Contemplar: a trajetória de um coletivo no fomento da pesquisa, extensão e cidadania para o lazer

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2021e78743

Palavras-chave:

Centro de pesquisa, Desenvolvimento social e lazer, Extensão comunitária

Resumo

O artigo apresenta uma breve descrição da trajetória do Grupo de Pesquisa Coletivo Nordestino de Atenção ao Tempo Livre e Lazer – CONTEMPLAR, sediado na Universidade Federal do Delta do Parnaíba, no município de Parnaíba, Piauí/Brasil. A partir da análise documental e descritiva foi realizado um relato histórico e elencadas as perspectivas teóricas que embasam as linhas de pesquisa do grupo de pesquisa. Em 2018, a partir da institucionalização formal, o coletivo definiu quatro linhas para o desenvolvimento da pesquisa, extensão e divulgação científica, quais sejam: “Ócio, Bem estar e Desenvolvimento Humano”, “Inovação, Criatividade e Tecnologias de Entretenimento e Lazer”, “Políticas públicas e movimentos sociais em lazer” e “Territórios, espaços e lugares de lazer”. Apesar da independência estratégica de cada linha, as premissas do ócio humanista, do desenvolvimento humano e da teoria das necessidades correspondem ao pano de fundo que estrutura a base conceitual dos estudos.

Biografia do Autor

Shaiane Vargas da Silveira, Universidade Federal do Delta do Parnaíba - UFDPar

Doutora em Políticas Públicas/UFMA

Universidade Federal do Delta do Parnaíba – UFDPar,

 Parnaíba, Piauí, Brasil.

Solano de Souza Braga, Universidade Federal do Delta do Parnaíba – UFDPar,

 Doutorando em Desenvolvimento e Meio Ambiente, PRODEMA

Universidade Federal do Delta do Parnaíba – UFDPar,

 Parnaíba, Piauí, Brasil.

Sofia Araujo de Oliveira, Universidade Federal do Delta do Parnaíba – UFDPar

Mestre em Cultura e Turismo/UESC

Universidade Federal do Delta do Parnaíba – UFDPar,

Parnaíba, Piauí, Brasil.

Referências

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. Campinas/SP: Cortez Editora, 2002.

BENI, Mario Carlos; MOESCH, Marutscka. A teoria da complexidade e o ecossistema do turismo. Turismo-Visão e Ação, v. 19, n. 3, p. 430-457, 2017.

BOULLÓN, Roberto C. Planejamento do espaço turístico. Edusc, 2002.

BORGES, Vicente de Paula Censi. Políticas públicas e o desenvolvimento segregador no turismo: uma discussão conceitual e reflexiva referente ao turismo de Parnaíba-Piauí. Revista Turismo: estudos e práticas, v. 3, 2014.

BRAGA, Solano S.; GONTIJO, Bernardo M. A região da Serra do Cipó: complexidade, tempo e turismo. 2011. Dissertação de Mestrado, Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais.

CAMARGO, Luiz Otávio de Lima. O que é Lazer. São Paulo: Brasiliense, 1989

CAMPOS, Renato Márcio Martins de. Indústria cultural e cultura da mídia: produção e distribuição do entretenimento na sociedade global. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, XXIX. 2006.

CASCUDO, Luis da Câmara. Civilização e Cultura. São Paulo, Brasil: Global Editora, 2004

CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly. et al. Ocio y Desarollo: Potencialidades del ócio para el desarollo humano. Documentos de Estudios de Ócio. n. 18. Bilbao/Espanha: Universidad de Deusto, 2001.

CUENCA CABEZA, Manuel. Ocio humanista: dimensiones y manifestaciones actuales del ócio. Bilbao: Universidad de Deusto, 2000

CUENCA CABEZA, Manuel; GUTIÉRREZ, E.A. El tiempo del Ocio: transformaciones y riesgos en la sociedad apressurada. Documentos de Estudios de Ocio, núm. 36, Bilbao, Espanha: Universidad de Deusto, 2009

DE BRITO, Ronnie Fagundes; VANZIN, Tarcisio; ULBRICHT, Vania Ribas. Reflexões sobre o conceito de criatividade: sua relação com a biologia do conhecer. Ciências & Cognição, v. 14, n. 3, p. 204-213, 2009.

DRAIBE, Sônia Miriam. Avaliação de implementação: esboço de uma metodologia de trabalho em políticas públicas. In: BARREIRA, M.C.R. N. e CARVALHO, M.C.B. de. (Orgs). Tendências e Perspectivas na Avaliação de Políticas e Programas Sociais. São Paulo/SP: IEE/PUC-SP, 2001.

FORPROEX- FÓRUM DE PRÓ-REITORES DAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRAS. Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus: FORPROEX, 2012

GOMES, Christianne L. Verbete Lazer– Concepções. In: GOMES, Christianne. L. (Org.). Dicionário Crítico do Lazer. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2004

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere: Edición crítica del Instituto Gramsci. v. 3 e 6. México: Ediciones Era, 1984.

HELLER, Agnes. Teoria de las necessidades em Marx. Barcelona, Espanha: Edicio- nes Peninsula, 1986.

HAESBAERT, Rogerio. Território e multiterritorialidade: um debate. 2010.

LIMONAD, Ester. Entre a urbanização e a sub-urbanização do território. Anais do XI Encontro Nacional da Anpur. Salvador, 2005.

LEFÉBVRE, H. Espaço e política. Belo horizonte: ed. Da UFMG, 2006.

LUCHIARI, Maria Tereza Duarte Paes et al. O lugar no mundo contemporâneo: turismo e urbanização em Ubatuba-SP. 1999.

KROPOTKIN, Piotr Alexeyevich. La conquista del pan. Bilbao/Espanha: Zero, 1973.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Lazer e Humanização. Campinas: Papirus, 1983.

MARX, Karl. O Capital: Crítica da Economia Política. Rio de Janeiro/RJ: Civilização Brasileira, 2003. (volume 3)

MAX-NEEF, M. A . Desenvolvimento à escala humana: concepção, aplicação e reflexões posteriores. Blumenau: Edifurb, 2012

MEDEIROS, Ethel Bauzer. O lazer no planejamento urbano. Rio de Janeiro, Brasil: Fun- dação Getúlio Vargas, 1975.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital. São Paulo/SP: Boitempo Editorial, 2002.

MIRANDA, Leticia Miranda de; FARIAS, Sidney Ferreira. As contribuições da internet para o idoso: uma revisão de literatura. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 13, p. 383-394, 2009

MONTEAGUDO, M. J. La experiencia de ocio: una mirada cientifica desde los Estu- dios de Ocio. Documentos de Estudios de Ocio, num 35. Bilbao, Espanha: Universidad de Deusto, 2008.

MUNANGA, K. Mudar as Coisas. Blog Ecoa, 17 de maio de 2020. Entrevista à Gabriel Rocha. Disponível em https://www.uol.com.br/ecoa/reportagens-especiais/intelectual-deve-influenciar-namudanca-diz-antropologo-kabengele-Munanga/#page1. Acesso em 03 de agosto de 2020.

OURIQUES, Helton Ricardo. A produção do turismo: fetichismo e dependência. Alínea Editora, 2005.

PUTRICK, Simone Cristina. O turismo na rota das emoções e no desenvolvimento socioeconômico de municípios do estado do Piauí. Tese de doutorado em Geografia, UFPR, 2019.

RÉGIS, Fátima. Tecnologias de comunicação, entretenimento e competências cognitivas na cibercultura. Revista Famecos: mídia, cultura e tecnologia, n. 37, p. 32-37, 2008.

RICHARDS, Greg. Creativity and tourism: The state of the art. Annals of tourism research, v. 38, n. 4, p. 1225-1253, 2011.

RICHARDS, G. Turismo Cultural: padrões e implicações. In: CAMARGO, P.; CRUZ, G. (Orgs.). Turismo Cultural: Estratégias, sustentabilidade e tendências. Ilhéus: Editus, 2009.

ROJEK, Chris. Decentring leisure: Rethinking leisure theory. London: Sage Publications, 1995

SAN SALVADOR DEL VALLE, Roberto. Políticas de ocio. Colección de Documentos de Estudios de Ocio, num. 17. Bilbao, Espanha: Universidad de Deusto, 2000

SANTOS, Boaventura de Souza. Pela mão de Alice. O social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 2013.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. Edusp, 2002.

SILVA, Débora Alice Machado da; et al. Importância da recreação e do lazer. Cadernos interativos 4 – elementos para o desenvolvimento de políticas, programas e projetos intersetoriais, enfatizando a relação lazer, escola e processo educativo. Brasília: Gráfica e Editora Ideal, 2011.

SOUZA, Mariana B.; LEITE, Clarissa R. Território, turismo e sustentabilidade: um ensaio acerca da urbanização em Gramado e Canela/RS. Seminário Internacional Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea, 2015.

UVINHA, Ricardo C. O Futuro das Experiências de Lazer. In Azevedo, P.H.; Bramante, A.C. (orgs). Gestão Estratégica das Experiências de Lazer. Curitiba, Brasil: Apris, 2017.

UNGHERI, Bruno Ocelli; ISAYAMA, Hélder Ferreira. Esporte e lazer: reflexões sobre o não planejamento de políticas públicas. Motrivivência, v. 32, n. 63, p. 01-12, 2020.

WORLD LEISURE ORGANIZATION. International Charter For Leisure Education. Cedar Fall/EUA: WLO, 1993.

Downloads

Publicado

2021-06-02

Edição

Seção

Seção Temática