Deslocamento de estudantes, possíveis atrativos e a relação com o desempenho escolar: um estudo de caso

Autores

  • Rafael Brito Silveira Programa de Pós-Graduação em Geografia - Universidade Federal de Santa Catarina http://orcid.org/0000-0002-7062-3540
  • Klaus Rauh Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

Desempenho Escolar, Mobilidade Urbana, Análise Espacial

Resumo

Problemas de deslocamento entre residência e unidade escolar existem em diversas localidades do Brasil. Em alguns casos estes problemas ocorrem por falta de segurança no transporte escolar, de custos elevados de transporte privado; em outros, pelas distantes localizações em que as escolas se encontram, porém, problemas de mobilidade urbana também podem representar problemas para tal atividade. Por meio de questionário exploratório, objetivou-se entender como estudantes de uma unidade escolar na Região Metropolitana de Florianópolis (RMF) percebem os problemas existentes de mobilidade urbana, bem como os impactos que isto gera em seus deslocamentos cotidianos, refletindo ou não em seus desempenhos escolares. Espacializar a proveniência dos estudantes por meio de mapa também foi um dos objetivos, além de entender quais são os principais atrativos desta instituição capazes de fazer com que os estudantes, por meio de seus responsáveis, empreguem esforços para estudarem lá. Estas verificações foram realizadas por meio de análises gráficas e também estatísticas, mais especificamente por meio de correlação e regressão linear no software Statistica. As análises indicam que os estudantes observam os problemas de mobilidade urbana existentes na RMF, que os mesmos são provenientes de distintos municípios do entorno, percorrendo distâncias diárias consideráveis, porém, não há como explicar o desempenho escolar dos estudantes por meio da distância de deslocamento e do tempo gasto entre residência e escola, pois, as análises não apresentaram significância estatística de acordo com o rigor estabelecido (α = 5%).

Biografia do Autor

Rafael Brito Silveira, Programa de Pós-Graduação em Geografia - Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando em Geografia no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Santa Catarina. Graduando no curso de licenciatura em Geografia da UFSC. Integrante do Laboratório de Climatologia Aplicada (LabClima) da UFSC.

Klaus Rauh, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduando no curso de licenciatura em Geografia da UFSC.

Referências

BRANCO, M.L.G.C.; FIRKOWSKI, O.L.C. F.; MOURA, R. Movimento pendular e perspectivas de pesquisas em aglomerados urbanos. São Paulo em Perspectiva, 19(4), p. 121-133, 2005.

CUNHA, J.M.P. Mobilidade espacial, vulnerabilidade e segregação socioespacial: reflexões a partir do estudo da RM de Campinas, 2007. In: Cunha, J. M. P. (Org.), A mobilidade espacial da população: desafios teóricos e metodológicos para o seu estudo. Campinas: Núcleo de Estudos de População - NEPO/Unicamp, p. 117-140, 2011.

FEIJÓ, P.C.B. “Transporte escolar: a obrigação do poder público municipal no desenvolvimento do programa. Aspectos jurídicos relevantes”. Revista Jus Navigandi, [Teresina, In], 12 dez. 2006. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/9239/>. Acesso em: 26 nov. 2018.

G1SC. “Vídeos mostram transporte irregular de alunos na Serra de SC”. G1 - SC [Florianópolis, In], 17 mar. 2017. Disponível em: <http://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2017/03/videos-de-morador-mostram-transporte-irregular-de-alunos-em-sc.html>. Acesso em: 26 nov. 2018.

IBGE. Panorama: São José. 2018a. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/sao-jose/panorama>. Acesso em: 29 nov. 2018.

IBGE. Panorama: Palhoça. 2018b. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/palhoca/panorama>. Acesso em: 29 nov. 2018.

IBGE. Panorama: Biguaçu. 2018c. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/biguacu/panorama>. Acesso em: 29 nov. 2018.

IBGE. Panorama: Florianópolis. 2018d. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/florianopolis/panorama>. Acesso em: 29 nov. 2018.

IFSC. Câmpus São José. s/d. Disponível em: <http://www.ifsc.edu.br/campus-sao-jose>. Acesso em: 26 nov. 2018.

KESERŰ, I. Commuting patterns of secondary school students in the functional urban region of Budapest. Hungarian Geographical Bulletin, v. 62, n. 2, p. 197-219, 2013.

LIMA, M.R.T.R. Mobilidade urbana em planos diretores: análise sintática da malha viária da área conurbada de Florianópolis. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 149 p., 2010. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/93670>. Acesso em: 20 nov. 2018.

LIMA, W.M.; FREIRE, F.H.M.A.; OJIMA, R. Mobilidade e rendimento escolar dos estudantes de ensino médio em Natal (RN, Brasil). Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 10, n. 2, p. 346-356, 2018.

MAITAN, E. “Crianças fazem longos trajetos a pé para ir à escola, no Sul do ES”. G1 - ES [Espírito Santo, In], 15 jun. 2015. Disponível em: <http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2015/06/criancas-fazem-longos-trajetos-pe-para-ir-escola-no-sul-do-es.html>. Acesso em: 26 nov. 2018.

MARIQUE, A.F.; DUJARDIN, S.; TELLER, J.; REITER, S. School commuting: the relationship between energy consumption and urban form. Journal of Transport Geography, v. 26, p. 1-11, 2013.

MENEZES, F.M.; PRADO, S.H. Mobilidade urbana em Florianópolis. In: O futuro da cidade: Florianópolis. Vieira, M.S. (Org.). Palhoça: Ed. Unisul, Cap. 1, p. 19-32, 2013. Disponível em: <https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/35378039>. Acesso em: 20 nov. 2018.

MORETTIN, P.A.; BUSSAB, W.O. Estatística básica. 8ª ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

MÜLLER, S.; TSCHARAKTSCHIEW, S.; HAASE, K. Travel-to-school mode choice modelling and patterns of school choice in urban areas. Journal of Transport Geography, v. 16, n. 5, p. 342-357, 2008.

PEIXOTO, M. “Alunos residem longe das escolas de ensino público”. Diário do Nordeste [Fortaleza, In], 30 set. 2008. Disponível em: <http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/metro/alunos-residem-longe-das-escolas-de-ensino-publico-1.380268>. Acesso em: 36 nov. 2018.

PEREIRA, E.M. Cidade, urbanismo e mobilidade urbana. Geosul, v. 29, p. 73-92, 2014.

PEREIRA, R.H.M. Polarização urbana e mobilidade da população: o caso dos deslocamentos pendulares na rede pública de ensino médio do Distrito Federal. In: XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 18-22 de setembro, Caxambú: ABEP, 2006. Disponível em: <http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/view/1491/1456>. Acesso em: 21 nov. 2018.

RODRIGUES, M.S. Dicionário brasileiro de estatística. Rio de Janeiro, 2ª ed.: Instituto Brasileiro de Estatística, 350 p., 1970.

ROGERSON, P.A. Métodos estatísticos para geografia: um guia para o estudante. Porto Alegre, 3ª ed.: Bookman, 348 p., 2012.

SANTOS, M. A natureza do Espaço: Tempo e Técnica, Razão e Emoção. São Paulo: Edusp, 260 p., 2006.

SCHIMITT, A.; ROSENDELDT, Y.A.Z.; OLIVEIRA, M.O.; ROSOLEM, G.P.; LOCH, C. Proposta de mobilidade coletiva para a Região Metropolitana de Florianópolis pensada a partir de imagens do Satélite GeoEye e banco de dados de software SIG. In: Anais do XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, p. 810-817, 2013. Disponível em: <http://marte2.sid.inpe.br/col/dpi.inpe.br/marte2/2013>. Acesso em: 26 nov. 2018.

Downloads

Publicado

2019-05-29

Edição

Seção

Artigos Científicos