Pedagogia da presença na formação de educadoras/es de infância: perspectivas sobre as suas (im)potências no âmbito da pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2021.e79039

Palavras-chave:

Pedagogia, Educação de Infância, Formação inicial, Pandemia de Covid-19

Resumo

O artigo que aqui se propõe discute um conjunto de ideias em torno da formação inicial de educadoras/es de infância que se tornaram especialmente visíveis no contexto da pandemia provocada pela doença Covid-19. A partir do lugar ambíguo da educação de infância no sistema educativo português, pretende-se dar eco a questões emergentes e ao seu impacto na vivência da pedagogia do ensino superior, especialmente no que diz respeito ao isomorfismo da formação inicial e às potencialidades do que se faz e do que escolhe não fazer na formação inicial. Apresenta-se o caso de duas escolas superiores de educação da área metropolitana de Lisboa, uma pública e uma privada, ambas com uma história de várias décadas na formação inicial de educadoras de infância. O foco será colocado na experiência de ensino não presencial, com especial ênfase na resposta dada aos estágios curriculares previstos para o 2º semestre de 2019/2020.

Biografia do Autor

Elisabete X. Gomes, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal

Doutora em Ciências da Educação. Professora Adjunta de Pedagogia. Instituto Politécnico de Setúbal, Escola Superior de Educação. Membro integrado do CICS.NOVA - Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa. Lisboa, Portugal

Referências

ALVES, Mariana Gaio. Vírus no ensino superior. Público, 10 de junho de 2020. Disponível em: https://www.publico.pt/2020/06/10/opiniao/noticia/virus-ensino-superior-1920067.

ALVES, Mariana Gaio; AZEVEDO, Nair Rios. Introdução: (Re)pensando a investigação em educação. In: ALVES, Mariana Gaio; AZEVEDO, Nair Rios (eds). Investigar em Educação: Desafios da construção do conhecimento e da formação dos investigadores num campo multi-referenciado. Óbidos: Várzea da Rainha Impressores, p. 1-29. 2010.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 1º edição 1958. Lisboa: Relógio D'Água, 2001.

ARENDT, Hannah. A crise na educação. In: POMBO, Olga (ed). Quatro textos excêntricos. Lisboa: Relógio D'Água, p. 21-53 (Trad. Olga Pombo). 2000.

BÁRCENA, Fernando. Una pedagogía de la presencia. Crítica filosófica a la impostura pedagógica. Teoria de la Educacion. Revista Interuniversitaria, Universidade de Salamanca, v. 24, n. 2, p.25-57. 2012.

BIESTA, Gert. Have we been paying attention? Educational anaesthetics in a time of crises. Educational Philosophy and Theory, p. 1-3. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1080/00131857.2020.1792612.

CNE, CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Contributos para a educação pós COVID-19. A memória, o conhecimento, o futuro - o conhecimento. análises nacionais. Lisboa: Conselho Nacional de Educação, 28 de Julho de 2020.

FOLQUE, Maria Assunção; TOMÁS, Catarina; VILARINHO, Emília; SANTOS, Lúcia; FERNANDES-HOMEM, Luísa; SARMENTO, Manuel. (2016). Pensar a educação de Infância e os seus contextos. In: SILVA, Manuela (eds). Pensar a Educação: Temas sectoriais. Vol. 1. Lisboa: EDUCA, p. 9-46. 2016.

GOMES, Elisabete Xavier. Exercício. Pensar a educação aprendendo com as artes. In: FALCAO, Miguel; LEITE, Teresa; PEREIRA, Teresa (e-book). Lisboa: Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Lisboa, 2020.

GOMES, Elisabete Xavier. Quem tem medo da pedagogia? Contributos da teoria contemporânea da educação para resistir ao regresso ao básico. Revista Brasileira de Educação, n. 20, v. 63, p. 949-973. 2015.

DAVIS, Mike et al. Coronavírus e a luta de classes. Brasil: Terra sem Amos, 2020.

HODGSON, Naomi, Joris VLIEGHE, e Piotr ZAMOJSKI. Manifesto for a Post-critical Pedagogy. Londres: Punctum Books, 2017.

KOHAN, Walter O. Infância: Entre Educação e Filosofia. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

LARROSA, Jorge. Règles pour dire, penser et habiter l'éducation. Interacções, v. 11, n. 37, p. 5-23. 2015.

LARROSA, Jorge. Tremores: Escritos sobre expriência. Porto Alegre: Autêntica, 2013.

MASSCHELEIN, Jan. E-ducando o olhar: a necessidade de uma pedagogia pobre. Educação & Realidade, v. 33, n. 1, p.35-48. 2008.

NÓVOA, António. Firmar a posição como professor: Afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa v. 47, n. 166, p. 1106-1133. 2017.

PENNAC, Daniel. Mágoas da escola. Porto: Porto Editora, 2009.

PETERS, Michael A., et al. Reimagining the new pedagogical possibilities for universities post-Covid-19. Educational Philosophy and Theory, 2020: 1- 44. Disponível em: https://doi.org/10.1080/00131857.2020.1777655.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: Cinco lições sobre a emancipação intelectual. Mangualde: Pedago, 2010.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do virús. Coimbra: Almedina, 2020.

STAKE, Robert. A arte da investigação com estudo de caso. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.

VASCONCELOS, Teresa. A casa que se procura: Percursos na educação de infância em Portugal. Lisboa: APEI, 2012.

Publicado

2021-01-29