Dinâmicas Identitárias no Rural-Urbano-Rural: Território e Fronteira entre Agricultores do Rio De Janeiro

Autores

  • Cecilia Moreyra Figueiredo Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Maria Inácia D´Ávila Neto Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2015v12n2p180

Palavras-chave:

Interdisciplinaridade, comunidades, Identidades, Fronteira, Pós-colonialismo

Resumo

O município do Rio de Janeiro é considerado eminentemente urbano, posto que esta é a condição de 100% de sua população. No entanto, a realidade que observamos transpassa os dados censitários oficiais, e a agricultura de caráter familiar permanece ativa em algumas comunidades. Este estudo se realiza no campo psicossociológico a partir de uma perspectiva interdisciplinar e analisa as dinâmicas identitárias entre agricultores da cidade do Rio de Janeiro a partir das noções de fronteira e identidade próprias da teoria pós-colonial. Focalizamos uma comunidade que apresenta histórias centenárias de práticas ligadas à agricultura, que evidenciam forte consciência coletiva sobre seu papel social: afirmam sua permanência no lugar como fator de preservação da floresta da região e atribuem ao seu trabalho a devida importância em suas relações sociais. Neste sentido abordaremos o tema a partir das perspectivas teóricas da sociologia das ausências e da ecologia de saberes, conforme nos apresenta Boaventura de Sousa Santos.

Biografia do Autor

Cecilia Moreyra Figueiredo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Doutoranda em Psicossociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social - Programa EICOS da Universidade Federal do Rio de Janeiro pesquisadora no Laboratório de Imagens: gênero, corpo, espaço, participação e desenvolvimento no mesmo Programa. Pesquisadora dos grupos de pesquisa Núcleo Ambiente, território e identidade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Maria Inácia D´Ávila Neto, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Doutorado em Psicologia Social pela Université Paris Diderot, Paris 7, França. Professora Titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro, coordenando uma UNESCO chair on sustainable development sediada no Programa de Pós-Graduação em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social - Programa EICOS, Rio de Janeiro.

Referências

ASHCROFT, Bill. GRIFFITHS, Gareth. TIFIN, Helen(2000). Post-Colonial Studies. The Key Concepts. 2 ed.

BAUMANN, Zygmunt.(2005), Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

D’AVILA NETO, Inácia, CAVAS, Claudio. (2014). Frontières: Pour une nouvelle èpistémilogie de la notion. Vocabulaire des mobilités Culturelles, Bernd e Dei (org).

GEERTZ, Clifford. (1978) A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar editores.

HALL, Stuart. (1992) A identidade cultural na pós-modernidade, Rio de Janeiro: DP&A.

HALL, Stuart. (2003). Da Diáspora, Belo Horizonte: ed. UFMG.

LATOUR, B. (2013) Investigacíon sobre los modos de existencia. Buenos Aires: Argentina: Paidós.

LEFEVBRE, H. (1999) A cidade do capital. Rio de Janeiro, RJ: DP&A.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. (2002). Ofício de Cartógrafo. Travessias latino-americanas da comunicação na cultura, São Paulo: Edições Loyola.

PETERSEN, Paulo. Agricultura familiar camponesa na construção do futuro, Rio de Janeiro, AS-PTA, 2009.

PLOEG, Jean. D. Dez Qualidades da Agricultura Familiar. Revista Agriculturas, Cadernos para debate, Rio de Janeiro, AS-PTA, 2014.

____________________Sete Teses sobre a Agricultura Camponesa. In: PETERSEN, Paulo. (org) Agricultura familiar camponesa na construção do futuro, Rio de Janeiro, AS-PTA, 2009.

PRATT, Mary Louise. (1992). Ojos Imperiales. Literatura de viajes y transculturación. Buenos Aires: Universidad Nacional de Quilmes.

SILVA, Tomaz Tadeu (org) (2000). Identidade e Diferença: A Perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes.

SILVA, Tomaz Tadeu (2000). Teoria Cultural e Educação – um vocabulário crítico. Belo Horizonte: Ed Autêntica.

SANTOS, Boaventura de Sousa. (2010). A gramática do Tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez.

WOORTMANN, Ellen e Klass. (1997) O Trabalho da Terra, a lógica e a simbólica da lavoura camponesa. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Downloads

Publicado

2015-12-15

Edição

Seção

Artigos - Sociedade e Meio Ambiente