Os ribeirinhos no Arquipélago de Marajó e a luta pela permanência no território tradicionalmente habitado

Eliane Miranda Costa, Vivianne da Silva Nunes Caetano

Resumo


O arquipélago de Marajó desde a colonização tem sido palco de intensas e sucessivas disputas entre diferentes grupos pela ocupação e usufruto da terra e riquezas naturais. Neste estudo, evidencia-se a luta dos ribeirinhos, um grupo social do rio Mapuá, município de Breves, Marajó, Pará, pelo acesso, uso e permanência no território tradicionalmente habitado. Em conflito com os empresários da madeira, os ribeirinhos, ameaçados de serem expulsos, requereram junto ao governo federal a criação de uma Reserva Extrativista, a Resex/Mapuá, como condição para permanecerem em seu território. Seguindo os pressupostos da pesquisa qualitativa, procuramos conhecer aspectos desse conflito, assim como discutir sobre a Resex e o uso do território na interface com a política territorial do Estado. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas e análise documental. Tendo por referência o campo socioantropológico em uma perspectiva interdisciplinar, analisamos os dados empíricos, os quais nos levam a evidenciar que a Resex-Mapuá, para os ribeirinhos, constitui-se em uma tática política de afirmação e reafirmação do direito de permanecer no território que tradicionalmente habitam e costuram seus modos de vida.


Palavras-chave


Questão agrária; Unidade de conservação; Povos tradicionais; Território Amazônico; Mapuá

Texto completo:

PDF/A

Referências


ACEVEDO-MARIN, R. Debates e discursos em torno do Plano de Desenvolvimento Territorial Sustentável do Marajó. In: ACEVEDO-MARIN, R. E.; TELES, E.; CARDOSO, M. do S. C.; SANTOS, D. B. dos. (Org.). Povos Tradicionais no Arquipélago de Marajó e políticas de ordenamento territorial ambiental. Rio de Janeiro: Casa 8. 2015. pp. 23-38.

ACSERALD, H. Cartografia social e dinâmicas territoriais: marcos para o debate. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, 2010.

ALMEIDA, A. W; e B. Terras de quilombos, terras indígenas, “babaçuais livre”, “castanhais do povo”, “faxinais e fundos de pasto: Terras tradicionalmente ocupadas. 2. ed. Manaus, PGSCA –UFAM. 2008.

BEZERRA, M. “As moedas dos índios”: um estudo de caso sobre os significados do patrimônio arqueológico para os moradores da Vila de Joanes, ilha de Marajó, Brasil. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum. vol. 6, n. 1, pp: 57-70, 2011.

BRASIL. Ministério Público Federal. Câmara de Coordenação e Revisão. Territórios de povos e comunidades tradicionais e as unidades de conservação de proteção integral: alternativas para o asseguramento de direitos socioambientais. Câmara de Coordenação e Revisão; coordenação Maria Luiza Grabner; redação Eliane Simões, Débora Stucchi. – Brasília: MPF, 2014.

BRASIL. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Plano de Manejo Participativo da Reserva Extrativista Mapuá – Fase I. Breves (PA), 2009

BRASIL. DECRETO Nº 6.040, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2007a. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais, 2007a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm. Acesso em: 20 fev. 2015

BRASIL. PLANO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO ARQUIPÉLAGO DO MARAJÓ, 2007b. Disponível em: http://sit.mda.gov.br/download/ra/ra129.pdf. Acesso em: 20 fev. 2019.

BRASIL. Presidência da República. DECRETO DE 20 DE MAIO DE 2005. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Dnn/Dnn10533.htm. Acesso em: 15 mar. 2019.

COSTA, E. M. OS “POVOS RIBEIRINHOS” E A RESERVA EXTRATIVISTA NO RIO MAPUA NO ARQUIPÉLAGO DE MARAJÓ, BRASIL. In: CASTILHO, Danila Barbosa de (org.). A interlocução de saberes na antropologia. Ponta Grossa (PR): Atena Editora, 2019. p.67-83. Disponível em: https://www.atenaeditora.com.br/arquivos/ebooks/a-interlocucao-de-saberes-na-antropologia. Acesso em: 20 set. 2019.

COSTA, E. M. MEMÓRIAS EM ESCAVAÇÕES: Narrativas de Moradores do rio Mapuá sobre os Modos de Vida, Cultura Material e Preservação do Patrimônio Arqueológico (Marajó, PA, Brasil). 334 f. 2018. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Antropologia (PPGA), da Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

COSTA, F. A. Questão Agrária e Macropolíticas na Amazônia. Estudos Avançados, vol.19 n.53, pp: 131-156, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142005000100009. Acesso em: 15 out. 2019.

DIEGUES, A. C. S. O MITO MODERNO DA NATUREZA INTOCADA. 3. ed. São Paulo: EDITORA HUCITEC, 2001.

DOURADO, S. B. Os conhecimentos tradicionais como objeto de disputas no campo: a diversidade dos sentidos relacionais. In: ALMEIDA, A. W. B. de (Org.) Conhecimentos Tradicionais e territórios na Pan-Amazonia. Manaus, UEA. Editores, 2010. Caderno de Debates Nova Cartografia Social (p.55-63).

DUMORA, C. Viver e sobreviver numa Área de Proteção Ambiental: o caso da pequena agricultura familiar em uma das comunidades rurais da APA de Guaraqueçaba. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 14, p. 47-67, jul./dez. Editora UFPR, 2006.

FIGUEIREDO, C. M; D’AVILA NETO, M. I. Dinâmicas identitárias, no rural –urbano-rural: Território e fronteira entre agricultores do Rio de Janeiro. Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, vol. 12, n. 2, pp: 180-199, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/view/1807-1384.2015v12n2p180. Acesso em: 20 set.2019.

LITTLE P. E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: Por uma antropologia da territorialidade. Universidade de Brasília. 2002.

MCKEAN, M.; OSTROM, E. Regime de propriedade comum em florestas: somente uma relíquia do passado? In: DIEGUES, A. C.; MOREIRA, A. C. C. (Org.) Espaços e recursos naturais de uso comum. São Paulo: USP, 2001. (p. 79-96).

PEREIRA, A. dos R. COLONIZAÇÃO E CONFLITOS NA TRANSAMAZÔNICA EM TEMPOS DA DITADURA CIVIL-MILITAR BRASILEIRA. CLIO – REVISTA DE PESQUISA HISTÓRICA, n. 31, vol. 2, pp:1-17, 2014.

PENHA, L. Reforma Agrária na Amazônia? Avaliação do II Plano Nacional de Reforma Agrária no Território Rural do Baixo Tocantins – PA. 2012. 133f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável). Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará, Belém, 2012. Disponível em: http://www.ppgdstu.propesp.ufpa.br/ARQUIVOS/Dissertacoes/2012/Luciano%20Rocha%20da%20Penha.pdf. Acesso em: 12 set. 2019.

SHIRAISHI NETO, J. “Novas” “Sensibilidades” Velhas Decisões: notas sobre as transformações jurídicas recentes. Sequência, n.62, pp: 79-96, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2020.e70154

Direitos autorais 2020 Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.