Construções e percepções de alguns alunos de licenciatura em matemática sobre demonstrações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2020.e82736

Palavras-chave:

Demonstração, Critérios De Divisibilidade, Pensamento Matemático, Reflexão Em Grupo, Raciocínio-E-Prova

Resumo

Neste artigo, investigamos como alunos de distintas etapas de um curso de Licenciatura em Matemática produzem e percebem argumentações matemáticas quando inseridos em um ambiente de reflexão em grupo. Os dados foram coletados em oficina oferecida a esses discentes e analisados utilizando uma ampliação e adaptação da metodologia de análise de Reasoning-and-Proving proposta por Andreas Stylianides e Gabriel Stylianides (2009). Foram constatadas divergências de percepções no que diz respeito a um argumento ser válido ou não, ou seja, se constitui uma prova. A experiência oportunizou aos sujeitos da pesquisa uma sensibilização sobre aspectos pedagógicos e matemáticos de uma demonstração.

Biografia do Autor

Luisa Rodríguez Doering, UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1985), graduação em Bacharelado em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1986), mestrado em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1990) e doutorado em Matemática por RUTGERS: The State University of New Jersey (1997). Atualmente é professora associada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e atua no Programa de Pós graduação em Ensino de Matemática da UFRGS.

Cydara Cavedon Ripoll, UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Tem Licenciatura em Matemática (1977) e Mestrado em Matemática (1982) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Doutorado em Matemática pela Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (1991) e estágio de pós-doutorado na Universidade de Heidelberg (Alemanha). Tem experiência nas áreas de Álgebra Comutativa e de Teoria dos Números e atualmente se dedica ao ensino de Matemática. É professora titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, atuando no Pós-Graduação em Ensino de Matemática, sendo autora de livros relacionados ao ensino de matemática. Integra a Diretoria da SBM desde julho de 2019. (Texto informado pelo autor)

Érica Vitória Machado da Silva, UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestranda em Ensino de Matemática, Graduada em Licenciatura em Matemática pela UFRGS e estudante da Universidade de Évora em Portugal nos semestres 2018/2 e 2019/1 pelo Programa de Licenciaturas Internacionais (PLI) CAPES.  

Referências

Balacheff, N. (1987). Processus de preuve et situations de validation. Educational Studies in Mathematics, 18(2), 147-176. doi: 10.1007/BF00314724

Ball, D. L., Thames M. H., & Phelps, G. (2008). Content knowledge for teaching: What makes it special? Journal of Teacher Education, 59(5), 389-407. doi: 10.1177/0022487108324554

Burton, L. (1984). Mathematical Thinking: the struggle for meaning. Journal For Research In Mathematics Education, 15(1), 35-49. doi: 10.2307/748986

Carraro, P. R. & Andrade, A. S. (2011). O professor do ensino fundamental em grupos de reflexão. Revista Mal Estar e Subjetividade, 11(4), 1339-1378. Recuperado em 21 de abril de 2022, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482011000400003&lng=pt&tlng=pt.

Dewey, J. (1959). Como pensamos: Como se relaciona o pensamento reflexivo com o processo educativo: uma reexposição. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Doering, L. R. & Ripoll, C. C. (2020). Critérios de divisibilidade para todas as idades: Um trabalho de reflexão de grupo. IV Simpósio Nacional da Formação do Professor de Matemática. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Matemática.

Hanna, G. (1990). Some pedagogical aspects of proof. Interchange, 21(1), 6-13. doi: 10.1007/bf01809605.

Hanna, G. (1995). Challenges to the Importance of Proof. For the Learning of Mathematics, 15(3), 42-49.

Hanna, G. (2000). A Critical Examination of Three Factors in the Decline of Proof. Interchange, 31, 21–33. doi: 10.1023/A:1007630729662

Harel, G., & Sowder, L. (1998). Students’ proof schemes: Results from exploratory studies. In A. H. Schoenfeld, J. Kaput, & E. Dubinsky (Eds.), Research in collegiate mathematics education. v.3, p. 234-283.

Leron, U. (1983). Structuring Mathematical Proofs. The American Mathematical Monthly, 90(3), 174-185. doi:10.2307/2975544

Marques, J. C. (2009). Pensamento de Grupo: o risco de decisões equivocadas e a diversidade de perspectivas na solução de problemas. Psicologia Argumento, 27(57), 141-149.

Mathias, C., Doering, L. R. & Ripoll, C. C. (2020). Uma Reflexão de Professores sobre Demonstrações Relativas à Irracionalidade de √2. Bolema. Rio Claro (SP), 34(67), 719-739.

Movshovitz-Hadar, N. (1988). Stimulating Presentation of Theorems Followed by Responsive Proofs. For the Learning of Mathematics, 8(2), 12-30. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/40247920> . Acesso em fev. 2021

Pinto, N. B. (2000). O erro como estratégia didática: estudo do erro no ensino da matemática elementar. Campinas, SP: Editora Papirus.

Pivetta, H. M. F. & Isaia, S. M. de A. (2014). Grupo reflexivo de professores da educação superior: estudo sobre seus movimentos construtivos. Revista Portuguesa de Educação, 27(1), 111-132, doi: 10.21814/rpe.4300.

Ripoll, J. B., Ripoll, C. C. & Silveira, J. F. P. (2011). Números Racionais, Reais e Complexos. Porto Alegre, RS: Editora UFRGS.

Simão, A. M. V. et al. (2009). Formação de professores em contextos colaborativos: um projeto de investigação em curso. Sísifo: Revista de Ciências da Educação, 8, 61-74. Disponível em: <http://sisifo.fpce.ul.pt>. Acesso em: fev. 2021.

Stylianides, A. J. (2007). Proof and Proving in School Mathematics. Journal for research in Mathematics Education, 38, (3), 289-321. doi:10.2307/30034869

Stylianides, A. J. (2019). Secondary students’ proof constructions in mathematics: The role of written versus oral mode of argument representation. Review of Education. 7(1), 156-182. doi: 10.1002/rev3.3157

Stylianides, A. J. & Stylianides, G. J. (2009). Proof constructions and evaluations. Educational Studies In Mathematics, 72(2), 237-253. doi: 10.1007/s10649-009-9191-3

Stylianides, G. J. (2008). An Analytic Framework of Reasoning-and-Proving. For the Learning of Mathematics, 28(1), 9-16. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/40248592> Acesso em: fev.2021

Stylianides, G. J. (2009). Reasoning-and-Proving in School Mathematics Textbooks. Mathematical Thinking And Learning, 11(4), 258-288. doi: 10.1080/10986060903253954

Downloads

Publicado

2022-06-24

Edição

Seção

Relatos de Experiências