A Progressão dos Contrários: Ironia Romântica nos poemas introdutórios das Canções da Inocência e da Experiência, de William Blake

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8026.2021.e75671

Palavras-chave:

William Blake, Friedrich Schlegel, Ironia, Ironia romântica

Resumo

Na vasta bibliografia sobre William Blake, críticos costumam comentar a respeito da ironia de seus textos poéticos, mas dificilmente explicam tais comentários. Este artigo é uma tentativa de entender as ironias presentes em alguns poemas das Canções da Inocência e da Experiência (Songs of Innocence and of Experience), ao mesmo tempo que leva em consideração o aspecto dialético do pensamento de Blake. Para tanto, é utilizado o conceito de Ironia Romântica, desenvolvido por Friedrich Schlegel, já que tal conceito possui também uma natureza dialética. Para ilustrar como a Ironia Romântica é usada para ler esse volume, é feita uma análise dos poemas introdutórios de cada seção, junto com “A Resposta da Terra” (“Earth’s Answer”, uma continuação da segunda introdução) e duas ilustrações impressas em páginas separadas. As leituras mostram algumas afinidades entre os modos de pensar de Blake e de Schlegel.

Biografia do Autor

William Weber Wanderlinde, Universidade Federal de Santa Catarina

Doctoral student at Programa de Pós-Graduação em Inglês (PPGI)

Referências

Alford, Steven E. Irony and the Logic of the Romantic Imagination. Peter Lang Inc., 1984.

Benjamin, Walter. O conceito de crítica de arte no romantismo alemão. 1919. Translated by Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Iluminuras, 2018.

Blake, William. The Complete Poetry and Prose of William Blake. 1965. Edited by David V. Erdman. New York: Anchor Books, 1982.

Bloom, Harold. Blake’s Apocalypse. New York: Doubleday, 1963.

Bloom, Harold. The Visionary Company. New York: Cornell UP, 1971.

Booth, Wayne Clayson. A Rhetoric of Irony. The University of Chicago Press, 1975.

Colebrook, Claire. Irony. New York: Routledge, 2008.

Cuddon, J. A. A Dictionary of Literary Terms and Literary Theory. 1977. Chichester: John Wiley & Sons, 2013.

Damrosch, Leo. Eternity’s Sunrise. Yale University Press, 2016.

Erdman, David V. Blake: Prophet Against Empire. 1954. Dover Publications, 2015.

Ferber, Michael. The Poetry of William Blake. New York: Penguin Books, 1991.

Gillham, D. G. Blake’s Contrary States. 1966. New York: Cambridge UP, 2009.

Medeiros, Constantino Luz de. “A forma do paradoxo: Friedrich Schlegel e a Ironia Romântica.” Trans/Form/Ação, vol. 37, no. 1, 2014, pp. 51-70.

Muecke. D. C. A Ironia e o Irônico. 1970. Translated by Geraldo Gerson de Sousa. Brasil: Perspectiva, 2008.

Phillips, Michael. William Blake: Master & Apprentice. Oxford: Ashmolean, 2014.

Schlegel, Friedrich. Lucinde and the Fragments. Translated by Peter Firchow. Toronto: University of Minnesota Press, 1971.

Seligmann-Silva, Márcio. Introduction. O conceito de crítica de arte no romantismo alemão, by Walter Benjamin, 1919. São Paulo: Iluminuras, 2018, pp. 9-14.

Simpson, David. Irony and Authority in Romantic Poetry. Totowa: Rowman and Littlefield, 1979.

Viscomi, Joseph, and Morris Eaves. “Illuminated Printing.” The Cambridge Companion to William Blake, Cambridge University Press, 2004, pp. 37–62.

Publicado

2021-01-28

Edição

Seção

Contextos literários: releituras e intertextos