A tradição dos contos de fada e a sobrevivência de matrizes culturais femininas nas narrativas cinematográficas infantis

Autores

  • Heloisa Porto Borges Universidade Fundação Mineira de Educação e Cultura, Belo Horizonte, MG
  • Rodrigo Fonseca Rodrigues Universidade Fundação Mineira de Educação e Cultura, Belo Horizonte, MG

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2018v15n3p109

Resumo

O principal objetivo deste artigo é o de refletir acerca dos valores culturais que são continuamente reproduzidos pelas narrativas cinematográficas ao longo de gerações. Estes valores que podem ser (re) construídos através das imagens e narrativas, utilizam-se de condutas já legitimadas socialmente como elos mediadores da memória coletiva, reconectando o passado ao contemporâneo. Ao analisarmos historicamente as produções cinematográficas dos estúdios Disney e suas personagens de princesas, percebemos que, embora uma desconstrução de estereótipos femininos possa ser evidenciada, persistem alguns valores tradicionais, que podem ou não ser ressignificados à medida em que a mulher consegue se emancipar culturalmente.

Biografia do Autor

Heloisa Porto Borges, Universidade Fundação Mineira de Educação e Cultura, Belo Horizonte, MG

Mestre em Estudos Culturais Contemporâneos pela Universidade da Fundação Mineira de Educação e Cultura, Belo Horizonte, MG, Brasil

Rodrigo Fonseca Rodrigues, Universidade Fundação Mineira de Educação e Cultura, Belo Horizonte, MG

Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Pós-doutoramento em Ciências da Linguagem, pela Universidade Nova de Lisboa, Portugal. Professor Adjunto da Universidade da Fundação Mineira de Educação e Cultura, Belo Horizonte, MG, Brasil

Referências

ALVES, Branca Moreira. PITANGUY, Jaqueline (1982). O que é feminismo. São Paulo: Editora Brasiliense.

BEAUVOIR, S. (1967). O Segundo sexo II – a experiência vivida. 2. ed. Tradução de Sérgio Milliet. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

BETTELHEIM, B. (2002). A psicanálise dos contos de fadas. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

BREDER, F. (2013). Feminismo e príncipes encantados: a representação feminina nos filmes de princesa da Disney. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Escola de Comunicação – ECO.

CADEMARTORI, L. (1987). O que é literatura infantil. São Paulo: Brasiliense.

CASHDAN, S. (2000). Os sete pecados capitais nos contos de fadas: como os contos de fadas influenciam nossas vidas. Rio de Janeiro: Campus.

CASTELLS, M. (2001). O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra.

COELHO, N. (1991). O Conto de fadas. São Paulo: Ática.

DEBORD, G. (1997). A sociedade do espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto.

DIDI-HUBERMAN, G. (2013). A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Contraponto.

LIPOVETSKY, Gilles (2000), A Terceira Mulher. Permanência e Revolução do Feminino, Maria Lucia Machado (trad.), São Paulo: Companhia das Letras.

MACHADO, A. M. (2010). Os Contos de fada de Perrault, Grimm, Andersen e Outros. Zahar.

PERRAULT, J. C.. Contos de Perrault. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1987.

VAITSMAN, Jeni. Flexíveis e plurais: identidade, casamento e família em circunstâncias pós-modernas. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1994.

Downloads

Publicado

2018-09-13

Edição

Seção

Artigos - Estudos de Gênero