Abrindo os olhos sobre a Ditadura Militar: audiodescrição como recurso de manutenção da memória brasileira

Autores

  • Lucinea Marcelino Villela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC), campus Bauru. Docente do Departamento de Ciências Humanas
  • Célio José Losnak Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC), campus Bauru. Docente do Departamento de Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2016v36n2p46

Palavras-chave:

Acessibilidade, Audiodescrição, Ditadura brasileira, Tradução audiovisual

Resumo

Em 2014, a sociedade brasileira teve a oportunidade de debater o triste período da Ditadura depois dos 50 anos do Golpe Militar. O objetivo principal deste artigo é a apresentação de um projeto de audiodescrição com fotos e vídeos marcantes  da ditadura brasileira e seus reflexos na sociedade brasileira. O projeto foi elaborado pelo grupo de pesquisa Mídia Acessível e Tradução Audiovisual, cujo foco principal é produzir recursos de acessibilidade para produtos audiovisuais diferentes (audiodescrição e legendas). Produzimos um fotodocumentário com um panorama de algumas imagens importantes e com um roteiro com enfoque em informações sobre a política brasileira de 1964 a 1989. Foram seguidas diversas etapas durante o processo de produção: a seleção das fotos, a contextualização histórica, os roteiros, a locução e a edição final do vídeo. A fim de produzir os roteiros das audiodescrições das fotos e das imagens selecionadas, seguimos algumas premissas sobre a audiodescrição. De acordo com Matamala (2006:330), os audiodescritores devem possuir várias competências, tais como: “the ability to undertake intersemiotic translations (turning images into words), the ability to summarise information in order to adapt the text to the limited space available, keeping the original meaning, by means of rewording and by using synonyms; the ability to critically select the most relevant information”.

Biografia do Autor

Lucinea Marcelino Villela, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC), campus Bauru. Docente do Departamento de Ciências Humanas

Possui graduação em Letras com Bacharelado em Tradução pela UNESP, Mestrado em Linguística Aplicada pela UNICAMP e Doutorado em Comunicação e Semiótica pela PUC de São Paulo. Docente de Língua Inglesa da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC), UNESP, Bauru, Departamento de Ciências Humanas. Suas pesquisas de mestrado e doutorado foram sobre Tradução Bíblica. Tem experiência de atuação como docente nas áreas de Língua Inglesa, Linguística Aplicada e Comunicação, atuando principalmente nas seguintes disciplinas: Língua Inglesa, Teoria e Prática da Tradução, Teorias da Comunicação. Atualmente suas pesquisas estão concentradas na área de Estudos da Tradução, com enfoque em Tradução Audiovisual relacionada com Agência de Notícias (Reuters) e produtos audiovisuais acessíveis. Pesquisa também recursos audiovisuais aplicados a web séries (legendagem para surdos e ensurdecidos e audiodescrição).

Célio José Losnak, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC), campus Bauru. Docente do Departamento de Ciências Humanas

Doutor (2000) e Mestre (1993) em História Social pela Universidade de São Paulo. Licenciado (1985) em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp). Professor do curso de Radialismo da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, campus Bauru. Bauru, São Paulo, Brasil.

 

Referências

ABREU, H. O Outro Lado do Poder. 5. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1979.

ALVES, M.H. Estado e Oposição no Brasil (1964-1984). Rio de Janeiro: Petrópolis, 1984.

ALVES, S. F. ; TELES, V. C. ; PEREIRA, T.V. . Propostas para um modelo brasileiro de audiodescrição para deficientes visuais. Tradução e Comunicação - Revista Brasileira de Tradutores, v. 22, p. 9-29, 2011.

BANDEIRA, L. A. M. O Governo João Goulart: as lutas sociais no Brasil, 1961-1964. 6.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.

BENECKE, B. Audio-Description. Meta : journal des traducteurs / Meta: Translators' Journal, vol. 49, n° 1, 2004, p. 78-80. Disponível em http://www.erudit.org/revue/meta/2004/v49/n1/009022ar. Acesso em 11/08/2015.

BETTO, F. Batismo de Sangue. 10. ed. Rio de Janeiro, Editora Bertrand Brasil, 1991.

CARDOSO, L.C. Construindo a Memória do Regime de 64. Revista Brasileira de História. v.14, nº 27, p.179-196. São Paulo: ANPUH-Marco Zero, 1994.

CAVALCANTI, P.C.U.; RAMOS, J. Memórias do Exílio – Brasil, 1964-19??. 1. De muitos Caminhos. São Paulo: Editora Livramento, 1978.

CHAUME, F. Film Studies and Translation Studies: Two Disciplines at Stake in Audiovisual Translation. Meta: journal des traducteurs / Meta: Translators' Journal, vol. 49, n° 1, p. 12-24, 2004.

D’ARAUJO, M. C. et al. (Org.). Visões do Golpe. A Memória Militar Sobre 1964. 2. ed. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

DREIFUSS, R. A. 1964: A Conquista do Estado. Ação Política, poder e golpe de classe. 5.ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

FICO, C. Versões e Controvérsias sobre 1964 e a Ditadura Militar. Revista Brasileira de História. São Paulo. v.24. n.47, p.29-60, 2004.

FRANCO, E. P. C. ; FORTUNATO, I.; FARIAS, S. R. ; SILVA, M. C. da. Confronting amateur and academic audiodescription: a Brazilian case study. Tradução em Revista (Online), v. 11, p. 1-16, 2011.

FURTADO, C. O Brasil Pós-“Milagre”. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

GABEIRA, F. O Que é Isso Companheiro? 14. ed. Rio de Janeiro: Codecri. 1980.

JORDÃO, F. Dossiê Herzog. Prisão, Tortura e Morte no Brasil. São Paulo: Global Editora, 1979.

KUCINSKI, B. Jornalistas e Revolucionários. Nos tempos da Imprensa Alternativa. São Paulo: Editora Página Aberta, 1991.

LOSNAK, C. J. Ardis da memória: vieses da trajetória política de O Estado e S. Paulo no pós-64. In: CARDOSO, C. M. (Org.). Humanidades em Comunicação: um diálogo multidisciplinar. Bauru: UNESP/FAAC; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2005. p.127-141.

MATAMALA, A.; ORERO, P. Designing a course on Audio Description: main competences of the future professional. Linguistica Antverpiensia. New Series, 6, 329-344, 2007.

MOTTA.L. Ver Com Palavras: Audiodescrição. Disponível em: http:www.vercompalavras.com.br/definicoes Acessado em: 27/08/2014

NAPOLITANO, M. O golpe de 1964 e o regime militar brasileiro. Apontamentos para uma revisão historiográfica. Contemporânea. Rio de Janeiro. v.2. año 2, p.209-217, 2011.

NAPOLITANO, C.J; LUVIZOTTO, C.K.; LOSNAK, C.J.; GOULART, J.O.; (Org.) O Golpe de 1964 e a Ditadura Militar em Perspectiva. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.

PORTELA, F. Guerra de Guerrilhas no Brasil. São Paulo: Global Editora, 1979.

RIDENTI, M. O Fantasma da Revolução Brasileira. São Paulo: Editora Unesp, 1993.

ROMERO-FRESCO, P. Accessible filmmaking: Joining the dots between audiovisual translation, accessibility and filmmaking . The Journal of Specialised Translation. v. 20, 2013.

SADER, E. Quando Novos personagens entraram em cena. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

SINGER, P. A Crise do “Milagre”. Interpretação crítica da economia brasileira. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

SMITH, A.M. Um Acordo Forçado: o consentimento da imprensa à censura no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000.

SIRKIS, A. Os Carbonários. Memórias da guerrilha perdida. 10 ed. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1988.

VENTURA, Z. 1968: o ano que não terminou. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

Downloads

Publicado

2016-05-09