É possível uma Educação em Ciências crítica em tempos de negacionismo científico?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2020v37n3p1722

Resumo

Neste artigo, debatemos o negacionismo científico como uma ressignificação atual para antigas rejeições ao papel da ciência, indicando seu enraizamento ideológico num amplo movimento conservador que assola a contemporaneidade e é movido velozmente pelas redes sociais. Construímos nossa argumentação aceitando a provocação de Bruno Latour (2020) segundo a qual poderíamos ter “errado na dose” em nossas críticas à ciência e desfigurado a crítica a uma ciência positivista e empiricista ao divulgar seus meandros. Para isso, revisitamos algumas das significativas contribuições da produção em Educação em Ciências para encontrar pistas que nos levassem a inquirir mais fortemente em que medida o reforço à crítica teria contribuído para disseminar uma visão que fragilizasse a confiança na ciência. Em especial, indagamos se nossos esforços em afirmar a dúvida como constitutiva do processo de produzir o conhecimento científico teriam dado sinais de que a validade do conhecimento seria questionável. Essa incursão resultou na necessidade de reafirmar a não alienação dos sujeitos nas dinâmicas educativas, de modo a torná-los mais conscientes dos limites da ciência e mais alertas acerca da complexidade das pressões sociais que produzem o negacionismo. Concluímos apostando nas possibilidades do currículo narrativo (GOODSON, 2019) para enfrentamento das fragilidades dos processos educativos que separam as vidas dos estudantes dos processos de aprendizagem. Ao secundarizar as alternativas de integrar conteúdos científicos com outros saberes e formas de expressão humanas, as finalidades educativas correm o risco de reforçar ações performáticas que continuam a produzir exclusão.

 

Biografia do Autor

Mariana Lima Vilela, Universidade Federal Fluminense

Pprofessora do Departamento Sociedade Educação e Conhecimento da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF), onde compõe a equipe do Laboratório de Ensino de Ciências, atuando nos cursos de Graduação em Pedagogia e Licenciatura em Ciências Biológicas. No Programa de Pós-graduação em Educação da UFF, compõe a Linha de Pesquisa Ciência, Cultura e Educação e é membro do Grupo de Pesquisa Currículo, Docência e Cultura (CDC), focalizando estudos sobre Formação de Professores de Ciências e Biologia, Currículo e Ensino de Ciências e Biologia. Possui graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999) e bacharelado em Ecologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1995), mestrado em Psicossociologia de Comunidade e Ecologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2000) e doutorado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (2008).

Sandra Escovedo Selles, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ

Professora Titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF), integrante do Programa de Pós-Educação da UFF e coordenadora do Grupo de Pesquisa Currículo, Docência e Cultura (CDC). Bolsista CNPq Pq1-C.

Referências

ALMEIDA, M. J. P. M.; SORPRESO, T. P. Dispositivo analítico para compreensão da leitura de diferentes tipos textuais: exemplos referentes à física. Pró-Posições, v. 22, p. 83-95, 2011.

AULER, D.; BAZZO, W. A. Reflexões para a implementação do movimento CTS no contexto educacional brasileiro. Ciência & Educação, Bauru, v. 7, n. 1, p. 1-13, 2001.

AULER, D.; DALMOLIN, A. M. T.; FENALTI, V. S. Abordagem Temática: natureza dos temas em Freire e no enfoque CTS. Alexandria - Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 2, n. 1, p. 67-84, mar. 2009.

BIZZO, N. História da Ciência e Ensino: onde terminam os paralelos possíveis? Em Aberto, v. 11, n. 55, p. 29-35, Jul-Set. 1992.

BOSCO, F. A vítima tem sempre razão? Lutas identitárias e o novo espaço público brasileiro. São Paulo: Todavia, 2017. 205p.

CARVALHO, A. M. P.; CACHAPUZ, A.; GIL-PÉREZ, D. O Ensino de Ciências como compromisso científico e social. São Paulo: Cortez Editora, 2012. 246p.

CASSIANI, S.; GIRALDI, P. M.; LINSINGEN, I. V. É possível propor a formação de leitores nas disciplinas de Ciências Naturais? Contribuições da análise do discurso para a educação em ciências. Educação: Teoria e Prática, v. 22, p. 43-61, 2012.

CHARLOT, B. Os jovens e o saber: perspectivas mundiais. Porto Alegre: Artmed, 2001. 152p.

CHARLOT, B. Relação com o saber, formação dos professores e globalização: questões para a discussão hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005. 152 p.

COLINVAUX, D. Ciências e crianças: delineando caminhos de uma iniciação às ciências para crianças pequenas. Contrapontos, v. 4, n. 1, p. 105-123, 2004.

FERNEDA, T. Literatura e cinema no ensino de Ciências. São Carlos: EDUFSC, 2017.

FRANCO, M. A. S. Philippe Meirieu: fragmentos de uma Conversa. Revista Eletrônica Pesquisa e Educação, v. 3, n. 6, p. 236-281, jul/dez. 2011.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. Apresentação: Ana Maria Araújo Freire. Carta-prefácio de Balduino A. Andreola. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

GASTAL, M. L. Travessias e pontes: as histórias da vida e as histórias de vida ensinando a ensinar Biologia. In: FERREIRA et al. Vidas que ensinam o ensino da vida. São Paulo: Livraria da Física, 2020. cap. 1, p.15-25.

GIL, C. Z. V.; EUGENIO, J. C. Ensino de história e temas sensíveis: abordagens teórico-metodológicas. Revista História Hoje, v. 7, n. 13, p. 139-159, 2018.

GILBERT, J. K.; WATTS, D. M. Concepts, Misconceptions and Alternative Conceptions: Changing Perspectives in Science Education. Journal Studies in Science Education, v. 10, p. 61-98, 1983.

GIROUX, H. Escola crítica e política cultural. São Paulo: Cortez. 1987.

GOODSON, I. A Construção Social do Currículo. Lisboa: Educa. Currículo, 1997. 161p.

GOODSON, I. Currículo, narrativa e o futuro social. Revista Brasileira de Educação, v. 12 n. 35, p. 241-252, maio/ago. 2007.

GOODSON, I. O currículo em mudança. Estudos na construção social do currículo. Porto: Porto Editora, 2001. 158p.

GOODSON, I. Currículo, narrativa pessoal e futuro social. Campinas: Ed. Unicamp, 2019. 296p.

GOODSON, I.; PETRUCCI-ROSA, M. I. “Oi Iv, como vai? Boa sorte na escola!” Notas (auto)biográficas constitutivas da história de vida de um educador. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvador, v. 5, n. 13, p. 91-104, jan./abr. 2020.

HODSON, D. Teaching and learning science: towards a personalized approach. Buckingham: Open University Press, 1998. 200p.

KOSMINSKY, L.; GIORDAN, M. Visões de Ciência e sobre cientistas entre estudantes do Ensino Médio. Química Nova na Escola, v.15, p. 11-18, 2002.

LATOUR, B. Por que a crítica perdeu a força? De questões de fato a questões de interesse. O que nos faz pensar, Rio de Janeiro, v. 29, n. 46, p. 173-204, jan.-jun. 2020.

LATOUR, B.; WOOLGAR, S. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Tradução: Angela R. Vianna. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997. 310p.

LIMA, A.; MARTINS, I. O que é uma questão socialmente aguda? Uma análise discursiva a partir de uma comunidade de prática. Revista de Ensino de Biologia da Associação Brasileira de Ensino de Biologia, v. 7, p. 324-334, 2014.

MACEDO, E. Base nacional curricular comum: a falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. Educação em Revista, v. 32, n. 2, p. 45-67, 2016.

MARTINS, I. Analisando livros didáticos na perspectiva dos estudos do discurso: compartilhando reflexões e sugerindo uma agenda para a pesquisa. Pró-posições, v. 17, n. 1, p. 117-136, jan/abr. 2006.

MARTINS, I. O compromisso social da pesquisa em Educação em Ciências: reflexões a partir de abordagens discursivas. In: LACERDA, N.; SIQUEIRA, V. H. F. (Org.). Práticas pedagógicas na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2012. v. 1, p. 25-35.

MEIRIEU, P. A Pedagogia entre o dizer e o fazer: a coragem de começar. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002. MEIRIEU, P. La escuela después»… ¿con la pedagogía de antes? Disponível em: http://www.mcep.es/2020/04/18/la-escuela-despues-con-la-pedagogia-de-antes-philippe-meirieu/. Acesso em: 20 abr. 2020.

MORTIMER, E. F. Multivoicedness and univocality in classroom discourse: an example from theory of matter. International Journal of Science Education, London, v. 20, n. 1, p. 67-82, 1998.

MORTIMER, E. F. Linguagem e Formação de Conceitos no Ensino de Ciências. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000. 383p.

NARDI, R.; GATTI, S. R. T. A História e a Filosofia da Ciência no Ensino de Ciências. Série Educação para Ciência. São Paulo: Escrituras, 2016. 166 p.

NASCIMENTO, S. S. Science learning in the context of discourse. Cultural Studies of Science Education, v. 1, p. 1-7, 2012.

NICOLLI, A.; OLIVEIRA, O. B.; CASSIANI, S. A linguagem na Educação em Ciências: um estudo a partir dos ENPECS. In: FLORES, C. R.; CASSIANI, S. (Org.). Tendências contemporâneas nas pesquisas em Educação Matemática e Científica: sobre linguagens e práticas culturais. Campinas: Mercado de Letras, 2014.

PEREIRA DE JESUS, A. Contributos de Philippe Meirieu para uma Pedagogia Inovadora: “Da Pedagogia Magistral à Pedagogia Diferenciada”. 2010. 211 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação – Inovação Pedagógica) - Universidade da Madeira, 2010.

PERINI, E. (Entrevistado por Marco Weissheimer). O que move as fake news e o negacionismo científico? Sul 21. Crise civilizatória. 27/11/2019. Disponível em: https://outraspalavras.net/outrasmidias/o-que-move-as-fake-news-e-negacionismo-cientifico. Acesso em: mai. 2020.

REIS, P. Ciência e Educação: que relação? Interacções, n. 3, p. 160-187, 2006.

REZENDE, F.; OSTERMANN, F. Hegemonic and counter-hegemonic discourses in science education from the perspective of a post-critical curriculum theory. Cultural Studies of Science Education, v. 15, p. 679-694, 2020.

RODRIGUES, V. A. B.; LINSINGEM, I.; CASSIANI, S. Formação cidadã na Educação Científica e Tecnológica: olhares críticos e decoloniais para as abordagens CTS. Revista Educação e Fronteiras On-Line, Dourados/MS, v. 9, n. 25, p. 71-91, jan./abr. 2019.

SALOMÃO, S. Lições da Botânica: O Texto Literário no Ensino de Ciências. Ciência em Tela, v. 1, n. 1, p. 1-9, 2008.

SANTOS, F. M. T.; MORTIMER, E. F. How emotions shape the relationship between a chemistry teacher and her high school students. International Journal of Science Education, London, v. 25, n. 9, p. 1095-1110, 2003.

SANTOS, L. H. S. A Biologia tem uma história que não é natural. In: COSTA, M. V. (Org.). Estudos culturais em educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema... Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2000. 176p.

SANTOS, W. L. P.; MORTIMER, E. F Abordagem de aspectos sociocientíficos em aulas de Ciências: possibilidades e limitações. Investigações em Ensino de Ciências, v. 14, n. 2, p. 191-218, 2009.

SANTOS, W. L. P. Educação CTS e cidadania: confluências e diferenças. Amazônia - Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, v. 9, n. 17, p. 49-62, jul./dez. 2012.

SANTOS, W. L. P.; AULER, D. CTS e Educação Científica: desafios, tendências e resultados de pesquisa. Brasília: EdUnB, 2011. 226p.

SEPÚLVEDA, J. A.; SEPÚLVEDA, D. O pensamento conservador e sua relação com práticas discriminatórias na educação: a importância da laicidade. Revista Teias, v. 17, n. 47, p. 141-154, out.-dez. 2016.

SILOCHI, J. Aproximações entre literatura e ciência: um estudo sobre os motivos para utilizar textos literários no Ensino de Ciências. 2014. 260f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e em Matemática) - UFPR, Curitiba.

SIMONNEAUX, J.; SIMONNEAUX, L. Educational Configurations for Teaching Environmental Socioscientific Issues within the Perspective of Sustainability Research. Science Education, v. 42, n. 1, p. 75-94, 2012.

TAVARES, R. Aprendizagem significativa e o ensino de ciências. Ciências & Cognição, v. 13, n. 1, p. 94-100, 2008.

TEIXEIRA, P. M. A educação científica sob a perspectiva da pedagogia histórico-crítica e do movimento CTS no ensino de ciências. Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p. 177-190, 2003.

VILARDI, L. G.; PRATA, R. V.; MARTINS, I. Educação para a cidadania: o papel da prática pedagógica na formação para a tomada de decisão. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 12, n. 3, p. 7-22, 2012.

WILPPEL, M.; SILVEIRA, C. Física e Poesia: diálogos e potencialidades no ensino de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 37, n. 2, p. 351-368, ago. 2020.

ZILLI, B.; MASSI, L. Uma revisão bibliográfica sobre a utilização de obras de literatura na Educação em Ciências. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, X, 2017, Florianópolis. Atas... Florianópolis, ABRAPEC, 2017. p. 1-10.

Downloads

Publicado

2020-12-16

Edição

Seção

Artigos