É isto um romance?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8026.2022.e85699

Palavras-chave:

Luiz Ruffato, Instalação Literária, Literatura Contemporânea, Eles Eram Muitos Cavalos, Interartes

Resumo

Propomos, neste trabalho, uma análise sobre Eles eram muitos cavalos (2001), do escritor contemporâneo brasileiro Luiz Ruffato, tomando como ponto de partida a compreensão da obra como uma “instalação literária”. Ao propor este novo modo de fazer literário, Ruffato apresenta ao leitor uma discussão, relacionada às mazelas de uma megalópole brasileira, sob um viés crítico desautomatizado. Herdeiro de diversos movimentos vanguardistas da modernidade, o autor configura uma poética, composta por um mosaico de gêneros textuais, capaz de apreender e refratar a atmosfera de dinamicidade do mundo contemporâneo. Para desenvolvermos este estudo, recuperamos o conceito de instalação, utilizado nas Artes Visuais, bem como estudos voltados à análise interartística entre a literatura e as Artes Plásticas, propostos por autoras como Marjorie Perloff, Anne-Marie Cristin e Maria Adélia Menegazzo.

Biografia do Autor

Carolina Barbosa Lima Santos, USP

Doutora em Letras (UFMS), Mestre em Teoria Literária e Estudos Comparados (UFMS) e Graduada em Letras (UFMS). Cursando estágio de Pós-Doutoramento na USP, sob a supervisão do Professor João Adolfo Hansen.

Referências

ARBEX, Márcia. Poéticas do visível: uma breve introdução. In: ARBEX, Márcia (Org.) Poéticas do visível: ensaios sobre a escrita e a imagem. Belo Horizonte: UFMG, 2006. P. 17–62.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução de Carlos Vogt e Eny Orlandi. 4. ed. São Paulo: UNESP, 1998.

CAMPOS, Augusto de. Mallarmé: O Poeta em Greve. In: Mallarmé. São Paulo: Perspectiva, 2010. p.149–173.

CARVALHO, Ana Albani de. Instalação como problemática artística contemporânea: os modos de especialização e especificidade do sítio. Tese de doutoramento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005.

DIMAS, Antonio. Espaço e romance. São Paulo: Ática, 1986.

EVANGELISTA, Roberto. Ritos de passagem. Projeto para Universalis. Instalação. Caixas de sapato, sapatos usados, pedras de lioz, areia, vidro, 1.000 x 1.000 cm. In: Fundação Bienal de São Paulo, 23ª Bienal de São Paulo — A desmaterialização da arte no final do milênio. São Paulo: Fundação Bienal, 1996.

FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da Lírica Moderna. São Paulo: Duas Cidades, 1991.

GARRAMUÑO, Florencia. Frutos estranhos. Ensaios sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

MALLARMÉ, Stéphane. Um lance de dados jamais abolirá o acaso. In: MALLARMÉ, Stéphane. Mallarmé. São Paulo: Perspectiva, 2010. p. 149–173.

MENEGAZZO, Maria Adélia. A poética do recorte. Campo Grande: Editora UFMS, 2004.

MENEGAZZO, Maria Adélia. A vida: outro modo de usar. O retorno do real e as artes contemporâneas. In: MENEGAZZO, Maria Adélia. Concinnitas: arte, cultura e pensamento. Rio de Janeiro: UERJ, 2010.

PERLOFF, Marjorie. O momento futurista: Avant-garde, Avant-guerre, e a Linguagem da Ruptura. Tradução de Sebastião Uchoa Leite. São Paulo: USP, 1993.

RUFFATO, Luiz. (2001) Eles Eram Muitos Cavalos. São Paulo: Boitempo Editorial, 2006

RUFFATO, Luiz. Entrevista Exclusiva com Luiz Ruffato concedida a Rinaldo de Fernandes. Blog da Beleza/Uol. 27 mai. 2008. Disponível em: https://web.archive.org/web/20160304030703/http://rinaldofernandes.blog.uol.com.br/arch2008-04-27_2008-05-03.html. Acesso em: 20 mai. 2022.

RUFFATO, Luiz. Literatura em diálogo. Revista E. n. 250, 30 mar. 2017. Disponível em: https://portal.sescsp.org.br/online/artigo/10813_LITERATURA+EM+DIALOGO. Acesso em: 20 mai. 2022.

Downloads

Publicado

2022-08-09