Machado de Assis e a tradução: singularidades da práxis machadiana em diálogo com outros tradutores

Ana Lúcia Lima da Costa

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1980-4237.2013n14p71


Este artigo se propõe a apresentar um Machado de Assis pouco conhecido: o tradutor. E mais, o teórico da tradução, que muitas vezes antecipou as teorias que a contemporaneidade discute acerca da tradução. Discute-se as contribuições de vários teóricos e praticantes da tradução que de certo modo mantém um diálogo com o pensamento machadiano. O nosso Machado de Assis, em todas as traduções que fez, “se permitiu algumas licenças”, as quais demonstram que, para ele, o traduzir não deveria ser um ofício de valor menor que qualquer outro na carreira de um escritor, embora assim continue a ser considerado e, respeitando o original, sem servilismo, exerceu essa atividade durante toda a sua carreira literária contribuindo para tornar-se um exemplo das recentes discussões acerca da teoria da tradução.

ABSTRACT

This article aims to define, based on his practice and theoretical position as a translator, the type of professional identity Machado de Assis constructed in the nineteenth century for himself as well for his colleagues. The theory of identity used in this work encompasses postmodern ideas about translation and identity, especially those derived from Cultural Studies and Psychoanalysis.

Keywords: Machado de Assis; Translator; Identity; Cultural Studies; Psychoanalysis


Palavras-chave


Tradução; Reescritura; Apropriação; Criação; Machado de Assis

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4237.2013n14p71

Sci. Trad., © 2005, UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1980-4237

Creative Commons License
Scientia Traductionis is licensed under a Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.