O que é preciso para ser tradutor?: estudo de caso – Macau (China)

Maria de Lurdes Nogueira Escaleira

Resumo


O presente artigo tem com objectivo reflectir sobre o ensino e a aprendizagem da tradução entre as línguas portuguesa e chinesa, em Macau, e o papel que o Instituto Politécnico de Macau tem desempenhado na formação de tradutores, desde 1991[1] a 2004.

Desde a chegada dos Portugueses, há mais de quatro séculos, a tradução tem sido uma condição essencial para o funcionamento das instituições e da vida social. Os contactos interculturais e interlinguísticos entre os falantes destas duas línguas, actualmente línguas oficiais, obriga a um esforço de tradução, daí que, o ensino desta área de conhecimento seja um importante aspecto a ter em conta pelos investigadores. Com mais de um século de experiência no ensino da tradução, é essencial analisar o mercado da tradução a partir da perspectiva dos próprios profissionais, permitindo identificar as suas características e planear o futuro; esta análise é fundamental para a elaboração de currículos e programas de formação de tradutores, tendo em conta as necessidades dos tradutores.

Partimos para este estudo com as seguintes hipóteses de investigação: (1) o número de tradutores disponíveis no mercado é insuficiente mas, todos os anos, chegam novos licenciados ao mercado;  (2) o mercado local procura tradutores e intérpretes com capacidade para traduzir qualquer tipo de texto, de qualquer área do conhecimento, e em ambos os sentidos; (3) a Administração Pública de Macau é o maior empregador de tradutores de chinês-português e, também, o local de trabalho preferido pelos tradutores; (4) existe um número significativo de tradutores que envereda por outra carreira, como por exemplo, advocacia, ou desempenha outras funções não relacionadas com a sua área de estudos.

Nesta investigação, dá-se um especial enfoque à visão dos profissionais da tradução, visto que se pretende identificar os aspectos considerados pelos próprios tradutores como sendo os mais relevantes e que devem ser tomados em conta pelas instituições de ensino superior no design dos curricullum.

[1] O ensino superior em Macau foi criado em 1991.


Palavras-chave


Tradução; Tradutor; Ensinar e Aprender; Mercado de Trabalho da Tradução

Texto completo:

PDF/A (English)

Referências


AGUIAR, M. T. S. (2002). Tradução e Interpretação em Macau. Em: IPM. Workshop de Tradução e Interpretação no Novo Milénio. Macau: IPM, 31-62.

ALVES, J. M. (2003). A Administração Portuguesa de Macau e a Língua Chinesa: Relatório da Comissão para a Implementação da Língua Chinesa – Documentação Complementar – 1985-1986. Macau: Coord. e Edição de João C. Reis.

DRAGO, J. (2003, Agosto). Os novos desígnios do Ensino Superior. Revista Macau, III Series, 15, 52-70.

DUFF, A. (1989). Translation. Oxford: Oxford University Press.

EHRENBERG, R. G. e SMITH, R. S. (2008). Modern Labor Economics: Theory and Policy (10th Edition). Toronto: Addison Wesley.

LAJES, A. (06/02/09). Nada como Antigamente: Politécnico forma mais de 100 tradutores por ano. Jornal Hoje Macau. [Online], [Accessed on 07-02-2009]. Available at: www.hojemacau.com/news.phtml?id=32455&today=06022009

MAR, D. e NEVES, P. (2009, 16 de Março). Interview with Maria Antónia Espadinha: Interesse pela Língua Portuguesa tem crescido. Jornal Tribuna de Macau. [Online], [Accessed on 17-03-2009]. Available at: http://www.jtm.com.mo/view.asp?dT=309603001.

YU, H. (2006). O Papel da tradução chinês/português na Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Boletim Trimestral nº 3. Macau: Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, 11-13.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2016v36n2p180



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.