Afetos, cultura e mediação: especificidades do desenvolvimento na criança de zero a três anos

Cláudia Aparecida Valderramas Gomes

Resumo


Ao anunciar a materialidade dos processos psicológicos humanos, a psicologia histórico-cultural destaca que a cultura é a matéria-prima do desenvolvimento, ou seja, é por meio da inserção da criança, desde o seu nascimento, no universo da linguagem, dos objetos e da história dos homens que a mesma constitui sua condição humana. Esse artigo tem como objetivo apresentar algumas particularidades do desenvolvimento da criança nos primeiros três anos de vida destacando os processos afetivos e a interposição da cultura nesse processo. Utilizando como aporte teórico principal a psicologia de Vigotski e, de maneira especial, o conteúdo referido nas Obras Escolhidas, tomo IV, o artigo contribui para pensar a educação das crianças ainda na primeira infância indicando o papel que os elementos mediadores, em especial os educadores, desempenham nesse processo como forma de expressar outra atitude frente à

aprendizagem e ao desenvolvimento.


Palavras-chave


Educação; Psicologia da criança; Teoria sócio-histórico-cultural

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2014v32n3p813



Direitos autorais 2014 Cláudia Aparecida Valderramas Gomes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.