A percepção mortal da testemunha: focalização em A Menina que Roubava Livros, de Markus Zusak

Autores

  • Débora Almeida de Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS
  • Sandra Sirangelo Maggio Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8026.2017v70n1p135

Palavras-chave:

Narratologia, Focalização, Focalização Inserida, Focalização Perceptiva, A Menina que Roubava Livros

Resumo

Para um melhor entendimento de uma narrativa é essencial que  leitor saiba quem é aquele que percebe (o focalizador). Suas crenças e compreensão determinam quais personagens e circunstâncias devem ser ignoradas ou examinadas de perto através da utilização dos sentidos da visão, audição, tato, paladar ou olfato. Assim sendo, a questão da focalização é algo relevante a ser levado em consideração quando um trabalho literário é analisado. No presente artigo, a obra do autor australiano Markus Zusak, A Menina que Roubava Livros, é discutida sob a ótica da narratologia, especialmente através das vozes de Gérard Genette, Mieke Bal e Rimmon-Kenan. Assevera-se que a focalização em A Menina que Roubava Livros é uma das principais técnicas literárias que ajuda a construir a atmosfera e sentido do texto. 

Biografia do Autor

Débora Almeida de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Doutoranda em Literaturas de Língua Inglesa pelo departamento de Línguas Modernas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.

 

Sandra Sirangelo Maggio, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Doutora em Literatura Anglo-Americana e professora adjunta no curso de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

BAL, Mieke. (1981). “The Laughing Mice: Or: On Focalization.” In: Poetics Today, Vol. 2, N. 2, Narratology III: Narration and Perspective in Fiction. p. 202-210.

___________. (1997) Narratology: Introduction to the theory of Narrative. Toronto: University of Toronto Press.

GENETTE, Gérard. (1980) Narrative Discourse: An Essay in Method. New York: Cornell University Press, 1980.

HERMAN, Luc; VERVAECK, Bart. (2005) Handbook of Narrative Analysis: Frontiers of Narrative. Nebraska: UNP, 2005.

JAHN, Manfred. (1996) “Windows of focalization: deconstructing and reconstructing a narratological concept.” In: Style. Vol. 30, N. 02, p. 241 – 267.

JONG, Irene J. F. de. (2014) Narratology and the Classics: A Practical Guide. Oxford: OUP.

RIMMON-KENAN, Shlomith. (1983) Narrative Fiction: Contemporary Poetics. New York: Routledg.

ZUSAK, Markus. (2006) Interview by Judith Ridge. “Death Gets its Say.” In: Publishers Weekly. Vol. 253, N. 08, p. 61 – 62. Available In: < http://www.publishersweekly.com/pw/print/20060220/6015-death-gets-its-say.html>. Access in: 01st July, 2014.

____________. (2007) The Book Thief. New York: Alfred A. Knopf.

Publicado

2017-01-27

Edição

Seção

Artigos