Estado cosmopolita, organismos internacionais e a terceira via: o esporte enquanto política social

Carlos Eduardo de Souza

Resumo


O texto que se segue busca contribuir para uma melhor compreensão do papel dos Organismos Internacionais na (re) afirmação do atual “bloco histórico” e problematizar os fundamentos do “cosmopolitismo” defendido pela Terceira Via. Foram analisados dois documentos. O primeiro publicado pela UNESCO e o segundo pela ONU. Tais documentos atribuem à “cultura esportiva” a tarefa de corrigir as distorções sociais, organizar a sociedade civil tornando-a mais coesa, difundir uma cultura de paz e tolerância. Portanto, o esforço foi de apreender os principais objetivos e diretrizes contidos nesses documentos para a construção das atuais políticas públicas de esporte e a “nova” sociabilidade em curso.

 

 


Palavras-chave


Estado; Organismos Internacionais; Políticas Públicas; Esporte; Cultura de Paz

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2014v26n42p41



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA