Intermidialidade, intertextualidade e paródia: ressonâncias de Jane Austen em A mulher do tenente francês, de John Fowles

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8026.2021.e75477

Palavras-chave:

Intertextualidade, Jane Austen, Paródia, john fowles

Resumo

Este ensaio tem como objetivo investigar a importância de Jane Austen em A mulher do tenente francês, de John Fowles. Referências à Persuasão, de Austen, aparecem três vezes no romance de Fowles, e as ressonâncias desse diálogo intertextual afetam substancialmente a política de caracterização e espaço (principalmente o Cobb) em A mulher do tenente francês. Esta discussão fundamenta-se teoricamente na relação entre intertextualidade, intermedialidade e paródia, de modo a considerar a relevância de Persuasão (romance pré-vitoriano) em uma obra geralmente considerada pelos críticos como uma paródia de valores e princípios da sociedade e da literatura vitorianas. Que relações se produzem, tanto em termos poéticos quanto políticos, quando pensamos na associação Austen-Fowles?

Biografia do Autor

Genilda Azeredo, Universidade Federal de Santa Catarina

professora Titular do Departamento de Letras Estrangeiras Modernas
da Universidade Federal da Paraíba, com atuação no curso de Graduação em Letras e no
Programa de Pós-Graduação em Letras. Desenvolve, desde 2010, pesquisa com apoio
financeiro do CNPq, através de bolsa de produtividade em pesquisa/PQ2. Suas áreas de
interesse incluem: literatura e cinema; adaptação fílmica; narrativas poéticas literárias e
fílmicas; narrativas metaficcionais literárias e fílmicas; estudos interartes e
intermidiáticos. É membro das entidades acadêmicas: ANPOLL/Associação Nacional
de Pós-Graduação e pesquisa em Letras e Linguística, sendo membro do grupo de
trabalho em Intermidialidade: literatura, artes e mídias; ABRAPUI/Associação
Brasileira de Professores Universitários de Inglês e Literaturas de Língua Inglesa;
ABRALIC/Associação Brasileira de Literatura Comparada e SOCINE/Sociedade
Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual. É autora dos livros Jane Austen,
adaptação e ironia (João Pessoa: Manufatura, 2003); Jane Austen on the screen: a
study of irony in Emma (João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2009); Para
celebrar Jane Austen: diálogos entre cinema e literatura (Curitiba: Appris, 2013);
Olhares sobre o cinema brasileiro (Campinas: Pontes, 2016); e co-organizou, com a
Prof. a Anelise Corseuil, o livro Cinema e literatura: poéticas e políticas da metaficção
(Campinas: Pontes, 2019), dentre outros.

Referências

Acheson, James, editor. John Fowles. Palgrave Macmillan, 2013.

Austen, Jane. Persuasion. 1818. Oxford University Press, 1990.

Azerêdo, Genilda. “From Page to Screen: Images of Englishness in Emma.” Revista de Estudos Anglo-Americanos, no. 27-28, 2003-2004, pp. 81-89.

Azerêdo, Genilda. Jane Austen on the Screen: A Study of Irony in Emma. Editora Universitária da UFPB, 2009.

Azerêdo, Genilda. “Words, Images and Invention: The Power of Metafiction in Austen, McEwan and Joe Wright.” Revista de Estudos Anglo-Americanos, no. 34, 2010, pp. 6-22.

Azerêdo, Genilda. Para Celebrar Jane Austen: Diálogos entre Literatura e Cinema. Appris, 2013.

Bedggood, Daniel. “John Fowles and the Writing Process.” John Fowles, edited by James Acheson, Palgrave Macmillan, 2013, pp. 49-61.

Bloom, Harold. The Western Canon: The Books and Schools of the Ages. 1994. Riverhead Books, 1995.

Chatman, Seymour. Coming to Terms: The Rhetoric of Narrative in Fiction and Film. 1990. Cornell University Press, 1993.

Clüver, Claus. “Intermidialidade.” Pós: Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes da Escola de Belas Artes da UFMG, vol. 1, no. 2, 2011, pp. 8-23.

Fowles, John. The French Lieutenant’s Woman. 1969. Vintage Books, 2004.

Foucault, Michel. A Ordem do Discurso. 1971. Translated by Laura Fraga de Almeida Sampaio. Edições Loyola, 1996.

Heffernan, James A. W. “Ekphrasis: Theory.” Handbook of intermediality, edited by Gabriele Rippl, De Gruyter, 2015, pp. 35-49.

Hutcheon, Linda. The Politics of Postmodernism. 1989. Routledge, 1990.

Hutcheon, Linda. Narcissistic Narrative: The Metafictional Paradox. 1980. Routledge, 1991.

Hutcheon, Linda. A Theory of Parody: The Teachings of Twentieth-Century Art Forms. 1985. Illinois University Press, 2000.

Karastathi, Sylvia. “Ekphrasis and the Novel/Narrative Tradition.” Handbook of Intermediality, edited by Gabriele Rippl, De Gruyter, 2015, pp. 92-112.

Louvel, Liliane. “Nuanças do Pictural.” Intermidialidade e Estudos Interartes, edited by Thaïs Flores Nogueira Diniz, Editora UFMG, 2012, pp. 47-69.

Nabokov, Vladimir. Lectures on Literature. 1980. A Harvest Book, 1982.

Natoli, Joseph, and Linda Hutcheon, editors. A Postmodern Reader. State U of New York P, 1993.

Phiddian, Robert. “Are Parody and Deconstruction Secretly the Same Thing?” New Literary History, vol. 28, no. 4, 1997, pp. 673-696.

Rajewsky, Irina O. “Intermidialidade, Intertextualidade e ‘Remediação’: Uma Perspectiva Literária sobre a Intermidialidade.” Intermidialidade e Estudos Interartes, edited by Thaïs Flores Nogueira Diniz, Editora UFMG, 2012, pp. 15-45.

Rippl, Gabriele, editor. Handbook of Intermediality. De Gruyter, 2015.

Samoyault, Tiphaine. A Intertextualidade. 2001. Translated by Sandra Nitrini. Aderaldo & Rothchild, 2008.

Stephenson, William. Fowles’s The French Lieutenant’s Woman. Continuum, 2007. “The locations of Persuasion”. Persuasion: A Reading Map, https://persuasionlis763.weebly.com/persuasion-locations.html. Accessed 25 Aug. 2020.

Waugh, Patricia. Metafiction: The Theory and Practice of Self-Conscious Fiction. 1984. Routledge, 1996.

Weldon, Fay. Letters to Alice on First Reading Jane Austen. Sceptre, 1984.

Wiltshire, John. Recreating Jane Austen. Cambridge University Press, 2001.

Woolf, Virginia. Women and Writing. Edited by Michèle Barrett. The women’s press, 1988.

Publicado

2021-01-28

Edição

Seção

Contextos literários: releituras e intertextos