A educação e o cuidado dos bebês na pandemia: uma análise a partir das relações geracionais, raciais e de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2021.e79001

Palavras-chave:

Educação e cuidado, Bebês, Mulheres Negras, Pandemia

Resumo

O objetivo do artigo é discutir a educação e o cuidado dos bebês no período da pandemia da COVID-19 tomando como referência as categorias raça, geração e gênero. A base teórica interdisciplinar se situa nos campos da educação das relações étnico-raciais, dos estudos de gênero, especialmente os feministas, e dos estudos sociais da infância. Trata-se de um estudo de abordagem mista, quanti-quali, que explora os dados estatísticos sobre o acesso dos bebês à creche e sobre as condições de vida das mulheres com filhos/as. As análises tomam ainda como referência entrevistas com mulheres negras que têm seus bebês em uma creche pública municipal em Florianópolis. A partir da análise dos dados, indica-se que os fatores de desigualdade que marcam o acesso dos bebês à creche já estavam presentes desde antes a pandemia e no caso das condições de vida das mulheres negras com filhos/as, observa-se um processo de precarização da vida, sendo que no contexto estudado destaca-se uma intensa ocupação do tempo das mulheres com os cuidados com os seus bebês e com outras pessoas, a diminuição dos recursos para a subsistência e um processo de confinamento social.

Biografia do Autor

Ângela Scalabrin Coutinho, Universidade Federal do Paraná

Departamento de Teoria e Prática de Ensino, área de Prática Pedagógica e sub-área da Educação Infantil

Porgrama de Pós-graduação em Educação, linha Educação: diversidade, diferença e desigualdade social

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018.

BIROLI, Flávia. Gênero e Desigualdades: os limites da democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório do 3º ciclo de monitoramento das metas do Plano Nacional de Educação – 2020. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2020.

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Congresso Nacional, 1988.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. In: Estudos Feministas, ano 10, v. 1, 2002, p. 171-188. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf Acesso em: 11 de setembro de 2007.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa. Mulheres, corpo e acumulação primitiva. Tradução: Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante, 2017.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afrolatinoamericano. Revista Isis Internacional, Santiago, v. 9, p. 133-141, 1988.

HALLDÉN, Gunilla. The metaphors of childhood in a preschool context. Paper presented at AARE conference, Sydney, 27 Nov – 1 Dec 2005. Disponível em: http://www. aare.edu.au/05pap/hal05001.pdf Acesso em: 14/04/2008.

hooks, bell. E eu não sou uma mulher? Mulheres negras e feminismo. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

NEYRAND, Gérard. L’enfant, la mère et la question du père. Un bilan critique de l’évolution de savoirs sur la petite enfance. Paris: PUF, 2000.

NEYRAND, Gérard. L’évolution du regard sur le lien parental Approche socio-historique de la petite enfance. Devenir. Volume 21, n.1, p. 27-55. 2002.

OXFAM. Tempo de cuidar. O trabalho de cuidado não remunerado e mal pago e a crise global da desigualdade. Oxford: OXFAM, 2020. Disponível em: https://rdstation-static.s3.amazonaws.com/cms/files/115321/1579272776200120_Tempo_de_Cuidar_PT-BR_sumario_executivo.pdf Acesso em: 01/07/2020.

PIRES, Roberto. Introdução. In: PIRES, Roberto (org.) Implementando desigualdades: reprodução de desigualdades na implementação de políticas públicas. Rio de Janeiro: Ipea, p. 13-50. 2019.

PROUT, Alan; JAMES, Allison. Introduction e A New Paradigma for the Sociology of Childhood? Provenance, promise and problems. 2ª ed. In: JAMES, Allison; PROUT, Alan. Constructing and Reconstructing Childhood. London and New York: Routledge, p. 1-33. 2010.

ROSEMBERG, Fúlvia. Balanço e reflexões sobre desigualdades de raça e gênero no sistema educacional brasileiro. In: ARTES, A.; UNBEHAUM, S. Escritos de Fúlvia Rosemberg. São Paulo: Cortez: Fundação Carlos Chagas, p. 124-149. 2015.

ROSEMBERG, Fúlvia. Educação Infantil e relações raciais: a tensão entre igualdade e diversidade. Cadernos de Pesquisa, v. 44, n. 153, jul./set. 2014, p. 742-759.

ROSEMBERG, Fúlvia. Criança pequena e desigualdade social no Brasil. In: Freitas, Marcos Cezar de. Desigualdade social e diversidade cultural na infância e na juventude. São Paulo: Cortez, 2006.

ROSEMBERG, Fúlvia. Expansão da Educação Infantil e processos de exclusão. Cadernos de Pesquisa, n. 107, julho de 1999, p. 7-40. 1999.

Downloads

Publicado

2021-01-29