Monster as can be: o gótico contemporâneo em I am Mother

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8026.2021.e75983

Palavras-chave:

Poetic of gothic, Female monstrosity, Terathology, SciFi Movies, AI

Resumo

Este trabalho investiga como o filme I am Mother (2019), dirigido por Grant Sputore, traz para o centro da narrativa a relação entre mãe e filha e faz convergir na primeira as figuras da mãe nutridora e da mãe destruidora, ora uma mãe-máquina, ora um corpo-monstruoso, na tentativa de criar um ser humano perfeito. Logo, buscaremos analisar, com recurso à poética gótica, as relações entre as personagens femininas que em momentos diferentes ocupam o lugar central do ser mãe, assim como também questionaremos o processo de construção de identidade feminina em um futuro pós-humano. Para atingir tais objetivos, foram utilizados como referencial teórico, sob a lente do gótico contemporâneo, conceitos de monstruosidade, de mãe nutridora/destruidora e de abjeção.

Biografia do Autor

Caroline Façanha Mathias, UERJ

Carol Façanha tem 27 anos, é escritora e doutoranda de literatura de língua inglesa na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

Referências

BOTTING, Fred. Introduction. In: BOTTING, Fred. Gothic. Londres: Taylor &

Francis e-Library, 2005.

BRAIDOTTI, Rosi. Mothers, Monsters and Machines. In: BRAIDOTTI, Rosi.

Nomadic Subjects. Nova York: Columbia University Press, 1994. p. 75-94.

BRUHM, Steven. The Contemporary Gothic: why we need it. In: HOGLE, Jerrold E.

The Cambridge Companion to Gothic Fiction. Cambridge: Cambridge University

Press, 2002, p. 259-276.

CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. São Paulo Pensamento, 2007.

COHEN, Jeffrey Jerome. Monster Culture (Seven Theses). In: COHEN, Jeffrey

Jerome. Monster Culture. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1996, p.

-25.

GILMORE, David. Our Monsters, Ourselves. In: GILMORE, David. Monsters: Evil

Beings, …. Pennsylvania: University Of Pennsylvania Press, 2003, p. 174-194.

HOGLE, Jerrold E. The Cambridge Companion to Gothic Fiction. Cambridge:

Cambridge University Press, 2002.

I AM MOTHER. Direção: David Sputore. Produção de Timothy White e Kelvin

Munro. Estados Unidos: Netflix, 2019. Streaming. (115min.).

KRISTEVA, Julia. Powers of Horror. Tradução de Leon S. Roudiez. Nova York:

Columbia University Press, 1982.

PUNTER, David. The Abhuman Remains of the Gothic. In: PUNTER, David. The

Gothic Condition. Cardiff: University of Wales Press, 2016, p. 96-105.

SHILDRICK, Margrit. Monstering the (M)other. In: SHILDRICK, Margrit.

Embodying the Monster. Londres: Sage, 2002, p. 28-47.

Downloads

Publicado

2021-01-28

Edição

Seção

Narrativas audiovisuais na contemporaneidade