Corporalidade e desejo: Tudo sobre minha mãe e o gênero na margem

Sônia Weidner Maluf

Resumo


Análise do filme Tudo sobre minha mãe, do cineasta espanhol Pedro Almodóvar, enfocando a personagem travesti Agrado. Depois de uma comparação com outros filmes que abordam o fenômeno transgênero, é feita uma discussão em torno da noção de corporalidade e da construção do sujeito, dialogando sobretudo com as teorias do corpo da etnologia ameríndia brasileira. O ensaio busca propor alguns elementos para uma reflexão sobre a importância da análise de experiências de margem na renovação teórica no campo dos estudos feministas e de gênero. A experiência corporificada de tornar-se outro dramatiza os mecanismos de construção da diferença e se apresenta como um empreendimento antihier árquico desestabilizador de políticas dominantes da subjetividade.


Palavras-chave


cinema; corpo; transgênero

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100008

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.