A formação do campo social da geografia no Brasil e sua representação social

Autores

  • Larissa Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE- UFRN

Palavras-chave:

Campo social, Geografia, Representações sociais, Campo social; Geografia; Representações sociais.

Resumo

A presente pesquisa tem como objetivo refletir sobre a formação do campo da Geografia no Brasil e identificar a representação social da ciência geográfica partilhada pelos discentes de uma Instituição de Ensino Superior pública, localizada em Teresina-PI. Para tanto, buscou-se apoio na teoria de Bourdieu (1979), particularmente quanto ao conceito de campo social, e na Teoria das Representações Sociais, proposta por Moscovici (1978). Os dados da pesquisa foram produzidos com base no Teste de Associação Livre de Palavras (TALP). A análise dos dados realizou-se conforme a análise de conteúdo categorial com base em Bardin (1986). Nessa perspectiva, tomou-se como referencial teórico os trabalhos de Jodelet (2001); Kaercher (2007), Pontuschka; Paganelli e Cacete (2009), Cavalcanti (2002), Morin (2005), entre outros. Como resultados, identificou-se que as representações partilhadas pelos discentes sobre a Geografia, revelam, para eles, esta ciência como o estudo dos fenômenos manifestados na superfície terrestre e, ainda, como uma ciência de síntese. Constata-se então, nessas representações, forte repercussão ainda do senso comum e apego aos pressupostos da Geografia Tradicional. A superação da imagem da Geografia como exclusiva ciência de síntese é permeada por obstáculos objetivos, mas também por obstáculos simbólicos, que, juntos, criam dificuldades para a incorporação do novo. Um desses obstáculos são as representações sociais partilhadas pelo conjunto desses estudantes.

Referências

AB’SÁBER, Aziz Nacib. O que é ser geógrafo: memórias profissionais de Aziz Ab’Sáber

em depoimento a Cynara Menezes. Rio de Janeiro: Record, 2007.

ANTUNES, Charlles da França. Origens - A Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB) e

o cenário de seu surgimento na geografia brasileira. Porto Alegre - RS, 2010.

ARAÚJO, Flavia Monteiro. Algumas reflexões em torno dos conceitos de campo e de

habitus na obra de Pierre Bourdieu. Perspectivas da Ciência e Tecnologia, São Paulo, v. 1, n.1, 2009. Disponível em < http://revistascientificas.ifrj.edu.br:8080/revista/index.php

/revistapct/article/view/14> Acesso em fev. 2021.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edição 70, 1986.

BORDIEU, P. Escritos de Educação. 4.ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2002.

CAVALCANTI, Lana de Sousa. Geografia e práticas de ensino. Goiânia: Alternativa, 2002.

JODELET, D. Representações Sociais: um domínio em expansão. In. JODELET, D. (Org.)

As representações sociais. Rio de Janeiro. EdUERJ. 2001.

KAERCHER, N. A. Desafios e utopias no ensino de Geografia. 3.ed. Santa Cruz do Sul-RS,

EDUNISC, 2007.

MOSCOVICI, Sergi. A Representação Social da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar

Editores, 1978.

MORAES, Antonio Carlos Robert. Geografia: pequena história crítica. São Paulo:

HUCITEC, 1994.

MORIN, Edgar. A cabeça bem- feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 11 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

PONTUSCHKA, Nídia Nacib. A GEOGRAFIA: PERSPECTIVAS E ENSINO. In:

CARLOS, Ana Fani (org). Novos caminhos da geografia. São Paulo: Contexto, 1999.

RIBEIRO FILHO, Francisco Gomes. O ensino de geografia no trabalho dos professores e dos alunos dos cursos técnicos integrados ao nível médio do Instituto Federal de

Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI). Dissertação (mestrado em Geografia).

Universidade Estadual Paulista. 2010.

ROCHA, Genylton Odilon Rego da. A trajetória da disciplina geografia no currículo

escolar brasileiro (1839 –1942). Dissertação de Mestrado junto a Pontifícia Universidade

Católica de São Paulo. PUC. São Paulo, 1996.

SILVA, Josélia Saraiva. Habitus docente e representação social do “ensinar geografia” na educação básica de Teresina- Piauí. Tese. (Doutorado em Educação). Faculdade de

Educação. Universidade Federal do Rio Grande no Norte. 2007.

SPINK, M. J. O. O estudo empírico das representações sociais. In. SPINK, M.J. (Org.). O

conhecimento no cotidiano: As representações sociais na perspective da psicologia social.

São Paulo: Brasiliense, 1995, p. 85-108.

Downloads

Publicado

2021-11-29

Edição

Seção

Artigos Científicos