Análise do discurso de uma publicação ‘antivacina’ no youtube e algumas reflexões para a educação em ciências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1982-5153.2021.e74309

Palavras-chave:

Teorias da conspiração antivacina, Pensamento crítico, Análise do discurso, Educação em Ciências, Questões controvérsias

Resumo

O objetivo deste artigo foi apresentar uma pesquisa que analisou o discurso em uma publicação ‘antivacina’ no YouTube. O estudo se pautou na seguinte questão de investigação: que relações podem ser evidenciadas entre um discurso ‘antivacina’ e disposições de pensamento crítico? A análise discursiva foi encaminhada conforme Maingueneau, e algumas contribuições sobre pensamento crítico foram consideradas. As perspectivas de Paul Feyerabend e Bruno Latour foram assumidas para justificar um posicionamento simétrico frente ao discurso analisado. Como resultados identificamos a relutância de teóricos da conspiração frente a evidências e informações científicas, a demarcada oposição aos conhecimentos científicos e o caráter ideológico desses discursos. Teorias conspiratórias parecem fazer parte de um sistema cultural e psicossocial complexo, não exclusivamente relacionado às disposições de pensamento. Consideramos que esta pesquisa pode contribuir para as discussões referentes à investigação de teorias conspiratórias e para tornar esse um foco de pesquisa frutífero para a Educação em Ciências.

Biografia do Autor

Leonardo Wilezelek Soares de Melo, Universidade Estadual de Londrina

Bacharel e Licenciado em Química pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, câmpus Pato Branco. Participou por dois anos do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) da disciplina de Química. Mestre em Ensino de Ciência e Tecnologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, câmpus Ponta Grossa. Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática da Universidade Estadual de Londrina. Integrante do Grupo de Estudos Culturais das Ciências e da Educação (GECCE). Tem realizado pesquisas em temáticas como História e Filosofia das Ciências; Estudos Sociais de Ciências; Teorias da Conspiração.

Fabiele Cristiane Dias Broietti, Universidade Estadual de Londrina

Licenciada em Química (UEL, 2004), tem especialização em Ensino de Química (UEL, 2006), Mestrado em Ensino de Ciências (UEL, 2008) e Doutorado em Educação para a Ciências (UEM, 2013). Realizou estágio de Pós-doutoramento na Universidade de Aveiro/Portugal (2019). É professora adjunta da Universidade Estadual de Londrina (UEL) atuando no Departamento de Química, no programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática (PECEM) e no Programa de Mestrado Profissional em Química em Rede Nacional (PROFQUI). Pesquisa na área de ensino de ciências, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino e Aprendizagem em Química; Avaliação e Formação de professores. Atualmente é vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática (PECEM) - (2019 - 2021). Participa no grupo de pesquisa EDUCIM, criado em 2002. É Líder do grupo de Pesquisa - LEPEQ - Laboratório de Ensino e Pesquisa em Educação Química.

Rosana Figueiredo Salvi, Universidade Estadual de Londrina

Graduada em Bacharelado e Licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho/UNESP/Campus de Rio Claro (1987). Mestre em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (1992). Doutora em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (2000). Realizou estágio de pós-doutorado na Faculdade de Ciência e Tecnologia/UNESP/Presidente Prudente. É professora associada da Universidade Estadual de Londrina/UEL, locada no Departamento de Geociências/CCE, onde desenvolve pesquisa sobre: Epistemologia da Geografia; Formação docente; História e Filosofia da Ciência. Lidera o Grupo de Estudo Multidisciplinar dos Processos de Ensino e Aprendizagem - GEMPEA (Diretório de Grupos de Pesquisa CNPq). Na graduação tem experiência na área de Geografia e na Pós-Graduação atua nas áreas de Geografia e Educação Científica, com ênfase na Epistemologia da Geografia, no Movimento CSTA e História e Filosofia da Ciência, nos níveis de mestrado e doutorado

Referências

MITOS SOBRE VACINAS, 2019. 1 vídeo (22 min e 55 seg). Publicado pelo canal Ciência de Verdade do YouTube. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=xgPIv6jWvAE&t=979s. Acessoem 02/10/2019.

BROWNE, M., THOMSON, P., ROCKLOFF, M. J., PENNYCOOK, G. Going against the herd: psychological and cultural factors underlying the ‘vaccination confidence gap’. PlosOne, v. 10, n. 09, p. 01-14, 2015. Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0132562. Acessoem 15 out. 2019.

ENNIS, R. Critical Thinking: A streamlined conception. Teaching Philosophy, v. 14, n. 01, p. 05-24, 1991.

ENNIS, R. Critical Thinking Dispositions: Their Nature and Assesability. Informal Logic, v. 18, n. 02 e 03, v. p. 165-182, 1996.

FASCE, A., PICÓ, A. Science as vaccine: the relation between scientific literacy and unwarranted beliefs. Science and Education, v. 28, n. 1, p. 109-125, 2019.

FEYERABEND, P. Contra o método. Rio de janeiro: Francisco Alves, 1977.

GOERTZEL, T. Belief in conspiracy theories. Political psychology, v. 15, n.4, p. 731-742, 1994.

HARAMBAM, J., AUPERS, S.Contesting epistemic authority: conspiracy theories on the boundaries of science. Public understanding of science, v. 24, n. 4, p. 466-480, 2014.

HOCHMAN, G. Vacinação, varíola e uma cultura da imunização no Brasil. Ciênc. Saúde coletiva, v. 16, n. 2, p. 375-386, 2011.

JOLLEY, D., DOUGLAS, K. M. The effects of anti-vaccine conspiracy theories on vaccination intentions. Plos one, v. 09, n. 02, p. 01-09, 2014.

JOLLEY, D., DOUGLAS, K. M. Prevention is better than cure: Addressing anti-vaccine conspiracy theories. Journal of Applied Social Psychology, v. 47, s/n, p. 459-469, 2017.

LANTIAN, A., MULLER, D., NURRA, C., DOUGLAS, K. M. I know thing they don’t know: The role of need for uniqueness in belief in conspiracy theories. Social Psychology, v. 48, n. 03, p. 160-173, 2017.

LATOUR, B. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora, 2. Ed. São Paulo: Ed. Unesp, 2011.

LESSA, S. C; SCHRAMM, F. R. Proteção individual versus proteção coletiva: análise bioética do programa nacional de vacinação infantil em massa. Ciênc. saúde coletiva, , v. 20, n. 1, p. 115-124, 2015

LIMA, A. L. G.; VIVIANI, L. M. Conhecimentos especializados sobre os problemas de rendimento escolar: um estudo de manuais de psicologia e da Revista de Educação. Hist. Educ., v. 19, n. 46, p. 93-112, 2015.

MAINGUNEAU, D. Gênese do discurso. Curitiba: Criar Edições, 2005.

PROOIJEN, J. W. V. Why education predicts decreased belief in conspiracy theories. Applied Cognitive Psychology, v. 31, n. 01, p. 50-58, 2017.

SWAMI, V., VORACEK, M., STIEGER, S., Tran, U. S. & Furnham, A. Analytic thinking reduces belief in conspiracy theories. Cognition, v. 133, n. 3, p. 572-585, 2014.

SOUSA, A. S., VIEIRA, R. M. O pensamento crítico na educação em ciências: revisão de estudos no ensino básico em Portugal. Rev. Fac. Educ., v. 29, n. 01, p. 15-33, 2018.

STAHL, T. VAN PROOIJEN, J. W. Epistemic rationality: Skepticism toward unfounded beliefs requires sufficient cognitive ability and motivation to be rational. Personality and Individual Differences, v. 122, s/n, p. 155-163, 2018.

TENTEIRO-VIEIRA, C., VIEIRA, R. M. Promover o pensamento crítico dos alunos: propostas concretas para a sala de aula. Porto: Porto Editora, 2000.

TENRERO-VIEIRA, C.; VIEIRA, R. M. Literacia e pensamento crítico: um referencial para a educação em ciências e em matemática. Revista Brasileira de Educação, [S. l.], v. 18, n. 52, p. 163-188, 2013.

WOOD, M. J., DOUGLAS, K. M., SUTTON, R. M. Dead and alive: beliefs in contradictory conspiracy theories. Social psychological and personality science, v. 6, n.3, p. 767-773, 2012.

WOOD, M. J. Some dare call it conspiracy: labeling something a conspiracy theory does not reduce belief in it. Politicalpsychology, v. 37, n. 5, p. 695-705, 2016.

ZORZETTO, R. As razões da queda da vacinação. Pesquisa Fapesp, ano 19, n. 270, p. 18-25, ago. 2018. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/as-razoes-da-queda-na-vacinacao/. Acesso em 05 de set. 2020.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-11-16

Edição

Seção

Artigos