No bosque ficcional de Tristram Shandy: leitor e narrador nas entrelinhas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8026.2021.e74750

Palavras-chave:

Tristram Shandy, narrador, leitor, Narratário

Resumo

Este trabalho analisa as figurações do leitor em Tristram Shandy, de Laurence Sterne a partir das ideias de Umberto Eco, Gerard Genette e Maurice Blanchot, com foco na relação entre narrador e leitor e o efeito estético decorrente das técnicas formais. Frente a um narrador-autor-personagem autoconsciente, os jogos com os limites do real e do imaginário são recorrentes, e desafiam aos mais variados tipos de leitores ainda na contemporaneidade. Tais experimentalismos refletem as ações do leitor, que se vê constantemente instigado e desafiado. Considerada por Virginia Woolf a precursora do romance moderno, a obra recebe pontos de vista distintos no que tange à interpretação de sua forma, conforme será discutido aqui, ao ponto de ser, por vezes, melhor compreendida pelos escritores shandianos que lhe seguiram e ainda seguem o influxo de ressignificação da mimesis e da forma literária. 

 

 

Biografia do Autor

Aline Candido Trigo, UNESP

Mestra em Letras pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) - 2016 -, Doutoranda em Letras pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - 2017-2021.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. Trad. Michel Lahud et. al. 12ª ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BLANCHOT, Maurice. O livro por vir. Trad. Leyla Perrone-Moisés. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2018.

BOOTH, Wayne C. Tristram Shandy and its Precursors: The Self-conscious Narrator. Dissertation. University of Chicago. 276 number of pages. 1950.

CEIA, Carlos. Tristram Shandy e Viagens na minha terra: paradigmas da metaficção. Scripta, Belo Horizonte, v. 3, n. 5, p. 19-33, 2. sem. 1999.

DEJEAN, Joan. Antigos contra modernos: as guerras culturais e a construção de um fin de siècle. Trad. Zaida Maldonado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

DE VOODGE, Peter. Sterne and visual culture. The Cambridge companion to Laurence Sterne. Edited by Thomas Keymer. New York: Cambridge University Press, 2009.

ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. Trad. Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

ECO, Umberto. Obra aberta. In: Obra aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. 8. ed. Trad. Giovanni Cutolo. São Paulo: Perspectiva, 2001.

ECO, Umberto. Interpretação e Superinterpretação. Trad. M F. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FANNING, Christopher. Sterne and print culture. In: KEMER, Thomas. (Editor). The Cambridge Companion to Laurence Sterne. Cambridge: CUP, 2009.

GAMA-KHALIL, Marisa Martins. Os espaços do leitor ficcionalizado: nas teias dialógicas de Henry Fielding e Laurence Sterne. Itinerários, Araraquara, n.37, p.141-154, jul-dez. 2013.

GENETTE, Gérard. Discurso da narrativa. Trad. Fernando Cabral Martins. Lisboa: 1930.

GENETTE, Gérard. Narrative Discourse: an essay in method. Trad. Jane E. Lewin. New York: Cornell University, 1980.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia: ensinamentos das formas de arte do século XX. Trad. Teresa Louro Pérez. Lisboa: Edições 70, 1985.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria e ficção. Trad. Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

ISER, Wolfgang. Laurence Sterne: Tristram Shandy. New York: Cambridge University, 2008.

LAJOLO, Marisa. ZILBERMAN, Regina. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática, 1998.

LIMA, Luiz Costa. O controle do imaginário e a afirmação do romance: Dom Quixote, As relações perigosas, Moll Flanders, Tristram Shandy. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

NOGUEIRA, Nícea Helena de Almeida. Laurence Sterne e Machado de Assis: a tradição da sátira menipéia. Rio de Janeiro: Galo Branco, 2004.

ROUANET, Sergio Paulo. Riso e melancolia: a forma shandiana em Sterne, Diderot, Xavier de Maistre, Almeida Garrett e Machado de Assis. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

STERNE, Laurence. A vida e as opiniões do cavalheiro Tristram Shandy. Trad. José Paulo Paes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

STERNE, Laurence. The life and opinions of Tristram Shandy, gentleman. Munich: Günter Jürgensmeier, 2005.

Tristram Shandy: A Cock and Bull Story. Dir. Michael Winterbottom. Perf. Steve Coogan, Rob Brydon, and Gillian Anderson. 2005. DVD. HBO, 2006.

Downloads

Publicado

2021-01-28

Edição

Seção

Contextos literários: releituras e intertextos