol. 20 (2), jul/dez. 1995, p. 185-206.

CRUZ, E. F. “Quem leva o nenê e a bolsa?”: o masculino na creche. In: ARILHA, M.; RIDENTI, S. G. U.; MEDRADO, B. (Org.). Homens e masculinidades: outras palavras. São Paulo: ECOS, Ed. 34, p. 235-258, 1998.

FERREIRA, José L. Homens ensinando crianças: continuidades-descontinuidades nas relações de gênero na escola rural. Tese (Doutorado em Educação). João Pessoa, UFPB, 2008.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. “Temos um problema em nossa escola: um garoto afeminado demais”. Pedagogia do armário e currículo em ação. Universidade Federal de Uberlândia. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 4, n° 2- ago./dez. 2015.

LOPES, Elsa Santana dos Santos. A presença masculina na creche: estariam os educadores homens fora de lugar? 2015. 160 f. Tese (Doutorado) - Curso de Doutorado em Educação, Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Guacira Lopes Louro (org.). Tradução dos artigos: Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

LOURO, Guacira Lopes; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. GOELLNER, Silvana Vilodre. In: A produção cultural do corpo. `Petrópolis: Editora Vozes, 2005.

LÜDKE, Menga, ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Rio de Janeiro: E.P.U., 2014.

MONTEIRO, Mariana Kubilius; ALTMANN, Helena. Homens na Educação Infantil: olhares de suspeita e tentativa de segregação. Cadernos de Pesquisa, v.44, nº 153, p.720-741, jul./set.2014.

MORENO, Rodrigo Ruan Merat. Professores homens na Educação Infantil do município do Rio de Janeiro: vozes, experiências, memórias e histórias. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Dissertação de mestrado. 2017.

PEREIRA, Maria Arlete Bastos. Professor homem na educação infantil: a construção de uma identidade. 2012. 162 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos.

RUIZ, Alexander y PRADA, Manuel. (2020) Didáctica de la fantasia. La educación del niño como sujeto de derechos. Bogotá. – Medellín: Universidad Pedagógica Nacional – La Carreta editores.

SAYÃO, Débora Thomé. Relações de gênero e trabalho docente na Educação Infantil: um estudo de professores em creche. 2005. 273 f. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina: PPGE, Florianópolis, 2005.

SILVA, Claudionor Renato da; VELOSO, Luana Alves Porto. Desafios do professor homem na Educação Infantil: um debate a partir do estágio em Pedagogia. Revista: Itinerarius Reflectionis. Universidade Federal de Goiás, vol. 14, nº 1, 2018.

SILVA, Peterson Rigato da. Não sou tio, nem pai, sou professor! A docência masculina na educação infantil. 2014. 222 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

SILVA, Tuéli Fonseca da; RABELO, Giani. Gênero e educação: um panorama das pesquisas acadêmicas no Brasil a respeito da docência masculina na Educação Infantil. Revista: Saberes Pedagógicos, Criciúma, v. 3, nº1, janeiro/junho 2019.– Curso de Pedagogia– UNESC.

SILVA, Walter Lúcio da. Homens que educam: desafios do nosso tempo. Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba, 2013.

SOUSA, José Edilmar de. Homem na docência com crianças pequenas: o olhar das crianças de um centro de Educação Infantil. 37ª Reunião Nacional da ANPEd – 04 a 08 de outubro de 2015, UFSC – Florianópolis

Downloads

Publicado

2020-11-05