Gestão esportiva e de lazer uma análise de sites oficiais de 59 municípios baianos

Marco Avila, Cristiano Bahia, Claudio Rosa

Resumo


Objetivamos com o presente estudo contribuir com a compreensão e a qualidade da gestão de esporte e lazer. Nesse sentido, focamos em quatro aspectos: (1) disponibilidade de informação; (2) sexo dos gestores; (3) atenção dada ao esporte e lazer; e (4) caminhos para avanços. Nosso objeto de estudo consistiu em 59 sites oficiais de municípios alocados em quatro Territórios de Identidade da Bahia. O estudo foi documental e descritivo. Identificamos que muitos municípios baianos apresentam problemas quanto à disponibilidade de informações sobre esporte e lazer, que o cargo de gestor municipal tende a ser assumido por homens e que algumas regiões podem apresentar maior enfoque em determinado setor (esporte ou lazer). Concluímos que a gestão de esporte e lazer na maioria dos municípios pesquisados necessita de mudanças, e nesse sentido, apresentamos quatro propostas visando contribuir para sua qualificação.


Palavras-chave


Exercício; Políticas públicas; Acesso à informação; Atividades de lazer

Texto completo:

PDF/A

Referências


AMARAL, Silvia Cristina Franco; RIBEIRO, Olivia Cristina Ferreira; SILVA, Dirceu Santos. Produção científico-acadêmica em Políticas Públicas de Esporte e Lazer no Brasil. Motrivivência, v. 26, n. 42, p. 27-40, jun. 2014.

ATHAYDE, Pedro; MASCARENHAS, Fernando; SALVADOR, Evilásio. Primeiras aproximações de uma análise do financiamento da política nacional de esporte e lazer no Governo Lula. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 37, n. 1, p. 2-10, 2015.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BARROS FILHO, Marco Antonio. et al. Perfil do gestor esportivo brasileiro: uma revisão de literatura, Revista Intercontinental de Gestão Desportiva, v. 1, supl 1, p. 44-52, 2013.

BRASIL. Constituição (1998). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988: atualizada até a Emenda Constitucional n° 20, de 15-12-1998.

CAPALDI, Colin; DOPKO, Raelyne; ZELENSKI, John. The relationship between nature connectedness and happiness: a meta-analysis. Frontiers in Psychology, v. 5, p. 1-15, 2014.

CARRUS, Giuseppe. et al. A Different Way to Stay in Touch with ‘Urban Nature’: The Perceived Restorative Qualities of Botanical Gardens. Frontiers in Psychology, v. 8, p. 1-9, 2017.

CASTELAN, Lia Polegato. As conferências nacionais do esporte na configuração da política esportiva e de lazer no governo Lula (2003-2010). Dissertação (Mestrado em Educação Física) –Faculdade de Educação Física, UNICAMP, Campinas/SP 2011.

CASTRO, Carmem Lúcia Freitas de; GONTIJO, Cynthia Rúbia Braga; AMABILE, Antônio Eduardo de Noronha. (Orgs.). Dicionário de Políticas Públicas. Barbacena: EdUEMG, 2012.

CORTES, Didier Fernando Gaviria; OLIVA, Francisco Javier Castejón. Desarrollo de valores y actitudes a través de la clase de educación física. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 1, 251-262, jan./mar. 2016.

CRAWFORD, Maxine; HOLDER, Mark; O’CONNOR, Brian. Using Mobile Technology to Engage Children With Nature. Environment and Behavior, v. 49, n. 9, p. 959–984, 2017.

DIAS, Cleber. et al. Estudos do lazer no Brasil em princípios do século XXI: panorama e perspectivas. Movimento, Porto Alegre, v. 23, n. 2, p. 601-616, abr./jun. 2017.

JYLHÄ, Kirsti. et al. Denial of anthropogenic climate change: Social dominance orientation helps explain the conservative male effect in Brazil and Sweden. Personality and Individual Differences, v. 98, p. 184–187, 2016.

LUCHS, Michael; MOORADIAN, Todd. Sex, personality, and sustainable consumer behaviour: Elucidating the gender effect. Journal of Consumer Policy, v. 35, p. 127–144, 2012.

MENDES, Alessandra Dias; AZEVEDO, Paulo Henrique. Políticas públicas de esporte e lazer & políticas públicas educacionais: promoção da educação física dentro e fora da escola ou dois pesos e duas medidas? Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Porto Alegre, v. 32, n. 1, p. 127-142, 2010.

OLIVEIRA, Hosana Larissa Guimarães; LEIRO, Augusto Cesar Rios. Políticas públicas de esporte no Mercosul: governo eletrônico e Cidadania. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 539-554, abr./jun. 2016.

SANTOS, Flávia da Cruz; AMARAL, Sílvia, Cristina Franco. Sobre lazer e políticas sociais: questões teórico-conceituais; Pensar a prática, Goiânia, v. 13, n. 3, p. 1-13, set./dez. 2010.

SANTOS, Marcos Aurelio Gonçalves Nóbrega dos; FREIRE, Elisabete dos Santos; MIRANDA, Maria Luiza de Jesus. A gestão do esporte como tema de Pesquisa: análise da publicação científica. Motrivivência, v. 29, n. 50, p. 183-201, 2017.

SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. 2ed. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

SILVA, Dirceu. et al. Ações intersetoriais no Planejamento Político em Esporte, Lazer, Cultura e Turismo na Gestão Municipal de Ilhéus-BA. Licere, Belo Horizonte, v. 15, n. 1, p. 1-40, mar. 2012.

STAREPRAVO, Fernando Augusto; SOUZA, Juliano de; MARCHI JUNIOR, Wanderley. Políticas públicas de esporte e lazer no brasil: uma proposta teórico-metodológica de análise. Movimento, Porto Alegre, v. 17, n. 3, p. 233, 2011.

SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Perfil dos Territórios de Identidade da Bahia. Salvador, 2015. 1 v.

ZARDO, Allan Fernando; SOUZA, Juliano de; STAREPRAVO, Fernando Augusto. Gestores do esporte e visões de política esportiva no Brasil (1937-2016): uma abordagem sociológica. Motrivivência, v. 30, n. 53, p. 119-133, 2018.

ZELEZNY, Lynnette; CHUA, Poh-Pheng; ALDRICH, Christina. Elaborating on gender differences in environmentalism. Journal of Social Issues, v. 56, p. 443–457, 2000.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2019e56613



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA