Concepções de professores de matemática em portugal – um olhar a partir do ensino por competências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2021.e75559

Palavras-chave:

Ensino por competências, reformas curriculares, professores de matemática, modelos pedagógicos

Resumo

 O presente texto tem por objetivo analisar as concepções pedagógicas de professoras de Matemática do Ensino Básico e Secundário de Portugal, à luz do modelo de Ensino por Competências. Discutimos os modelos de Ensino por Conteúdos e por Competências, não se limitando aos conceitos propriamente ditos, mas também suas bases epistemológicas e implicações para o trabalho docente. Para contextuar nossa análise, efetuamos uma breve comparação entre os programas portugueses de Matemática de 2007 e 2013. Finalmente, analisamos as falas das docentes entrevistadas, no que respeita ao papel do ensino e seus conteúdos, gestão curricular, avaliação e interação com os estudantes. Concluímos que há professoras cujas concepções a respeito de suas práticas pedagógicas constituem um modelo coerente com suas concepções epistemológicas. Mas há também docentes que, apesar de manifestarem concepções construtivistas a respeito do ensino de Matemática, mantêm práticas pedagógicas características do modelo behaviorista. A pressão da preparação para as provas no estilo tradicional e a extensão dos programas são dois obstáculos que os professores enunciam para o desenvolvimento de práticas mais conducentes com as suas concepções, tal como se verifica no Brasil.

Biografia do Autor

Maria Leonor de Almeida Domingues Santos, Universidade de Lisboa

Instituto de Educação

Referências

Becker, F. (2001). Educação e construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed.

Becker, F. (2013). A Epistemologia do Professor de Matemática. Petrópolis: Vozes.

Becker, F. (2019). Construção do Conhecimento Matemático: natureza, transmissão e gênese.Bolema, v. 33 (65).

Bernstein, B. (1996) Pedagogy, symbolic control and identity: theory, research, critique. Maryland: Rowman & Littlefield Publishers.

Bivar, A., Grosso, C., Oliveira, F., & Timóteo, C. (2013). Programa de Matemática para o Ensino Básico. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência.

Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Porto: Porto Editora.

Coll, C. (2010). Desarrollo, aprendizaje y enseñanza em la educación secundaria. Barcelona: Editorial Graó.

D’ambrosio, U. (1996). Educação Matemática: Da teoria à prática. Campinas: Papirus.

Departamento da Educação Básica. (2001). Currículo nacional do Ensino Básico: Competências essenciais. Lisboa: Ministério da Educação.

Despacho n.º 17169/2011. (2011) Revoga o documento Currículo Nacional do Ensino Básico – Competências Essenciais, divulgado em 2001. Lisboa, Portugal: Ministério da Educação e Ciência.

Despacho n.º 12 530/2018. (2018). Recomendações para a melhoria das aprendizagens dos alunos em Matemática. Lisboa, Portugal: Ministério da Educação (1.º versão).

Guimaraes, H. M. (2010) Concepções, crenças e conhecimento - afinidades e distinções essenciais. Revista Quadrante, v.XIX (2).

Hoffman, J. (2014) Avaliação mediadora: Uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Editora Mediação.

Ministério da Educação. (2018). Aprendizagens essenciais. 9.º ano, Matemática. Recuperado de http://www.dge.mec.pt/ aprendizagens-essenciais-ensino-básico

Perrenoud, P. (1999). Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed.

Perrenoud, P.(2001). As competências para ensinar no século XXI. Porto Alegre: Artmed.

Ponte, J. P. [et al]. (1998). Histórias de Investigações Matemáticas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Ponte, J. P., Serrazina, L., Guimarães, H., Breda, A., Guimarães, F., Sousa, H., Menezes, L, Martins, E, & Oliveira, P. (2007). Programa de Matemática do Ensino Básico. Lisboa: Direção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular, Ministério da Educação.

Sacristán, J. G., & Gómez, A. P.. (2000) Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed.

Santos, L. et al.(2013) Quantos adultos calculam hoje de papel e lápis? Lisboa: Jornal Público, 1º/6/2013.

Santos, L. (2016). A articulação entre a avaliação somativa e a formativa, na prática pedagógica: Uma impossibilidade ou um desafio?. Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 24 (92), 637-669.

Short, E. (1985). The Concept of Competence: Its use and misuse in education. Journal of Teacher Education, v. 36. Washington.

Silva, T. T.(2004). Documentos de identidade: Uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica.

Smith, M. (2001). Practice-Based Professional Development for Teachers of Mathematics. Reston: NCTM.

Vaz, L. (2019). Ensino por conteúdos versus Ensino por competências: Concepções pedagógicas dos professores de Matemática do Colégio Militar de Porto Alegre (Tese de Doutorado – Programa de Pós Graduação em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Veloso, G., Brunheira, L., & Rodrigues, M. (2013). A proposta de Programa de Matemática para o Ensino Básico: um recuo de décadas. Educação e Matemática, 123, 3-8.

Westera, W. (2001). Competences in education: a confusion of tongues. Journal of curriculum studies, v. 33. Londres.

Zabala, A.(1998). A prática educativa: Como ensinar. Porto Alegre: Artmed.

Zabala, A.(2010) . Como aprender e ensinar competências. Porto Alegre: Artmed.

Downloads

Publicado

2021-03-09

Edição

Seção

Artigos