As modalidades de tradução aplicadas à interpretação em língua de sinais brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35nesp2p197

Palavras-chave:

Interpretação simultânea, Língua de Sinais Brasileira, Modalidades de Tradução

Resumo

Este artigo foi desenvolvido a partir de um capítulo pertencente à tese de doutorado da primeira autora, para uma discussão mais pontual, relacionada à prática da interpretação simultânea em Língua de Sinais Brasileira com base nas Modalidades de Tradução descritas por Francis Aubert (1998). O texto interpretado denomina-se “Descobrindo quem somos nós”, extraído do livro “Aprender a ver: o ensino da língua de sinais americana como segunda língua” de autoria de Sherman Wilcox e Phyllis Perrin Wilcox, com tradução de Tarcísio de Arantes Leite. As referidas interpretações foram realizadas em estúdio fechado e com a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisas com Seres Humanos da Universidade Federal de Santa Catarina e os dados coletados na pesquisa foram analisados por meio do software ELAN. Resultados indicam que o exercício de utilizar uma metodologia de análise que se aproprie das Modalidades de Tradução contribui para se obter uma visão mais clara entre as semelhanças e diferenças existentes entre os pares linguísticos selecionados.

 

Biografia do Autor

Silvana Nicoloso, Instituto Federal de Santa Catarina Universidade Federal de Santa Catarina

Educadora Especial. Doutoranda em Estudos da Tradução pela UFSC. Professora Efetiva de Tradução no Instituto Federal de Santa Catarina, em Palhoça, Santa Catarina, Brasil.

Viviane M. Heberle, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Letras/Inglês pela UFSC, com pós-doutorado na University of Sydney, Austrália. Professora Titular do Departamento de Língua e Literatura Estrangeiras da UFSC. É docente no Curso de Letras/Inglês e nos Programas de Pós-Graduação em Inglês e em Estudos da Tradução da UFSC, em Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. viviane.heberle@ufsc.br.

Referências

ALBIR, A. H.; ALVES, F. Translation as a cognitive activity. In: MUNDAY, J. The Routledge Companion to Translation Studies. Routledge, p. 54-73, 2009.

AUBERT, F. H.. As (in) fidelidades da tradução: servidões e autonomia do tradutor. Campinas: Unicamp, 1994.

________. Modalidades de Tradução: Teoria e Resultados. TradTerm. São Paulo: CITRAT/FFLCH-USP, v.5, nº.1, p. 99-128, 1998.

BARBOSA, D. M. Omissões na interpretação simultânea de conferência: Língua Portuguesa – Língua Brasileira de Sinais. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina: UFSC/PGET, 2014.

BARBOSA, H. G. Procedimentos técnicos da tradução: Uma nova proposta. Campinas: Pontes, 1990.

BASTIANETTO, P. C. Legibilidade textual e modalidades de tradução: teoria e prática. Rio de Janeiro: UFRJ, 2012.

BRANCO, S. de O. Diferenciais de poder e o empréstimo linguístico em traduções no Brasil. ANTARES: Letras e Humanidades, v.3, n. 6, jul./dez, p. 236-250, 2011.

CAMARGO, D. C. As Modalidades de Tradução e o Contexto Literário. TradTerm. São Paulo: CITRAT/FFLCH-USP, v. 3, p. 27-33, 1996.

COKELY, D. Sign language interpreter and interpreting. Monographs Series: Linstok Press, 1992.

FELIPE, T. A. Libras em contexto: curso básico [livro do estudante]. 8 ed. Rio de Janeiro: WalPrint Gráfica e Editora, 2007.

LEITE, T. A. de. A segmentação da língua de sinais brasileira (libras): um estudo linguístico descritivo a partir da conversação espontânea entre surdos. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo: USP: 2008.

LUCHI, M. Interpretação de descrições imagéticas: onde está o léxico? Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina: UFSC, Florianópolis, 2013.

MCCLEARY, L; VIOTTI, E. Transcrição de dados de uma língua sinalizada: um estudo piloto da transcrição de narrativas na língua de sinais brasileira (LSB). In: SALLES, H. (Org.) Bilinguísmo e Surdez. Questões linguísticas e educacionais. Goiânia: Cânone Editorial, p. 01-28, 2007.

NASCIMENTO, C. B. Empréstimos Linguísticos do Português na Língua de Sinais Brasileira - LSB: Línguas em Contato. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Linguística. Universidade de Brasilia: UNB, 2010.

NICOLOSO, S. Modalidades de tradução na interpretação simultânea da língua portuguesa para a língua de sinais brasileira: investigando questões de gênero (gender). Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2015.

NICOLOSO, S.; HEBERLE, V. M. Gender and Sign Language Interpretation. In: R. M. QUADROS; E. FLEETWOOD; M. METZGER (Org.). Signed Language Interpreting in Brazil. 1ed.Washington, DC: GALLAUDET UNIVERSITY PRESS, 2012, v. 9, p. 96-112.

PAGURA, R. J. A interpretação de conferências: interfaces com a tradução escrita e implicações para a formação de intérpretes e tradutores. DELTA – Revista de documentação de estudos em Linguística Teórica e Aplicada. São Paulo, v. 19, p. 209-236, 2003.

PÖCHHACKER, F. Introducing interpreting studies. London: Routledge, 2004.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

RIGO, N. S. Tradução Comentada: Traduzibilidade poética na interface libras - português: aspectos linguísticos e tradutórios com base em “Bandeira Brasileira” de Pimenta (1999) de Saulo Xavier de Souza. Trabalho de Conclusão de Curso em Letras - LIBRAS. UFSC: Florianópolis, 2012.

SANTIAGO, V. A. A. Português e libras em diálogo: os procedimentos de tradução e o campo do sentido. In: ALBRES, N. A.; SANTIAGO, V. A. A. (Org) Libras em estudos: tradução/interpretação São Paulo: FENEIS, p. 35-55, 2012.

SEGALA, R. R. Tradução intermodal e intersemiótica/interlingual: Português brasileiro escrito para Língua Brasileira de Sinais. Dis¬sertação (Mestrado em Estudos da Tradução). Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, 2010.

SOBRAL, A. Dizer o ‘mesmo’ a outros: ensaios sobre tradução. São Paulo: Special Books Service Livraria, 2008.

Downloads

Publicado

2015-10-24