Jogos de linguagem na educação do campo: cotidiano e matemática na visão de professores do campo

Valdomiro Pinheiro Teixeira Junior

Resumo


A contextualização a partir do cotidiano é defendida por documentos e referenciais teóricos da Educação Matemática e associada aos princípios da Educação do Campo, por se considerar que ela oferece sentido e permite valorizar a realidade dos estudantes. No entanto, a segunda filosofia de Wittgenstein aponta que realidades diferentes são jogos de linguagens que possuem no máximo semelhanças e não uma relação imediata. Nesse sentido, esta pesquisa buscou perceber as relações que os professores de matemática de uma escola do campo fazem entre as realidades da matemática formal e do cotidiano. Os professores apontam problemas em suas formações, tanto com relação ao conteúdo, quanto em discussões sobre contextualização, que surge mais como um discurso. Mas para além do discurso é possível perceber em falas dos professores que estes entendem que alguns conteúdos são de difícil contextualização, mas nem por isso devem ser preteridos.

Palavras-chave


Professores do campo; Matemática; Contextualização; Jogos de linguagem; Educação do campo

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARROYO, M. Políticas de formação de educadores(as) do campo. Cad. Cedes, Campinas, v. 27, n. 72, p. 157-176, 2007.

ARROYO, M. CALDART, R. MOLINA, M (Orgs.). Por uma educação do campo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

BAKER, G. P.; HACKER, P. M. S. Wittgenstein: understanding and meaning – part I. Oxford: Blackwell, 2005.

BASSO, J D.; BEZERRA NETO, L. Pedagogia histórico crítica, movimento dos trabalhadores rurais sem terra e a educação no campo: Contradições na luta pela escola única. In: IX SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS “HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL”, 2012, João pessoa/PB. Anais...João Pessoa/PB, 2012.

BICUDO, M. A. V. Pesquisa Qualitativa e Pesquisa Quantitativa segundo a abordagem fenomenológica. In: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. O. (Org.) Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. p. 99-112.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF. 1996

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (5ª a 8ª Séries). Matemática. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, DF, 1998.

BRASIL. MEC. Referências para uma política nacional de Educação do Campo: caderno de subsídios. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Grupo Permanente de Trabalho de Educação do Campo. M. N. Ramos, T. M. Moreira e C. A. dos Santos (coordenação). (2ª Ed.). C. BRASÍLIA. DF: MEC/SECAD, 2005.

CALDART, R. Pedagogia do Movimento Sem Terra. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

DUARTE, Cláudia G. Trabalhar com a "realidade" do campo: algumas descontinuidades discursivas. In: XIII CONGRESSO INTERAMERICANO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2011, Recife/PE. Anais...Recife/PE, 2011.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1988.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 48. reimp. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

GIARDINETTO, J. R. B. Matemática escolar e matemática da vida cotidiana. Campinas: Autores Associados, 1999.

GLOCK, H-J. Dicionário de Wittgenstein. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

GOTTSCHALK, Cristiane M. C. Reflexões sobre contexto e significado na educação matemática. In: VII ENCONTRO PAULISTA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2004, São Carlos/SP. Anais...São Carlos/SP, 2004.

KNIJNIK, G; DUARTE, C. G. Entrelaçamentos e dispersões de enunciados no discurso da Educação matemática Escolar: um estudo sobre a importância de trazer a "realidade" do aluno para as aulas de matemática. Boletim de Educação Matemática, v. 23, p. 863-886, 2012.

MOLINA, M. Brasil. Educação do Campo e Pesquisa: questões para reflexão. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006.

MORENO, A. R. Wittgenstein: os labirintos da linguagem. Campinas: Editora Moderna, 2006.

PISTRAK, M. M. Fundamentos da Escola do Trabalho. 5. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2000.

PISTRAK, M. M. A Escola-Comuna. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

SCHMITZ, F. Wittgenstein, la philosophie et les mathématiques. Paris: PUF, 1988.

PISTRAK, M. M. Wittgenstein. São Paulo: Liberdade, 2004.

SILVEIRA, M. R. A.; MEIRA, J. L.; FEIO, E. S. P.; TEIXEIRA JÚNIOR, V. P. Reflexões acerca da contextualização dos conteúdos no ensino da matemática. Currículo sem Fronteiras, v. 14, n.1, p. 151-172, 2014.

SILVEIRA, M. R. A.; TEIXEIRA JÚNIOR, V. P.; SILVA, P. V. A matemática e suas aplicações na perspectiva de Wittgenstein. In: XIV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. 2015, Chiapas, México. Anais... Chiapas, México, 2015.

TASCHETO, L. R.; DUARTE, C. G. Educação matemática e jogos de linguagem na escola: reverberações. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 23, n. 1, p. 186-203, jan./jun. 2015.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. São Paulo: Nova cultural, 1999 (coleção os pensadores).

WITTGENSTEIN, L. Gramática Filosófica. São Paulo: Edições Loyola, 2003.




DOI: https://doi.org/10.5007/1982-5153.2020v13n1p57

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Alexandria: R. Educ. Ci. Tec., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1982-5153

Licença Creative Commons

Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.