Racismo e preconceito nas redes sociais digitais: pesquisa com estudantes do ensino médio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2022.e84256

Palavras-chave:

Redes sociais, Estudantes do ensino médio, Racismo, Preconceito, Competência digital

Resumo

Objetivo: Discutir como o preconceito tem se evidenciado nas redes sociais digitais, com ênfase sobre o racismo; identificar os principais preconceitos sofridos e testemunhados por estudantes do ensino médio em redes sociais digitais.

 Método: A fundamentação teórica foi construída a partir do diálogo de autores negros que discutem o tema. O estudo foi realizado em uma escola privada de uma cidade do interior do estado de São Paulo. Para a coleta de dados, aplicou-se um questionário eletrônico ao conjunto de estudantes do ensino médio. Participaram da pesquisa 215 estudantes.

Resultado: constata-se que a maioria dos estudantes possui redes sociais e que também presenciam situações de preconceito na internet, sendo em grande parte devido a: cor ou raça, aparência física, por gostar de pessoas do mesmo sexo e por ser mulher. Os estudantes participantes da pesquisa possuem maior facilidade de perceberem o preconceito sofrido por terceiros, que reconhecer as situações em que foram vítimas.

Conclusões: A principal conclusão é que, assim como no mundo analógico, os educadores, incluindo os bibliotecários, precisam fortemente pautar os temas relacionados ao preconceito e racismo em sua prática educativa de forma crítica. Espera-se que os resultados possam ser usados como subsídio para preparação de programas de competência digital aos estudantes.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rodrigo Barbosa de Paulo, UNESP

Doutor e mestre em Ciência da Informação pelo PPGCI- UNESP Marília. Graduado em Biblioteconomia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2007) . Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Ciência da Informação, atuando principalmente nos seguintes temas: competência em informação, formação de usuários, biblioteca escolar e segurança da informação.

Helen de Castro Silva Casarin, UNESP

Possui graduação em Biblioteconomia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1992), mestrado em Ensino na Educação Brasileira pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1996), doutorado em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2002) e Livre-Docência pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2011). Foi editora do Brazilian Journal of Information Science: research trends (2018-2021). Atualmente é professora Associada do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e Coordenadora do PPGCI Unesp. É bolsista Produtividade em Pesquisa CNPq e líder do grupo de pesquisa "Comportamento e competência informacionais". Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Biblioteconomia, atuando principalmente nos seguintes temas: comportamento informacional, competência informacional e biblioteca escolar

Rafael Gutierres Castanha, UNESP

Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Filosofia e Ciências - FFC, Marília/SP (2017-2019), Especialista em formaçao e mediação em educação à distância pela Universidade Virtual do Estado de São Paulo (UNIVESP) e graduado em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT, Presidente Prudente/SP (2008 - 2012) com período de intercâmbio no curso Licenciatura em Matemática na Universidade de Coimbra, (UC - Portugal). Participou de encontros, workshops, simpósios e congressos científicos de âmbito nacional e internacional. Possui formação complementar em várias áreas da Matemática, Educação e Ciencia da Informação. Realizou atividades de monitoria em Matemática por meio do projeto Laboratório de Ensino de Ciências Exatas - LENCE em Presidente Prudente - SP'. Já fez trabalhos freelance em consultoria matemática e elaboração/resolução de questões do tipo vestibular/Enem, trabalhou como professor conteudista de Matemática nas empresas SGS Academy Group (Fábrica de Conteúdos), SUPERPRO e Geekie, como professor (monitor) de Matemática do Sistema Integrado de Apoio ao Estudante (SIAE - Pres. Prudente/SP), como professor substituto da Univesidade Estadual Paulista (UNESP - Marilia/SP), como professor da Faculdade Católica Paulista e membro do Grupo de Estudos e Iniciação Científica em Gestão - GINCIG (Marília/SP), como facilitador de ensino e bolsista do programa de formação pedagógica em EaD da UNIVESP, e, como consultor/assessor estatístico. Atualmente é professor de Bioestatistica da UNESP campus Marília nos cursos de Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional, pós-graduando (nível doutorado) em Ciência da Informação na Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus de Marília/SP, com ênfase em produção e organização da informação, e, membro do grupo de pesquisa de Estudos Métricos da Informação - GPEMI (UNESP - Marília/SP).

Glória Maria Lourenço Bastos, Universidade Aberta de Portugal

Professora auxiliar de nomeação definitiva no departamento de Ciências da Educação e Ensino a Distância, na Universidade Aberta de Portugal (UAb). Atualmente desempenha o cargo de Pró-reitora para a Inovação Pedagógica e Elearning. Tem uma larga experiência no ensino universitário, onde já orientou mais de 50 dissertações de mestrado e várias teses de doutoramento. Coordena o Curso de Mestrado em Gestão da Informação e Bibliotecas Escolares, na Universidade Aberta, um curso pioneiro na área, na sua 14ª edição. É membro do Conselho Científico do programa de doutoramento em Educação, na especialidade de Liderança Educacional. É Membro integrado do CEMRI – Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais, área de Comunicação Intercultural, e colaboradora no LEAD – Laboratório de Educação a Distância e e-Learning, na Universidade Aberta.
Tem participado em diversos estudos internacionais, financiados pela Comunidade Europeia, intervindo com contributos na área da educação e tecnologias.

Referências

ALMEIDA, S. L. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília, DF: Liber, 2007.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018. Disponível em: . Acesso em: 02 de fev. de 2020.

CAMARGO, F.; DAROS, T. A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso, 2018.

CETICBR. Pesquisa sobre o uso das tecnologias da informação e comunicação por crianças e adolescentes no Brasil. 2017. Disponível em: https://cetic.br/arquivos/kidsonline/2017/criancas/. Acesso em: 25 de fev. 2020.

CETICBR. Pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil: TIC kids on line Brasil 2018. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2019. Disponível em: https://cetic.br/publicacao/pesquisa-sobre-ouso-da-internet-por-criancas-e-adolescentes-no-brasil-tic-kids-online-brasil2018/. Acesso em: 26 de fev. de 2020.

CETICBR. Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação. TIC domicílios 2020: lançamento dos resultados (Edição Covid-19 – Metodologia Adaptada). CETICBR: São Paulo, 2021. Disponível em: https://cetic.br/pt/pesquisa/domicilios/analises/. Acesso em: 06 abril de 2022.

CORREA, T.; JEONG, S. H. Race and online content creation. Information, Communication & Society, v. 14, n. 5, p. 638-659, 2011. Disponível em: DOI: 10.1080/1369118X.2010.514355. Acesso em: 21 set. 2021.

COSTELLO, M.; DILLARD, C. Assessing - and Interrupting - Intolerance at School. American Educator, v. 43, n. 3, p. 4, 2019. Disponível em: https://eric.ed.gov/?id=EJ1231536. Acesso em: 21 set. 2021.

CRUZ, R. C. Preconceito social na internet: a reprodução de preconceitos e desigualdades sociais a partir da análise de sites de redes sociais. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 17, n. 3, p. 121-136, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/37712. Acesso em: 22 ago. 2021.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. 7. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2012.

DIAS, G. A.; CAVALCANTE, R. A. As tecnologias da informação e suas implicações para a educação escolar: uma conexão em sala de aula. Revista de Pesquisa Interdisciplinar. v. 1, set./dez. 2016. p. 160-167. Disponível em: http://revistas.ufcg.edu.br/cfp/index.php/pesquisainterdisciplinar/article/view/80/59. Acesso em: 05 mar. 2020.

DOSSIÊ intolerâncias: visível e invisíveis no mundo digital. Comunica que muda, [São Paulo]: Nova/sb, [2016]. Disponível em: https://www.comunicaquemuda.com.br/dossie/intolerancia-nas-redes/. Acesso em: 07 ago. 2021.

EDWARDS, S., et al. Young children’s everyday concepts of the internet: a platform for saber-safety education in the early years. British Journal of Educational Technology. v. 49, n. 1, 2018. p. 45-55. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/bjet.12529. Acesso em: 05 mar. 2020.

GONZALES, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: Revista Ciências sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4584956/mod_resource/content/1/06%20-%20GONZALES%2C%20L%C3%A9lia%20-%20Racismo_e_Sexismo_na_Cultura_Brasileira%20%281%29.pdf. Acesso em: 6 set. 2021.

LUCAS, M.; MOREIRA, A. DigCompEdu: quadro europeu de competência digital para educadores. Aveiro: UA. 2018. Disponível em: https://ria.ua.pt/handle/10773/24983?mode=full. Acesso em: 09 abr. 2021.

MELO, A. S. E.; MAIA FILHO, O. N.; CHAVES, H. V.. Lewin e a pesquisa-ação: gênese, aplicação e finalidade. Fractal, Revista de Psicologia., Rio de Janeiro , v. 28, n. 1, p. 153-159, Apr. 2016 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000100153&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 mar. 2021.

NANDI, J. A. B. O combate ao discurso de ódio nas redes sociais. Araranguá, 2018. 58 p. Trabalho de conclusão de curso (graduação em Tecnologia da Informação e Comunicação) - Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/187510/O_Combate_ao_Discurso_de_Odio_nas_Redes_Sociais.pdf?sequence=1. Acesso em: 28 ago. 2021.

NEVES, E. C. N. Transtorno Dismórfico Corporal: a influência das redes sociais em jovens. Anais do Fórum de Iniciação Científica do UNIFUNEC. 2020. Disponível em: https://seer.unifunec.edu.br/index.php/forum/article/view/4517. Acesso em: 20 set. de 2021.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Agenda 2030. 2015. Disponível em: http://www.agenda2030.org.br/ods/4/ . Acesso em: 25 set. 2021.

PAULO, R. B. Segurança no uso e compartilhamento de dados nas redes sociais por estudantes do ensino médio. Tese (doutorado em Ciência da informação) - Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília. São Paulo, 167 p. 2021.

QUADRADO, J. C.; FERREIRA, E. S. Ódio e intolerância nas redes sociais digitais. Revista Katálysis., Florianópolis, v. 23, n. 3, p. 419-428, set./dez. 2020. ISSN 1982-0259. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rk/a/3LNyLswf9rkhDStZ9v4YT3H/?lang=pt#. Acesso em: 07 ago. 2021.

RIBEIRO, D. Pequeno manual antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SMAHEL, D., et al. EU Kids Online 2020: Survey results from 19 countries. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.21953/lse.47fdeqj01ofo. Acesso em: 20 set. 2021.

Publicado

2022-05-27

Como Citar

Paulo, R. B. de, Casarin, H. de C. S. ., Castanha, R. G. ., & Bastos, G. M. L. . (2022). Racismo e preconceito nas redes sociais digitais: pesquisa com estudantes do ensino médio . Encontros Bibli: Revista eletrônica De Biblioteconomia E Ciência Da informação, 27(1), 1-21. https://doi.org/10.5007/1518-2924.2022.e84256