O que sabemos sobre a pesquisa brasileira voltada à educação em museus de ciências?

Daniel Fernando Bovolenta Ovigli, João José Caluzi

Resumo


Os últimos quarenta anos evidenciam grande crescimento da pesquisa em educação em ciências no Brasil (TEIXEIRA, 2008). Diante do volume de produção científica da área, são necessários estudos de caráter inventariante e descritivo, denominados pesquisas de estado da arte, ainda pouco encontrados na literatura científica brasileira, em especial no campo da educação em ciências. Nesse contexto, o objetivo principal da pesquisa que originou este artigo residiu na identificação e descrição das principais características e tendências das pesquisas brasileiras desenvolvidas em uma subárea da educação em ciências, a educação em museus de ciências. O estudo considerou trabalhos divulgados sob a forma de dissertações e teses no período de 1970 a 2010, analisando o quantitativo desta produção ao longo do tempo, sua procedência e seu conteúdo. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa e quantitativa, que realiza uma análise documental, caracterizando-se como estudo de revisão bibliográfica. Foram mapeados 153 trabalhos, defendidos predominantemente no eixo Rio-São Paulo, em sua maioria na última década, evidenciando que a área em questão caracteriza-se emergente no campo da educação em ciências. 


Palavras-chave


estado da arte; educação em museus; educação em ciências

Texto completo:

PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Alexandria: R. Educ. Ci. Tec., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1982-5153

Licença Creative Commons

Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.