A imaginação como recurso heurístico na construção do conhecimento científico e algumas implicações para o ensino de ciências

João Otavio Garcia

Resumo


Discute-se, neste artigo, que a imaginação configura-se como um recurso heurístico ativo nos processos sociais e históricos de construção do conhecimento científico, podendo ser utilizada, por exemplo, no desenvolvimento de experimentos mentais. Tais experimentos servem como ferramentas que contribuem para o desenvolvimento científico, principalmente ao serem empregados, considerando-se a imaginação como recurso que guiará as possíveis alterações que uma conjectura poderá sofrer, ao longo de seu desenvolvimento. Explora-se, ainda, a importância de tratar o papel da imaginação na atividade científica no ensino de ciências, utilizando um episódio histórico específico – alcunhado de “O prato de Feynman” – de modo a considerar esta uma forma profícua de dirimir a concepção empiricista pura da atividade científica, tencionando fomentar um ensino em e sobre ciência.


Palavras-chave


Imaginação e Ciência; Natureza da Ciência; Heurística; Ensino de Ciências

Texto completo:

PDF/A

Referências


AGUILAR, A. C. Diagramas de Feynman: O poder de uma imagem. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 40, n. 4, 2018.

ARTHURY, L. H. M. A cosmologia moderna à luz dos elementos da epistemologia de Lakatos. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica (PPGECT), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), 2010.

CHALMERS, A. O que é Ciência afinal? São Paulo, Editora Brasiliense, 1993.

DAMASIO, F.; PEDUZZI, L. O. Q. História e Filosofia da Ciência na educação científica: para quê? Revista Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, v.19, 2017.

FEYNMAN, R. P. O Senhor está brincando Sr. Feynman? As estranhas aventuras de um físico excêntrico. Editora Campus, 1993.

FEYNMAN, R. P. Richard P. Feynman: Banquet Speech. Nobelprize.org., Nobel Media AB, 2014. Disponível em: https://www.nobelprize.org/nobel_prizes/physics/laureates/1965/feynman-speech.html.

HANSON, N. R. Observação e Interpretação. In: MORGENBESSER, S. (Org.) Filosofia da Ciência. São Paulo: Editora Cultrix, 1975.

HARRES, J. B. S. Uma revisão de pesquisas nas concepções de professores sobre a natureza da ciência e suas implicações para o ensino. Investigações Ensino de Ciências, v. 4, 1999.

HOLTON, G. The Scientific Imagination: Case Studies. Cambridge University Press, 1978.

ISAACSON, W. Einstein: sua vida, seu universo. São Paulo, Companhia das Letras, 2007.

KIOURANIS, N.; SOUZA, A.; FILHO, O. S. Experimentos mentais e suas potencialidades didáticas. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 32, n. 1, 2010.

KÖHNLEIN, J.; PEDUZZI, L. O. Q. Uma discussão sobre a natureza da ciência no ensino médio: um exemplo com a teoria da relatividade restrita. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 22, 2005.

LAKATOS, I. O falseamento e a metodologia dos programas de pesquisa científica. In: LAKATOS, I.; MUSGRAVE, A. (Org.) A crítica e o desenvolvimento do conhecimento. São Paulo: Editora Cultrix, 1979.

MATTHEWS, M. R. História, filosofia e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 12, n. 3, 1995.

MEHRA, J. The beat of different drum: the life and the Science of Richard Feynman. Oxford University Press, 1996.

MOURA, B. A. O que é Natureza da Ciência e qual sua relação com a História e Filosofia da Ciência? Revista Brasileira de História da Ciência, v. 7, n. 1, Rio de Janeiro, 2014.

OKI, M. C. M.; MORADILLO, E. F. O ensino de história da química: contribuindo para a compreensão da natureza da ciência. Revista Ciência & Educação, v. 14, 2008.

PEDUZZI, L. O. Q.; SILVEIRA, F. L. Três episódios da descoberta científica: da caricatura empirista a uma outra história. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 23, 2006.

PEDUZZI, L. O. Q.; RAICIK, A. C. Sobre a natureza da ciência: asserções comentadas para uma articulação com a história da ciência. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2019. Disponível em: www.evolucaodosconceitosdafisica.ufsc.br.

POPPER, K. R. A lógica da pesquisa científica. São Paulo, Editora Cultrix, 1972.

RAICIK, A. C.; PEDUZZI, L. O. Q.; ANGOTTI, J. A. P. Experimentos exploratórios e experientia literata: (re) pensando a experimentação. Investigações em Ensino de Ciências, v. 23, n. 1, 2018.

SILVEIRA, F. L. A metodologia dos programas de pesquisa: a epistemologia de Imre Lakatos. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, n. 13, v. 3, 1996.

TULEJA, S.; GAZOVIC, B.; TOMORI, A. Feynman’s wobbling plate. American Journal of Physics, v. 75, n. 3, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7941.2019v36n3p660

 


Cad. Bras. Ens. Fís. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil - - - eISSN 2175-7941 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons
> > > > >