A cidadania ferida no país da Copa: as obras públicas para os megaeventos sob o sorriso do lagarto

Manoel Montanha Soares, Daniel Cantanhede Behmoiras, Juarez Oliveira Sampaio

Resumo


 

Este artigo procura abordar a realidade complexa que se imiscui na produção de um imaginário cidadão acerca da construção dos mega eventos esportivos no qual o Brasil será sede. Exploraremos a relação que a classe dominante estabelece com o poder público, os seus interesses escusos e promíscuos com o erário público e a forma como esta trata a cidadania. Vende-se um discurso de participação e democracia brindada pelas festividades “populares” da copa do mundo e dos jogos olímpicos. Desta forma, faremos uma análise bibliográfica do cenário que permeia a construção de eventos de tamanha envergadura, em concomitância com a postura da sociedade civil e opinião pública diante da promessa dos legados sociais.


Palavras-chave


Cidadania; Mega Eventos; Estado; Classe Dominante

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2013v25n41p128



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA