Vestígios do ensino de desenho na Escola Normal do Maranhão: uma leitura a partir de revisão de literatura

Marcos Denilson Guimarães, Maria Consuelo Alves Lima

Resumo


Buscou-se neste artigo identificar nos trabalhos já produzidos de história da educação do Maranhão vestígios e/ou pistas (Bloch, 2002) que evidenciassem como se deu a formação de professores primários em Desenho na Escola Normal desse Estado. Com vistas a atingir esse objetivo, foi feita uma breve revisão da literatura, a partir da qual se estabeleceu a investigação. Neste sentido, descreve-se o movimento social, político e educacional da Escola Normal do Maranhão dos oitocentos (Saldanha, 2008; Soares, 2016; Castro, 2018), incluindo as tentativas de institucionalização e situando as condições que possibilitaram a formação dos profissionais no tocante à disciplina Desenho. A partir da tentativa de inserir o Maranhão num contexto de modernidade e progresso, a disciplina Desenho se insere neste movimento de alterações na formação dos professores primários maranhenses. E embora constitua um estudo ainda inicial, nomes de professores de Desenho e as suas devidas nomenclaturas já podem indicar dois possíveis movimentos: um de tomada desses sujeitos como experts em educação (Hofstetter et al., 2017) e outro de finalidades (Chervel, 1990) desta disciplina escolar.


Palavras-chave


Desenho; Escola Normal; História da Educação Matemática

Texto completo:

PDF/A

Referências


Bastos, M. H. C. (2018). Signo da modernidade educacional: o método monitorial/mútuo no Brasil (1808-1854). In Castro, C. A. & Castellanos, S. L. V. (Eds.), História da escola: métodos, disciplinas, currículos e espaços de leitura. (pp. 51-83). São Luís: EDUFMA; Café & Lápis.

Bloch, M. (2002). Apologia da história: ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Castro, C. A. (2009). Leis e regulamentos da Instrução Pública no Maranhão Império (1835-1889). São Luís: EDUFMA.

Castro, C. A. (2018). Aprender para ensinar: a disciplina Pedagogia nas “Escolas Normais” maranhenses (1840-1930). In C. A. Castro, & S. L. V, Castellanos (Eds.), História da escola: métodos, disciplinas, currículos e espaços de leitura. (pp. 85-103). São Luís: EDUFMA; Café & Lápis.

Chervel, A. (1990). História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, v. 2, 177-229.

Hofstetter, R. et al. (2017). Penetrar na verdade da escola para ter elementos concretos de sua avaliação – A irresistível institucionalização do expert em educação (século XIX e XX). Trad. Marcos Denilson Guimarães e Wagner Rodrigues Valente. In R. Hofstetter & W. R. Valente (Eds.), Saberes em (trans)formação: tema central da formação de professores. (pp. 55-112). São Paulo: Editora Livraria da Física (Coleção Contextos da Ciência).

Licar, A. C. N. C. (2010). A questão de livros da escola Modelo Benedito Leite: cultura material escolar e poder disciplinar no Maranhão (1900-1911). (Dissertação de Mestrado em Educação). Universidade Federal do Maranhão, São Luís.

Lima, N. N. (2014). Uma contribuição para a história do livro didático maranhense: a obra O Maranhão, de Fran Paxeco (1913-1923). (Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Federal do Maranhão, São Luís.

Melo, S. M. B. A. (2019). O Instituto de Educação do Maranhão (1939-1973). Recuperado de http://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/seminario/seminario8/_files/YTcHsryD.pdf.

Melo, S. M. B. (2012). Percurso histórico da formação de professores para a escola primária no Maranhão: Império e República Velha. In Anais do IX Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas “História, sociedade e educação no Brasil” (pp. 4741-456). João Pessoa, PB: Universidade Federal da Paraíba. Recuperado de histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/seminario/seminario9/PDFs/8.09.pdf

Melo, S. M. B. A. (2015). Formação de professores: o Instituto de Educação do Maranhão (1939-1973). InterEspaço: Revista de Geografia e Interdisciplinaridade, v. 1(1), 126-141.

Saldanha, L. L. (2008). A instrução pública maranhense na primeira década republicana. Imperatriz: Ética.

Salomão, K. (2015). O ensino de música no Maranhão (1860-1912): uma ênfase nos livros escolares de Domingos Thomaz Vellez Perdigão e Antonio Claro dos Reis Rayol. (Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Federal do Maranhão, São Luís.

Saviani, D. (2009). Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 14(40), 143-155.

Soares, W. J. B. (2016, outubro-novembro). Formação de professores e o ensino de Matemática na cidade de São Luís Oitocentista: tentativas de criação de uma Escola Normal. In Anais do 3º Encontro Nacional de Pesquisa em História da Educação Matemática. São Mateus, ES: Universidade Federal do Espírito Santo. Recuperado de eventos.ufes.br/enaphem/3enaphem/paper/viewFile/2028/71

Tanuri, L. M. (2000). História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, (14), 61-88.




DOI: https://doi.org/10.5007/1981-1322.2019.e67343

Indexadores, diretórios e base de dados:

                                                                     

 

REVEMAT: R. Eletr. Educ. Mat., UFSC/MTM/PPGECT, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1981-1322.
 
 

 Licença Creative Commons
Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.