O trabalho nos centros de atenção psicossocial de Campinas/SP: Um estudo hermenêutico - narrativo sobre o sofrimento psíquico dos trabalhadores

Conteúdo do artigo principal

Ana Luiza Ferrer
Rosana Onocko Campos

Resumo

Trata-se de uma pesquisa qualitativa, apoiada na teoria hermenêutico-crítica para identificar o sofrimento dos profissionais de saúde inseridos nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) do município de Campinas-SP. Realizaram-se doze grupos focais, considerando diferentes grupos de interesse. Os grupos foram gravados, transcritos e narrativas foram construídas recorrendo ao referencial teórico de Ricoeur. Os trabalhadores afirmam que o trabalho na Saúde Mental é tenso, pois lidam o tempo todo com a loucura e não há espaços nos serviços voltados para o cuidado deles. O preparo teórico dos trabalhadores de nível médio é insuficiente. Referem que não lidam somente com a doença mental, mas com muitas ações de promoção social. A grande demanda de casos novos e a precariedade da rede básica atrapalham o acompanhamento dos casos. É possível perceber que o sofrimento se estabelece no campo somático por meio de várias doenças. Os trabalhadores convivem diariamente com situações geradoras de sofrimento. Contudo, apesar das dificuldades, estão cientes de suas escolhas profissionais e dizem que são implicados, acreditam na proposta dos CAPS e na reabilitação psicossocial, sendo motivados também pelo prazer de trabalhar nesses equipamentos, o que os mantém ligados às tarefas e responsabilidades que assumem

Detalhes do artigo

Como Citar
FERRER, Ana Luiza; CAMPOS, Rosana Onocko. O trabalho nos centros de atenção psicossocial de Campinas/SP: Um estudo hermenêutico - narrativo sobre o sofrimento psíquico dos trabalhadores. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 1–14, 2011. DOI: 10.5007/cbsm.v1i2.68471. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/68471. Acesso em: 24 jun. 2024.
Seção
Artigos originais