Dimensões da abordagem histórica no Ensino de Ciências e de Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.e74838

Palavras-chave:

Educação Problematizadora, Sociologia das Ausências, História das Ciências e Matemática, Ensino de Ciências e de Matemática

Resumo

A História das Ciências e da Matemática tem sido apontada como uma das possíveis abordagens para o ensino e muitos têm sido os âmbitos destas discussões. Neste artigo, apresentamos uma proposta teórica acerca dessa interface que remete a três possíveis dimensões: a epistemológica, que é fundamentada nos debates acerca da natureza da Ciência; a sociocultural, que tem como foco as conexões entre história cultural das Ciências, sociologia das ausências e educação problematizadora; e a da práxis, que se baseia na proposta freiriana de temas geradores. Debatemos cada uma destas dimensões compreendendo a abordagem histórica com um enfoque interdisciplinar nas aulas de Ciências e de Matemática como forma de tornar os conteúdos compreensíveis e significativos para os estudantes.

Biografia do Autor

Zaqueu Vieira Oliveira, Universidade Federal da Integração Latino-Americana, Foz do Iguaçu, PR

Atualmente é professor contratado da Faculdade de Educação da USP e pós-doutorando no Centro de Ciências Naturais e Humanas (CCNH) da UFABC com bolsa PNPD-CAPES junto ao Programa de Pós-Graduação em Ensino e História das Ciências e da Matemática. Possui doutorado em Educação Matemática pela UNESP (2015) com estágio de pesquisa na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (2014), mestrado também em Educação Matemática pela UNESP (2011), graduação em Licenciatura em Ciências da Natureza pela USP (2009) e foi bolsista FAPESP entre 2008 e 2015. Foi professor contratado da Faculdade de Educação da USP (2015-2017), do SESI-SP (2018), da UNIVESP (2019) e esteve no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa (2017) para realização de estágio de pesquisa. Os seus projetos de pesquisa têm como foco a História das Ciências, História da Matemática e História da Astronomia nos séculos XVI e XVII, assim como suas relações com o Ensino de Ciências e de Matemática. É membro do Grupo de Pesquisa em Interfaces entre História das Ciências e Educação Científica (GIHCEC) da UFABC.

Márcia Helena Alvim, Universidade Federal do ABC

Bacharel e Licenciada em Historia pela Universidade Estadual de Campinas (1997-2001), com mestrado (2001-2003) e doutorado (2003-2007) pelo Instituto de Geociências da UNICAMP, área de História das Ciências. Atualmente é professora de História das Ciências na Universidade Federal do ABC no Centro de Ciências Naturais e Humanas, como Professora Associada.

Referências

ACEVEDO, J. A. et al. Naturaleza de la ciencia y educación científica para la participación ciudadana: Una revisión crítica. Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de las Ciencias, Cádiz, v. 2, n. 2, p. 121-140, abr. 2005.

ALVIM. M. H.; ZANOTELLO, M. História das ciências e educação científica em uma perspectiva discursiva: contribuições para a formação cidadã e reflexiva. Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 349-359, jul./dez. 2014.

BELTRAN, M. H. R. História da Ciência e Ensino: Algumas considerações sobre a Construção de Interfaces. In: WITTER, G. P.; FUJIWARA, R. (Orgs.). Ensino de Ciências e Matemática: análise de problemas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009. p. 179-208.

BELTRAN, M. H. R.; TRINDADE, L. S. P. História da Ciência e Ensino: abordagens interdisciplinares. São Paulo: Livraria da Física, 2017. 228 p.

BITTENCOURT, C. M. F. Aprendizagens em História. In: BITTENCOURT, C. M. F. Ensino de História: fundamentos e métodos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2009. p. 181-222. cap. 2. 328 p.

BRITO, A. J. Tempo, História e Educação Matemática. Bolema, Rio Claro, v. 30, n. 55, p. 390-401, ago. 2016.

CACHAPUZ, A. et al. A Necessária Renovação no Ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 2005. 263 p.

CARDOSO, W. T. O céu dos Tukano na escola Yupuri: construindo um calendário dinâmico. 2007. 390 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

CAVADAS, B.; MESTRINHO, N. A medida do tempo geológico. In: PEIXOTO, A. et al. Educação em Ciências em múltiplos contextos - Atas do XVII Encontro Nacional de Educação em Ciências, I Seminário Internacional de Educação em Ciências, 2018. p. 358-366. Atas... Viana do Castelo: Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Escola Superior de Educação, 2018.

CONTATORE, O. A.; TESSER, C. D.; BARROS, N. F. Medicina chinesa/acupuntura: apontamentos históricos sobre a colonização de um saber. História, ciências, saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3, p. 841-858, jul./set. 2018.

COUTO, R. M. S. Fragmentação do Conhecimento ou Interdisciplinaridade: ainda um dilema contemporâneo? Revista Faac, Bauru, v. 1, n. 1, p. 11-19, abr./set. 2011.

D’AMBRÓSIO, U. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 110 p.

DELIZOICOV, D. Conhecimento, Tensões e Transições. 1991. 214 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, USP, São Paulo.

EFLIN, J. T.; GLENNAN, S.; REISCH, G. The nature of science: A perspective from the philosophy of science. Journal of Research in Science Teaching, v. 36, n. 1, p. 107–116, 1999.

FAUVEL, J.; MAANEN, J. V. (Eds.). History in Mathematics Education. The ICMI Study. New York/Boston/Dordrecht/London/Moscow: Kluwer Academic Publishers, 2002. 437 p.

FAZENDA, I. C. A. Integração e Interdisciplinaridade no Ensino Brasileiro: efetividade ou ideologia. São Paulo: Loyola, 1979. 107 p.

FAZENDA, I. Interdisciplinaridade-Transdisciplinaridade: visões culturais e epistemológicas. In: FAZENDA, I. (Org.) O que é Interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008. p. 17-28.

FIGUEIRÔA, S. F. M. (Org.). História e filosofia das ciências da natureza e da matemática: ensino, pesquisa e formação de professores. São Paulo: Edições Hipótese, 2019. 338 p.

FORATO, T.; GUERRA, A.; BRAGA, M. História das Ciências e Ensino de Ciências – Historiadores das Ciências e Educadores: frutíferas parcerias e para um ensino de ciências reflexivo e crítico. Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 137-141, jul./dez. 2014.

FOUREZ, G. Crise no Ensino de Ciências? Investigações em Ensino de Ciências, v. 8, n. 2, p. 109-123, 2003.

FOUREZ, G. Abordagens Didáticas da Interdisciplinaridade. Lisboa: Instituto Piaget, 2008. 319 p.

FREIRE, P. Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967. 150 p.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974. 218 p.

GATTI, S. R. T.; NARDI, R. (Orgs.). A História e a Filosofia da Ciência no Ensino de Ciências: a pesquisa e suas contribuições para a prática pedagógica em sala de aula. São Paulo: Escrituras Editora, 2016. 236 p.

GERDES, P. Etnomatemática: cultura, matemática, educação. Maputo: Instituto Superior Pedagógico, 1991.

GIL PÉREZ, D. et al. Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, Bauru, v. 7, n. 2, p. 25-153, 2001.

GÓMEZ-GRANELL, C. A Aquisição da Linguagem Matemática: símbolo e significado. In: TEBEROSKI, A.; TOLCHINSKI, L. (Orgs.). Além da Alfabetização: a aprendizagem fonológica, ortográfica, textual e matemática. Tradução: Stela Vieira. São Paulo: Editora Ática, 1997. cap. 11. p. 257-282.

GURGEL, T. Guy Brousseau: “A cultura matemática é um instrumento para a cidadania”. Nova Escola, n. 228, 01 dez. 2009. Disponível em: <https://novaescola.org.br/ conteudo/545/guy-brousseau-a-cultura-matematica-e-um-instrumento-para-a-cidadania#>. Acesso em: 26 mai. 2020.

HARRES, J. B. S. Uma revisão de pesquisas nas concepções de professores sobre a natureza da ciência e suas implicações para o ensino. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 4, n. 3, p. 197-211, dez. 1999.

JANTSCH, E. Towards Interdisciplinarity and Trandisciplinarity in Education and Innovation. In: APOSTEL, L. et al. (Eds.) Interdisciplinarity: problems of teaching and research in universities. Paris: Organization for Economic Co-operation and Development, 1972. p. 97-120.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e Patologia do Saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976. 220 p.

KAMPOURAKIS, K. The “general aspects” conceptualization as a pragmatic and effective means to introducing students to nature of Science. Journal of Research in Science Teaching, v. 53, n. 5, p. 667-682, 2016.

KELLY, G. J.; CARLSEN, W. S.; CUNNINGHAN, C. M. Science Education in Sociocultural Context: perspectives from de Sociology of Science. Science Education, v. 77, n. 2, p. 207-220, 1993.

KIPNIS, N. A History of Science Approach to the Nature of Science: learning science by rediscovering it. In: MCCOMAS, W. F. (Ed.). The Nature of Science in Science Teaching: rationales and strategies. New York/Boston/Drodrecht/London/Moscow: Kluwer Academic Publishers, 2002. cap. 10. p. 177-196.

KNIJNIK, G. Exclusão e Resistência: educação matemática e legitimidade cultural. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. 139 p.

KRASILCHIK, M.; MARANDINO, M. Ensino de Ciências e Cidadania. São Paulo: Editora Moderna, 2004. 88 p.

LEDERMAN, N. G. Student’s and teacher’s conceptions of the nature of Science: A review of the research. Journal of Research in Science Teaching, v. 29, n. 4, p. 331-359, 1992.

MARTINS, A. F. P. Natureza da Ciência no ensino de ciências: uma proposta baseada em “temas” e “questões”. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 32, n. 1, p. 703-737, dez. 2015.

MATTHEWS, M. R. História, Filosofia e Ensino de Ciências: a tendência atual de reaproximação. Cadernos Catarinenses de Ensino de Física, Florianópolis, v. 12, n. 13, p. 164-214, 1995.

MATTHEWS, M. R. History, Philosophy and Science Teaching: New Perspectives. New York: Springer, 2018. 354 p.

MIGUEL, A. As Potencialidades Pedagógicas da História da Matemática em Questão: argumentos reforçadores e questionadores. Zetetiké, Campinas, v. 5, n. 2, p. 73-106, 1997.

MOURA, B. A. O que é natureza da Ciência e qual sua relação com a História e Filosofia da Ciência? Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan./jun. 2014.

MOURA, C. B.; GUERRA, A. História Cultural da Ciência: Um Caminho Possível para a Discussão sobre as Práticas Científicas no Ensino de Ciências? Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 16, n. 3, p. 725-748, dez. 2016.

MOURA, M. A. Construção social da cidadania científica: desafios. In. MOURA, M. A. (Org.). Educação científica e cidadania: abordagens teóricas e metodológicas para a formação de pesquisadores juvenis. Belo Horizonte: UFMG / PROEX, 2012. p. 19-30.

OKI, M. C. M.; MORADILLO, E. F. O ensino de História da Química: contribuindo para a compreensão da Natureza da Ciência. Ciência & Educação, Bauru, v. 14, n. 1, p. 67-88, 2008.

OLIVEIRA, Z. V. A classificação das disciplinas matemáticas e a Mathesis Universalis nos séculos XVI e XVII: um estudo do pensamento de Adriaan van Roomen. 2015. 193 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, UNESP, Rio Claro.

OLIVIERA, Z. V. Concepções de matemática e implicações para a aprendizagem: um breve estudo. In: BOTO, C. et al. (Orgs.). A Escola Pública em Crise: inflexões, apagamentos e desafios. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2020. p. 309-325.

OLIVEIRA, Z. V.; ALVIM, M. H. (Orgs.). Propostas Didáticas para o Ensino de Ciências e de Matemática: abordagens históricas. Santo André: Universidade Federal do ABC, 2020. 269 p.

PATZLAFF, R. G.; PEIXOTO, A. L. A pesquisa em etnobotânica e o retorno do conhecimento sistematizado à comunidade: um assunto complexo. História, ciências, saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 237-246, jan./mar. 2009.

PIMENTEL, J. ¿Qué es la historia cultural de la ciencia? Arbor. ciencia, pensamiento y cultura, v. 186, n. 743, p. 417-424, mai./jun. 2010.

PRESTES, M. E. B.; SILVA, C. C. (Eds.). Teaching Science with Context: historical, philosophical, and sociological approaches. New York/Heidelgerg: Springer, 2018. 464 p.

RODRIGUES, I. B. Estudo das Relações entre Desenvolvimento da Noção Temporal e Expressões Linguísticas de Tempo: a narrativa oral como proposta de intervenção em uma abordagem piagetiana. 2007. 172 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, Marília.

ROQUE, T. Desmascarando a equação. A história no ensino de que matemática? Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 167-185, jul./dez. 2014.

ROSSATO, R. Práxis. In. STRECK, D. R.; REDIN, E.; ZITKOSKI, J. J. (Eds.). Dicionário Paulo Freire. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2018. p. 380-382.

SAITO, F. História da Ciência e Ensino: em busca de diálogo entre historiadores e educadores. História da Ciência e Ensino: construindo interfaces, São Paulo, v. 1, p. 1-6, 2010.

SANTOS, B. S. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 63, p. 237-280, 2002.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2008. 92 p.

SANTOS, B. S. Epistemologías do Sul. Utopía y Praxis Latinoamericana, Maracaibo, v. 16, n. 54, p. 17-29, 2011.

SANTOS, B. S.; ARAÚJO, S.; BAUMGARTEN, M. As Epistemologias do Sul num mundo fora do mapa. Sociologias, Porto Alegre, v. 18, n. 43, p. 14-23, set./dez. 2016.

SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (Orgs.) Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina, 2009. 532 p.

SANTOS, B. S.; MENESES, M. P.; NUNES, J. A. Introdução: Para ampliar o cânone da ciência – a diversidade epistemológica do mundo. In: SANTOS, B. S. (Org.). Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 21-121.

SANTOS, L. R. Procedimentos e instrumentos para medir o tempo. In: SANTOS, L. R. Leon Battista Alberti (1404-1472) e a medida do tempo. 2014. 73 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. p. 43-66.

SCALDAFERRI, D. C. M. Concepções de tempo e ensino de história. História & Ensino, Londrina, v. 14, p. 53-70, ago. 2008.

SILVA, C. C.; PRESTES, M. E. B. (Orgs.). Aprendendo ciência e sobre sua natureza: abordagens históricas e filosóficas. São Carlos: Tipografia Editora Expressa, 2013. 561 p.

TABER, K. S. A Common Core to Chemical Conceptions: Learners’ Conceptions of Chemical Stability, Change and Bonding. In: TSAPARLIS, G.; SEVIAN, H. (Eds.) Concepts of Matter in Science Education. Dordrecht: Springer, 2013. p. 391-418.

TRINDADE, D. F. Interdisciplinaridade: um novo olhar sobre as ciências. In: FAZENDA, I. (Org.) O que é Interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008. p. 65-84.

VOSNIADOU, S. The Development of Students' Understanding of Science, Frontiers in Education, v. 4, p. 1-6, 2019.

WHITROW, G. J. O Tempo na História: concepções do tempo da pré-história aos nossos dias. Tradução: Maria Luisa X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993. 242 p.

Downloads

Publicado

2021-03-25

Edição

Seção

História, Filosofia e Sociologia da Ciência e Ensino de Ciências/Física