“Livres para voar”: o museu nacional do rio de janeiro nas imagens e palavras de uma professora e seus alunos do ensino médio

Vinícius dos Santos Moraes, Marise Basso Amaral

Resumo


A importância dos espaços não formais como meio de divulgação e ambientes educativos é ressaltada e defendida por inúmeros autores. Entretanto, pouco se discute sobre as experiências estéticas vividas em tais espaços. Experiências essas que podem ser definidas como encontros, como vivências que em muito podem auxiliar na produção de saberes. Poderia a fotografia nos revelar tais experiências? Ou mesmo nos mostrar como se dá a relação com aquele espaço? No intuito de obter algumas respostas, buscamos observar como é a relação dos alunos(as) do Ensino Médio com o Museu Nacional do Rio de Janeiro através de fotografias e legendas produzidas por eles(as) e sua professora de biologia. Destacamos o cuidado estético ao produzir tais imagens e sua relação de descoberta com o espaço. A professora, ao contrário, tem a preocupação de inserir seus estudantes naquele espaço. Assim, são eles(as) os mais retratados em suas fotografias. A fotografia se mostrou um bom instrumento de análise e discussão das vivências obtidas em espaços não formais, assim como uma ponte entre esses ambientes e o espaço escolar.    


Palavras-chave


espaços não formais; experiência estética; fotografia; museu; espaços formais

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1982-5153.2015v8n2p33

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Alexandria: R. Educ. Ci. Tec., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1982-5153

Licença Creative Commons

Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.