A memória na prisão: entre a massificação e a resistência

Autores

  • José Mauro Oliveira Braz Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Fernanda Santos Curcio Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Francisco Ramos de Farias Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2016v13n1p1

Resumo

Este artigo tem como objetivo compreender como a instituição prisão consegue, por intermédio de suas dinâmicas, experiências e práticas disciplinares, funcionar de modo a provocar o nivelamento das diferenças subjetivas dos encarcerados pela assimilação das normas de convivência, em termos de submissão e obediência a cultura prisional. Como metodologia utilizada, realizou-se o levantamento bibliográfico de obras que auxiliassem na construção desta discussão, onde autores como Foucault, Goffman, Thompson e Althusser direcionaram o referido trabalho. O fenômeno da massificação subjetiva se faz presente na medida em que a instituição atua no sentido de tentar produzir semelhantes experiências nos encarcerados, transformando-as em vestígios de memórias e lembranças. Desse modo, a prisão, como qualquer outro lugar de memória, conduz seus encarcerados de acordo com um conjunto de determinações estabelecidas para a transmissão da disciplina e controle. Porém, o ambiente prisional que atua na busca da padronização subjetiva está fundamentado em contradições e de correlações de forças que dão espaço a resistência. Configurando, assim, não apenas a preservação da memória do espaço instituído, como também a produção de arranjos, ou melhor, uma modalidade de memória em termos de possíveis dobras que se impõe ao poder desta instituição.

Biografia do Autor

José Mauro Oliveira Braz, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Mestrando em Memória Social pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Pesquisador voluntário do projeto A construção da Memória Social da Educação Prisional do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Fernanda Santos Curcio, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Mestranda em Memória Social pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Bolsista do CNPq.

Francisco Ramos de Farias, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Doutor e Mestre em Psicologia pela Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Professor do Programa de Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Bolsista Produtividade PQ 2. Pesquisador da FAPERJ

Referências

AGUIRRE, C. Cárcere e sociedade na América Latina, 1800-1940. Em: Maia, C. N. e outros (org.). História das prisões no Brasil., v.1. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE). Rio de Janeiro: Edições Graal, 1918.

BARCINSKI, Mariana & CUNICO, Sabrina Daiana. Rev. Psicologia: Ciência e Profissão., Os efeitos (in)visibilizadores do cárcere: as contradições do sistema prisional. Brasília, v.26, n. 4, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932006000400002>. Acesso em 03 jun 2015.

BECCARIA, Cesare. Dos Delitos e das Penas. São Paulo: Martin Claret, 2001.

BENTHAM, Jeremy, O panóptico. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, Cap. 2 p. 67 – 121, 2006.

BUTLER, Judith. Mecanismos psíquicos del poder. Valencia: Ediciones de Cátedra,2011.

CASTEL, Robert. A Ordem Psiquiátrica: a Idade de Ouro do alienismo. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

CASTEL, Robert. A Instituição Psiquiátrica em Questão. In Figueira, Sérvulo Augusto (coord.). Sociedade e Doença Mental. Rio de Janeiro: Campus, 1978.

COSTA, Ilcéia. Memória Institucional: a construção conceitual numa abordagem teórico-metodológica. Rio De Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1997 (Tese de Doutorado em Ciência da Informação).

DELEUZE, Gilles. Foucault. Tradução: Claúdia Sant’Anna Martins; São Paulo: Brasiliense, 2005.

DORNELLES, J. R. O que é crime. São Paulo: Brasiliense, 1988.

FONSECA, Karina Prates da. (Re)Pensando o crime como uma relação de antagonismo entre seus autores e a sociedade. Rev. Psicologia: Ciência e Profissão., Brasília , v. 26, n. 4, dez. 2006 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932006000400002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 25 jun 2015.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir – História das violências nas prisões. Tradução de Raquel Ramalhete, 13 ed. RJ, Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. História da loucura: Na idade clássica. São Paulo: Perspectiva, 1996.

GUATTARI, Felix. & ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 1974.

GONDAR, Jô. Lembrar e esquecer: desejo de memória. In: COSTA, I.; GONDAR, J. (Org.) Memória e espaço. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2000.

JACÓ-VILELA, Ana. Maria, FERREIRA, Arthur. Arruda. Leal. & PORTUGAL, Francisco. Teixeira. (Orgs.). História da Psicologia. Rumos e percursos. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2005.

RICOEUR, Paul. Memória, História e Esquecimento. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2007.

SEQUEIRA, Vania. Conselheiro, Por que o carcereiro não deixa as portas da prisão abertas?. Rev. Interações., São Paulo, v.9, n.18, dez. 2004. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1413-29072004000200004&script=sci_arttext>. Acesso em: 08 jun. 2015.

THOMPSON, Augusto. A questão penitenciária. Rio de Janeiro, Forense, 1980.

WACQUANT, Loïc. O lugar prisão na nova administração da pobreza. Rev. Novos estudos – CEBRAP., São Paulo, nº80, mat. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_serial&pid=0101-3300&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 06 jun. 2015.

Downloads

Publicado

2016-04-01

Edição

Seção

Artigos - Condição Humana e Saúde na Modernidade