Currículo, cultura e crueldade: para compor uma ética com Antonin Artaud e o teatro

Thiago Ranniery Moreira de Oliveira, Marlucy Alves Paraíso

Resumo


Este artigo busca nas linhas de força de Antonin Artaud, do Teatro da Crueldade e da Filosofia da Diferença de Gilles Deleuze elementos para compor uma ética da crueldade curricular. Desenvolve-se, assim, o argumento de que a crueldade das formas de vida e a crueldade das forças de uma vida permitem alimentar exigência de uma ética da crueldade curricular. Expõe-se, desse modo, a dimensão ética e cultural da crueldade a partir do duplo formas/forças posto em jogo no Teatro da Crueldade. Extrai-se, portanto, uma ética da crueldade curricular que funciona a partir de dois movimentos: dar conta dos autoengendramentos das formas de vida em um currículo e pensar os movimentos fecundos que possibilitam a permanente invenção de formas de viver.


Palavras-chave


Teorias de Currículo; Conteúdos culturais do currículo; Filosofia da Educação

Texto completo:

PDFA


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2013v31n2p615



Direitos autorais 2014 Thiago Ranniery Moreira de Oliveira, Marlucy Alves Paraíso

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.