A Teoria APOS nas teses e dissertações defendidas em Programas de Pós-Graduação nas áreas de Educação Matemática ou Ensino de Ciências e Matemática

Maria Alice de Vasconcelos Feio Messias, João Cláudio Brandemberg

Resumo


Apresentamos nesse artigo um levantamento das teses e dissertações defendidas no Brasil que tiveram a Teoria APOS como suporte teórico. Para tanto, buscamos no catálogo de teses e dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) trabalhos que contemplassem a referida teoria em sua fundamentação teórica. O termo ‘Teoria APOS’ foi definido como chave de pesquisa, de maneira que consideramos os trabalhos desenvolvidos em Programas de Pós-Graduação vinculados à área de Educação Matemática ou Ensino de Ciências e Matemática. Nessas condições, observamos que 8 dissertações e 3 teses foram defendidas no período de 2010 a 2017.  Evidenciamos que tais pesquisas foram realizadas em três instituições, sendo uma delas localizada na região sudeste, e as outras duas, na região sul do país. Os objetos de pesquisa desses trabalhos foram pautados, principalmente, na concepção de estudantes acerca de determinados conhecimentos matemáticos sob o ponto de vista da teoria APOS.

 


Palavras-chave


Teses e dissertações; Educação matemática; Ensino de ciências e matemáticas; Teoria APOS

Texto completo:

PDF/A

Referências


Arnon, I.; Cottrill, J.; Dubinsky, E.; Oktaç, A.; Roa-Fuentes, S.; Trigueros, M. & Weller, K. (2014). APÓS Theory: A framework for research and curriculum development in Mathematics Education. New York: Springer.

Azambuja, F. F. (2013). Divisibilidade de polinômios no Ensino Médio via generalização da ideia de divisibilidade de números inteiros (Dissertação de Mestrado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Chaparin, R. (2010). Concepções de divisibilidade de alunos do 1º ano do Ensino Médio sob o ponto de vista da teoria APOS (Dissertação de Mestrado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Dubinsky, E. (1991). Reflective abstraction in advanced mathematical thinking. In D. Tall. (Ed.), Advanced Mathematical Thinking. (p. 95-123). Kluwer Academic Publishers.

Dubinsky, E. & McDonald, M. A. (2001). APOS: A Constructivist Theory of Learning in Undergraduate Mathematics Education Research. In D. Holton. (Ed.), The Teaching and Learning of Mathematics at the University Level. (p. 273-280). Kluwer Academic Publishers.

Elias, H. R. (2012). Dificuldades de estudantes de licenciatura em matemática na compreensão de conceitos de grupo e/ou isomorfismo de grupos (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática). Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Jesus, M. S. (2016). Um estudo das concepções de licenciandos em matemática, à luz da teoria APÓS, a respeito do conceito de anel (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática). Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Messias, M. A. V. F. (2018). Teorias Cognitivas do Pensamento Matemático Avançado e a construção do conhecimento: um estudo envolvendo os conceitos de limite e continuidade (Tese de Doutorado em Educação em Ciências e Matemáticas). Universidade Federal do Pará.

Nomura, J. I. (2014). Esquemas cognitivos e mente matemática inerentes ao objeto matemático autovalor e autovetor: traçando diferencias na formação do engenheiro (Dissertação de Mestrado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Prado, E. A. (2010). Alunos que completaram um curso de extensão em Álgebra Linear e suas concepções sobre base de um espaço vetorial (Dissertação de Mestrado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Rachelli, J. (2017). Compreensões dos conceitos de derivada clássica e derivada fraca: análise segundo o modelo cognitivo APOS (Tese de Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática). Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, Rio Grande do Sul.

Roa-Fuentes, S.; Oktaç, A. (2010). Construcción de una decomposición genética: Análisis teórico del concepto transformación lineal. Revista Latino-americana de Investigación Matemática Educativa, n. 13, v. 1, p. 89-112.

Souza, M. L. (2016). Dependência e Independência Linear: um estudo a respeito das dificuldades e concepções de licenciando em matemática (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática). Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Silva, M. E. S. C. (2016). Concepções de transformação linear por estudantes de licenciatura em matemática (Tese de Doutorado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Siqueira, F. R. (2012). A programação no Ensino Médio como recurso de aprendizagem dos zeros de função polinomial do 2º grau (Dissertação de Mestrado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Soares, N. C. (2012). As operações com números naturais e alunos em dificuldades do 8º ano do Ensino Fundamental (Dissertação de Mestrado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.




DOI: https://doi.org/10.5007/1981-1322.2019.e58229

Indexadores, diretórios e base de dados:

                                                                     

 

REVEMAT: R. Eletr. Educ. Mat., UFSC/MTM/PPGECT, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1981-1322.
 
 

 Licença Creative Commons
Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.