Maria Esther Bueno: eficiência e competitividade no tênis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n279453

Palavras-chave:

Maria Esther Bueno, mulheres atletas, gênero, tênis, esporte

Resumo

Maria Esther Bueno foi uma importante tenista brasileira que venceu os maiores e mais reconhecidos torneios de tênis do mundo. O objetivo desta pesquisa foi compreender os processos que possibilitaram a Maria Esther Bueno tornar-se uma grande atleta em uma época de baixa inserção das mulheres no esporte competitivo. Foram analisadas as incidências da tenista em matérias do jornal O Estado de São Paulo, publicadas entre 1950 e 1970. Patrocinador da tenista na época, o jornal ressaltava aspectos conservadores e inovadores na representação de uma mulher em um ambiente competitivo. A pesquisa identificou elementos de rupturas de gênero na inserção da mulher no esporte, propagados pelas conquistas da atleta e pelas inovações de um estilo de jogo marcado por competitividade, potência, eficiência e uso de roupas especializadas.

Biografia do Autor

Giovanna Garcia Ticianelli, Universidade Estadual de Campinas

Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Bacharela e licenciada em Educação Física pela Unicamp. Pesquisadora da área de gênero e Educação Física.

Helena Altmann

Professora Associada da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), mestra em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFM) e graduada em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Foi coordenadora do Grupo de Trabalho Temático Gênero do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (2015-2017). Tem experiência de pesquisa e ensino em Educação, Educação Física e Esportes, com ênfase em gênero e sexualidade. Integra o Grupo de Pesquisa Corpo e Educação e o Grupo de Pesquisa Focus, ambos da Unicamp.

Referências

BUTLER, Judith. “Regulações de gênero”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 42, p. 249-274, jan./jun. 2014.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

JAMAIN, Sandrine. “Le vêtement sportif des femmes des “années folles” aux années 1960. De la transgression à la “neutralisation” du genre”. In: SAINT-MARTIN, J., TERRET, T. Sport et genre. França: Harmattan, 2005. p. 35-48.

LAPUENTE, Rafael. “A imprensa como fonte: apontamentos teórico-metodológicos iniciais acerca da utilização do periódico impresso na pesquisa histórica”. Bilros, Fortaleza, v. 4, n. 6, p. 11-29, jan./jun., 2016.

LIOTARD, Philippe; TERRET, Thierry. “Féminités et masculinités sportives”. In: LIOTARD, P., TERRET, T. Sport et genre. França: Harmattan, 2005. p. 9-12.

MELLO, Raul Augusto Ramalho de. O esporte amador em telejornais esportivos locais. 2015. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Jornalismo) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “A imprensa inglesa faz elogios a Esther Bueno”. O Estado de São Paulo, São Paulo, 07/05/1958.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Alex Olmedo campeão de Wimbledon; Esther Bueno disputará duas finais”. São Paulo, 04/07/1959.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Althéa Gibson e Esther Bueno semifinalistas”. São Paulo, 03/07/1958.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Cãibras trazem Esther”. São Paulo, 25/02/1965.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Campeonato Noturno de Tenis do C. R. Tietê”. São Paulo, 19/04/1957.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Derrotada Darlene Hard, Maria Esther Bueno é a primeira sul-americana vitoriosa em Wimbledon”. São Paulo, 05/07/1959.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Derrotada Maria Esther Bueno”. São Paulo, 05/05/1959.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Entrevista à Imprensa de Maria Esther Bueno”. São Paulo, 08/10/1958.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Entrevista de Maria Esther Bueno na BBC”. São Paulo, 06/07/1958.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Esther Bueno venceu Sally Moore; disputará a partida final amanhã”. São Paulo, 03/07/1959.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Esther começa amanhã a jornada a Wimbledon”. São Paulo, 13/05/1960.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Esther finalista no torneio de Forest Hills”. São Paulo, 13/09/1959.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Homenagem do Tietê ao diretor do ‘Estado’”. São Paulo, 13/01/1961.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Maria Esther Bueno obtém outro título”. São Paulo, 02/02/1958.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Maria Esther desfila moda”. São Paulo, 19/06/1966.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Maria Esther embarca amanhã para Nova York”. São Paulo, 20/12/1957.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Maria Esther vence na estréia em Wimbledon”. São Paulo, 23/06/1965.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Novo título para Maria Esther Bueno”. São Paulo, 07/01/1958.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Saques e voleios de Estherzinha levaram-na às manchetes”. São Paulo, 11/10/1960.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Tênis moderno ou tênis antigo, uma controvérsia”. São Paulo, 13/11/1960.

O ESTADO DE SÃO PAULO. “Vitória de Esther”. São Paulo, 24/06/1964.

OKSALA, Johanna. Como ler Foucault. São Paulo: Zahar, 2011.

PRECIADO, Paul B. Testo junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

SCHPUN, Mônica Raisa. “Códigos sexuados e vida urbana em São Paulo: as práticas esportivas da oligarquia nos anos vinte”. In: SCHPUN, M. R. (Org.). Gênero sem fronteiras. Florianópolis: Editora Mulheres, 1997. p. 45-71.

SOARES, Carmen Lucia. As roupas nas práticas corporais e esportivas: a educação do corpo entre o conforto, a elegância e a eficiência (1920-1940). Campinas: Autores Associados, 2011.

TÉTART, Phillippe. “Quel genre pour la championne? Sur la représentation de Suzanne Lenglen (1914-1921)”. In: LIOTARD, Philipe, TERRET, Thierry. Sport et genre. França: Harmattan, 2005. p. 73-90.

TICIANELLI, Giovanna Garcia. Uma mulher no esporte: diálogos e rupturas de Maria Esther Bueno. 2019. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

VIGARELLO, Georges. “Treinar”. In: COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges. História do corpo, as mutações do olhar, o século XX. Rio de Janeiro: Vozes, 2011. p. 197-250.

VIGARELLO, Georges. “Virilidades esportivas”. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges (Dir.). História da virilidade: a virilidade em crise? Séculos XX-XXI. Rio de Janeiro: Vozes, 2013. p. 269-301.

Downloads

Publicado

2021-10-21

Edição

Seção

Gênero, tecnologias e (novas) formas de subjetivação nas práticas esportivas