O retrocesso da liberdade: contabilizando o custo da tradição prisional americana

David Ladipo

Resumo


O enorme crescimento da população encarcerada nos Estados Unidos nos últimos anos caracterizou-se por ser marcadamente racial: mais de 18% do total de homens negros estavam sob algum tipo supervisão correcional em 1997. Quase um terço (32%) de homens negros entre 20 e 29 anos estão hoje submetidos a algum tipo de controle correcional. O artigo argumenta que este sensível crescimento dos números referentes à prisão não resulta de um repentino aumento dos índices de crimes, mas de mudanças deliberadas nas práticas norte-americanas da justiça criminal e dos tribunais. Argumenta, ainda, que uma das causas da irrupção do encarceramento encontra-se no oportunismo político e no desejo de explorar e exacerbar respostas racistas e punitivas aos temores sociais. Mas trata-se, também, de um programa keynesiano de investimento em infra-estrutura, gerador de empregos e impulsionando serviços.


Palavras-chave


População carcerária; Racismo; Práticas judiciais

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x



Direitos autorais 2001 David Ladipo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.