De como se perder na tradução.

Pedro de Souza

Resumo


O objeto deste artigo é a tradução como experiência e ato de escrita. O ponto de partida aqui é processo tradutório como desafio de escrever entre duas línguas, isto é, nem na língua de partida, nem na língua de chegada. Refletimos o entremeio do ato de traduzir em que a transposição de um texto de uma língua para outra implica em perda, tanto de sentido, quanto de palavras. A perspectiva adotada para essa reflexão é a da relação entre sujeito, língua e discurso, conforme propõe a escola francesa de análise de discurso.


Palavras-chave


Escrita, discurso, sentido, tradução, subjetividade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2009v2n24p213



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.