Traduzir a poesia sonora

Olga Kempinska

Resumo


Relacionada enquanto efeito aos momentos-chave da encenação da emergência da linguagem, intensamente permeada pela afetividade, a meio-caminho entre o verbal e o pré-verbal, a poesia sonora é, sem dúvida, uma das maiores tentações de um tradutor de poesia. Ela se torna também um dos seus casos-limite. O presente trabalho procura apresentar e discutir a teoria da tradução da poesia sonora tal como conceituada por Roman Ingarden. Tomando como exemplos algumas das práticas poéticas das vanguardas e algumas soluções propostas por Augusto e Haroldo de Campos no Panorama de Finnegans Wake, analiso a noção ingardeniana de quase palavra e a diferença que existe entre a fruição da obra literária e a apreciação da obra musical. O interesse pela tradução não se limita para o pensador polonês à análise teórica: ele surge em meio ao seu trabalho filosófico, que se destaca pelos aspectos marcadamente bilíngues. De fato, na formulação da sua estética fenomenológica a tradução do polonês para o alemão (e vice-versa) participa do próprio processo do pensamento criativo.


Palavras-chave


Tradução poética; Poesia Sonora; Roman Ingarden

Texto completo:

PDF/A

Referências


CARROLL, Lewis. Aventuras de Alice no País das Maravilhas. Através do spelho. Trad. M. L. X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

CAMPOS DE, Augusto e Haroldo. Panorama do Finnegans Wake. São Paulo: rspectiva, 1971.

GLIŃSKI, Mikołaj. 10 twarzy Juliana Tuwima. 2013. In. http://culture.pl/pl/rtykul/10-twarzy-tuwima. Acesso em 30 de junho de 2017.

INGARDEN, Roman. A obra de arte literária. Trad. A. E. Beau et al. Lisboa: louste Gulbenkian, 1973.

INGARDEN, Roman. Wybór pism estetycznych. Cracóvia: Universitas, 2005.

INGARDEN, Roman. Wykłady i dyskusje z estetyki. Varsóvia: PWN, 1981.

INGARDEN, Roman. Szkice z filozofii literatury. Cracóvia: Znak, 2000.

INGARDEN, Roman. “O Tłumaczeniach”. In. Z teorii języka i filozoficznych odstaw logiki. Varsóvia: PWN, 1972, pp. 120-190.

INGARDEN, Roman. “On Translations”. Trad. J. Wawrzycka. In.

TYMIENIECKA, Anna-Teresa (org.). Ingardeniana III. Roman Ingarden’s sthetics in a New Key and the Independent Approaches of Others: The rforming Arts, the Fine Arts and Literature. Dordrecht: Kluwer Academic blishers, 1991, pp. 131-192.

LEM, Stanisław. Opowiadania wybrane. Cracóvia: Wydawnictwo Literackie, 975. Stanisław Lem Expedição Primeira A ou o poetômato de Trurl. Trad. Olga mpinska. In. (n.t.) Revista Literária em Tradução 13. Florianópolis, 2017, pp. 74-196.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Olhar Escutar Ler. Trad. B. Perrone-Moisés. São ulo: Companhia das Letras, 2010.

MALLARMÉ, Stéphane. Poésies et autres textes. Paris: Librairie Générale ançaise, 1998.

NOËL, Émile (org.). As ciências da forma hoje. Trad. C. K. Moreira. Campinas: pirus, 1996.

SCHAFER, Murray. O ouvido pensante. Trad. M. Trench de O. Fonterrada et al. o Paulo: Ed. Unesp, 2011.

TUWIM, Julian. Miłość mnie szuka po mieście. Varsóvia: Nasza Księgarnia, 990.

VERLAINE, Paul. Poems under Saturn. Poèmes Saturniens. Trad. K. Kirchwey. inceton: Princeton University Press, 2011.

https://en.wikipedia.org/wiki/Chrz%C4%85szcz. Acesso em 23 de outubro de 016.

https://fr.wikipedia.org/wiki/Chrz%C4%85szcz. Acesso em 23 de outubro de 016.

https://es.wikipedia.org/wiki/Chrz%C4%85szcz. Acesso em 23 de outubro de 016.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38n2p185



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.